O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Simbologia da União Europeia: a mensagem passada pelo texto, estética e homenagens

Símbolos e homenagens (nomes em seus edifícios) escolhidos pela União Europeia (UE) materializam a mensagem institucional que esta organização pretende que seja a sua “pele”. Vamos ver quais são e qual o seu significado.

Símbolos:

Hino

Cumpriram-se, em 2023, 200 anos da criação da melodia escolhida pela UE para ser o seu rosto musical: “Hino à Alegria”, composto por Ludwig Van Beethoven em 1823, pertencente à Nona Sinfonia. Representa, segundo a própria UE, o “ideal da fraternidade”.

Começou por ser o hino do Conselho da Europa (1972) e foi depois adotado também pela UE (1985). Uma das suas versões oficiais foi gravada em Lisboa, no Teatro da Trindade, em 1994. É da Orquestra dos Instrumentos de Sopro da Juventude da União Europeia, dirigida por André Reichling (e com arranjos de Herbert von Karajan).

 

Bandeira

É composta por três elementos, cada qual com o seu significado autónomo.

O círculo de estrelas douradas simboliza a “unidade, solidariedade e harmonia entre os povos da Europa”.

O número de estrelas (12) pretende representar a perfeição, a plenitude e o equilíbrio, que também estão patentes, entre outros, nos meses do ano e nos signos do zodíaco.

As cores usadas (azul de fundo e o dourado das estrelas) apontam para a harmonia.

Esta bandeira foi concebida pelo Conselho da Europa como seu símbolo (1955), que recomendou o seu uso generalizado pelas instituições europeias. Mas apenas na década de 80 tal viria a acontecer: em 1983 pelo Parlamento Europeu e em 1985 pela então CEE; CECA e Euratom (que confluíram na UE).

 

Divisa

É o mais recente elemento da simbologia da UE (escolhido em 2000 e formalizado em 2007, no Tratado de Lisboa): “Unida na diversidade”.

O lema, apurado por intermédio de um concurso onde participaram cerca de 80 mil jovens, evoca a paz e a prosperidade alcançadas através da construção da UE, por sua vez alicerçada nos dois conceitos da frase, que tinham grande potencial para se tornarem oponentes.

 

Dia da Europa

Assinalado a 9 de maio, data da “Declaração Schuman”, que esteve na génese da fundação de todo o projeto europeu. Nesse dia, em 1950, o então ministro dos Negócios Estrangeiros Francês, Robert Schuman, propôs, num discurso histórico, a criação da que menos de 1 ano depois viria a designar-se Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA), a antecessora da CEE/União Europeia. O dia simboliza a paz e a unidade do continente europeu.

 

Nomes em edifícios próprios

Apenas dois edifícios da UE têm o nome de pessoas, que, pela exceção nessa prática, foram assim mesmo distinguidas pela instituição.

 

Justus Lipsius

. Bruxelas

. sede do Conselho da UE entre 1995 e 2017

. reuniões do Conselho Europeu entre 2002 e 2017

. atualmente ainda concentra a maior parte dos serviços do Secretariado-Geral, é palco das reuniões de nível inferior e aloja o Centro de Imprensa

Marcou, com toda a sua produção intelectual de caráter humanista, o tempo que viveu (2ª metade do século XVI até 1606) e o que se lhe seguiu: filólogo, historiador, ensaísta, editor, professor universitário, entre outras atividades. Nasceu perto de Bruxelas, em 1547, nas então designadas Dezassete Províncias (que incluíam os atuais Países Baixos, Bélgica e Luxemburgo).

 

Louise Weiss

. Estrasburgo

. edifício-sede do Parlamento Europeu, onde estão o plenário e os gabinetes dos deputados (desde 1999)

Nasceu ainda no século XIX (1893), em França, e foi precursora dos direitos civis das mulheres, através de todo o seu trajeto: formação académica (licenciou-se em Oxford); profissão (jornalista) e participação na vida política (candidata nas eleições parlamentares de 1936). Assumiu-se como uma das maiores defensoras do voto feminino (capacidade eleitoral passiva e ativa) e teve papel ativo nas duas guerras mundiais (na I fundou um hospital; na II foi membro do movimento da resistência francesa ao nazismo). Em junho de 1979 (com 86 anos), no primeiro sufrágio direto para o PE, foi eleita eurodeputada e presidiu à sessão de abertura do novo PE, agora escolhido pelo povo. Morreria durante a vigência do mandato, em maio de 1983.

————————————————————-

UE

Este artigo foi desenvolvido pelo Polígrafo no âmbito do projeto “EUROPA”. O projeto foi cofinanciado pela União Europeia no âmbito do programa de subvenções do Parlamento Europeu no domínio da comunicação. O Parlamento Europeu não foi associado à sua preparação e não é de modo algum responsável pelos dados, informações ou pontos de vista expressos no contexto do projeto, nem está por eles vinculado, cabendo a responsabilidade dos mesmos, nos termos do direito aplicável, unicamente aos autores, às pessoas entrevistadas, aos editores ou aos difusores do programa. O Parlamento Europeu não pode, além disso, ser considerado responsável pelos prejuízos, diretos ou indiretos, que a realização do projeto possa causar.

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque