O primeiro jornal português
de Fact-Checking

As 23 verificações de factos do Polígrafo mais lidas e comentadas em 2023

Das entrevistas de políticos ou declarações no Parlamento até à desinformação sobre a guerra israelo-palestiniana, passando por teorias da conspiração sobre a União Europeia, escalada dos preços via inflação, dúvidas dos reformados, imagens concebidas por Inteligência Artificial, denúncias anti-imigração ou um suposto "Campeonato Europeu do Sexo" na Suécia. Entre outros temas que marcaram o ano do Polígrafo, sempre ao serviço da verdade dos factos.

Quem não aderir à Identidade Digital Europeia ficará excluído do acesso a serviços através da Internet?

O que é isso de “Identidade Digital Europeia”? Trata-se de um projeto da Comissão Europeia que visa criar uma identidade digital reconhecida em qualquer parte da União Europeia (UE) e conceber uma forma simples e segura de controlar as informações que cada um pretende partilhar com serviços que exigem determinadas informações.

Ou seja, qualquer pessoa elegível para um cartão de cidadão nacional de um país da UE passa a ter uma carteira digital da UE para se autenticar e aceder a serviços públicos e privados, além de poder armazenar, partilhar e assinar documentos eletronicamente.

Parece ser algo útil e inofensivo, mas nas redes sociais propagou-se uma suposta “notícia” em que se alerta: “União Europeia declara que cidadãos que recusarem a identidade digital de Bill Gates serão excluídos da sociedade.”

Contudo, não passa de uma fake news. O facto é que, na informação que a Comissão Europeia tem divulgado sobre esta iniciativa, destaca-se precisamente a “não obrigatoriedade” da carteira digital.

Falso

_______________________________

António Costa na TVI: As falsidades da entrevista ao Primeiro-Ministro

Em entrevista à TVI/CNN Portugal, na noite de 11 de dezembro, o Primeiro-Ministro demissionário, António Costa, proferiu várias afirmações classificadas como “Verdadeiras” pelo Polígrafo. Mas também falhou em quatro alegações que mereceram o selo de “Falsas“.

Numa espécie de balanço após oito anos de governação, Costa disse que “não é verdade” que os portugueses paguem mais impostos indiretos; argumentou que o que tem aumento na carga fiscal “não são os impostos”, mas sim “as contribuições para a Segurança Social”; destacou que “o salário médio em Portugal aumentou 40%”; e justificou a subida do número de utentes do SNS sem médico de família atribuído com o aumento do número de residentes, o que altera o “rácio”.

O Polígrafo verificou e analisou os dados estatísticos em causa, confrontando depois o gabinete do Primeiro-Ministro com esses números.

Falso

_______________________________

Ventura diz que regiões como Odemira e Algarve têm mais população imigrante do que residente

A 23 de junho, no Parlamento, durante a discussão da proposta de lei do Governo e dos projetos de lei do Chega e do PAN sobre as condições de entrada e de residência de nacionais de países terceiros para efeitos de emprego altamente qualificado, André Ventura referiu que “em algumas zonas, como Odemira e Algarve, a população imigrante é já muito mais do que a população residente“.

“Em breve, 10% da população será imigrante. Muito a breve trecho poderemos ter mais do que isto, com valores a atingir os 15% e os 20%. Em algumas zonas, como Odemira, no interior do Alentejo, no Algarve, no norte do país, a população imigrante é já muito mais do que a população residente, sem que o Governo se preocupe em olhar sequer para o problema como um problema e o ver como uma mera contingência”, afirmou o líder do partido Chega.

Logo depois, o aviso: “Quando o país se tornar, todo ele, uma Odemira, lembrem-se das palavras que aqui dissemos. Nós avisámos.” Ventura parecia convicto dos dados, mas as estatísticas não estão a seu favor. Por mais que as regiões mencionadas pelo deputado sejam umas das mais afetadas pelo fenómeno migratória, a verdade é que em nenhuma delas o número de imigrantes supera o de residentes.

Falso

_______________________________

Basta ganhar 2.000 euros brutos por mês para “fazer parte dos 10% mais ricos do país”?

Será possível que um salário bruto de 2.000 euros é suficiente para integrar o lote dos “10% mais ricos” em Portugal? Num tweet de 18 de janeiro garante-se que sim e, aliás, sublinha-se também que “se ganhares mais de 1.500 euros já estás nos 15% mais ricos” e “se ganhares mais de 800 euros estás melhor do que 54% da população ativa”.

O Polígrafo verificou estas alegações e concluiu que o tweet indica números próximos dos corretos, de acordo com os últimos dados da Segurança Social. No entanto, importa ressalvar que a expressão “10% mais ricos do país” é duvidosa, na medida em que os dados são referentes aos salários e não à riqueza acumulada.

A expressão mais consentânea com a verdade dos factos seria “10% com maiores salários do país“.

Verdadeiro, Mas…

_______________________________

Tese de Mestrado do líder dos “Super Dragões” repleta de frases impercetíveis e erros gramaticais?

A polémica em torno da Tese de Mestrado em Gestão Desportiva que Fernando Madureira, líder dos “Super Dragões” (a maior claque do FCP), apresentou no ISMAI – Instituto Universitário da Maia, em 2017, tendo sido aprovado com 17 valores, não é uma novidade. Logo na altura, Carlos Fiolhais, físico e professor universitário, apontou para sucessivos “erros de ortografia e pontuação”, entre outras “pérolas”, lamentando “o estado do ensino superior português, politécnico no caso”. Aliás, o reitor do ISMAI chegou a anunciar o envio da dissertação à Inspeção-Geral da Educação e Ciência com um pedido de averiguação.

Mas os recentes desacatos e violência numa reunião da Assembleia Geral do FCP, além de terem motivado uma petição que pedia a destituição de Madureira como sócio do FCP (entretanto cancelada), como que reacenderam uma série de controvérsias que envolvem o líder dos “Super Dragões”, incluindo a Tese de Mestrado. O visado atingiu mesmo o topo do “ranking” de temas mais discutidos no X/Twitter, onde se lançaram muitas suspeitas (e chacota) contra a dissertação de 17 valores.

Essas dúvidas em torno do “Projeto Bancada Total – Um Serviço Inovador para o Clube”, defendido por Madureira no ISMAI, têm fundamento? O Polígrafo pediu uma análise gramatical do texto a Manuela Gonzaga, consultora linguística.

Verdadeiro

_______________________________

É obrigatório pagar multas por faturas que chegam depois do prazo de pagamento?

“É só a mim ou também estão a receber a carta para pagar a água com registo simples juntamente com a fatura do mês anterior numa carta normal? Assim debitam mais cinco euros por atraso de pagamento e isto multiplicado por 10.000 utentes por mês, dá 50.000 euros”, denuncia-se num post de 10 de janeiro no Facebook.

Contactado pelo Polígrafo, o denunciante indica que nesse mesmo dia 10 de janeiro recebeu a carta com a notificação da multa de cinco euros e também a conta do serviço de abastecimento de água referente a dezembro de 2022.

Mas a empresa em causa, Águas Públicas da Serra da Estrela (APdSE), apresentou ao Polígrafo uma versão diferente do sucedido: “O consumidor confunde as coisas. A multa que recebeu é já do mês anterior. Até ao final do mês não cobramos qualquer custo mesmo que passe do prazo.”

Relativamente à multa de cinco euros, a APdSE assegurou que advém de uma fatura de outubro de 2022 que “devia ter sido paga até 30 de novembro e não foi. Essa ssim foi com o registo simples”.

Falso

_______________________________

Na Suíça paga-se IUC de apenas 42 euros por ano que dá acesso gratuito a todas as auto-estradas?

Num grupo no Facebook dedicado à “Petição contra o IUC para automóveis anteriores a 07-2007” destaca-se, a título de exemplo, uma comparação entre Portugal e Suíça no que respeita ao imposto de circulação de automóveis e outros veículos nas estradas. Alega-se que na Suíça esse imposto corresponde a uma vinheta que custa 42 euros por ano e permite circular em todas as auto-estradas do país, gratuitamente, durante todo o ano.

“Perguntaram como é o imposto de circulação na Suíça, aqui vai: (…) não existem portagens na Suíça, apenas temos de comprar o imposto das auto-estradas, chamado de vignette, o qual deve ser exibido no pára-brisas do seu carro na Suíça. Está disponível em muitos locais, tais como na fronteira alfandegária, correios, estações de serviço. O valor é de 40 francos suíços por ano”, alega-se no post datado de 28 de outubro.

As autoridades da Confederação Suíça referem-se ao selo como uma vinheta, em nota informativa sobre o acesso de veículos motorizados a todas as auto-estradas e vias rápidas do território daquele país situado na Europa Central, em plena região dos Alpes.

O problema é que esta vinheta não corresponde ao imposto de circulação na Suíça, ao contrário do que se alega na publicação em causa.

Impreciso

_______________________________

O mesmo azeite vendido ao mesmo preço de 4,99 euros na mesma semana em três supermercados diferentes?

Confuso? É o mesmo azeite “subtil” da marca Gallo, em garrafa de 75cl. Exatamente ao mesmo preço de 4,99 euros, igual até aos cêntimos e todos em promoção. No mesmo período temporal e em três supermercados diferentes: Continente, Minipreço e Auchan. A denúncia surgiu no Twitter e aponta-se para eventual “concertação de preços”.

“O mesmo preço, na mesma semana, no mesmo produto, em três supermercados diferentes (Continente, Minipreço e Auchan), é resultado do alinhamento astral e do mercúrio retrógrado em capricórnio. Só gente mal-intencionada é que vê aqui concertação de preços”, acusa-se num tweet de 14 de março.

Mostra três imagens do referido produto – azeite “subtil” da marca Gallo, em garrafa de 75cl – à venda nos três supermercados em causa, exatamente ao mesmo preço de 4,99 euros e todos no âmbito de promoções.

O Polígrafo verificou os últimos folhetos que apresentam os preços atualizados dos produtos do Continente, Auchan (neste caso o preço do azeite em causa não se encontra no folheto, mas está disponível no site do supermercado) e Minipreço. Nos três supermercados estão campanhas promocionais em vigor, mas todas resultam no mesmo preço final: 4,99 euros.

Verdadeiro

_______________________________

Suécia torna-se primeiro país a “registar o sexo como um desporto” e promove “Campeonato Europeu do Sexo”?

A primeira edição do “Campeonato Europeu do Sexo“, organizada pela “Federação Sueca do Sexo”, terá começado no dia 8 de junho de 2023, de acordo com um tweet em língua inglesa que está a ser partilhado em vários países, inclusive em Portugal. A suposta competição será transmitida em direto (via stream) a partir de um site indicado na imagem do tweet, com a duração de “seis horas por dia”, “jogos de 30 a 45 minutos”, “16 modalidades”, “20 representantes”.

“Não admira que a Suécia esteja no ‘top 10’ de melhores países onde viver”, comenta-se no tweet em causa, destacando a mais recente proeza do país escandinavo: o primeiro do mundo a “registar o sexo como desporto“.

Acresce um vídeo de promoção da competição e também a lista das modalidades, nomeadamente “prelúdio”, “sexo oral”, “penetração”, “resistência” ou “criatividade em mudança de posição”, entre outras.

Num artigo de 26 de abril de 2023 publicado no “Göteborgs-Posten”, jornal diário sueco, informa-se que uma entidade auto-denominada como “Federação Sueca do Sexo” foi fundada pelo proprietário de vários clubes de striptease.

O fundador submeteu mesmo uma candidatura da “Federação Sueca do Sexo” para integrar a Confederação Nacional do Desporto da Suécia como membro, mas essa candidatura foi rejeitada, na medida em que estava incompleta e por isso nem chegou a ser analisada.

Pimenta na Língua

_______________________________

Mercadona paga salários superiores aos dos médicos do SNS em Portugal?

“Quem quer trabalhar no SNS?” O tweet é publicado em tom de sátira, comparando os salários praticados na empresa Mercadona com as remunerações dos médicos, enfermeiros e auxiliares de ação médica no Serviço Nacional de Saúde (SNS). As tabelas não são oficiais, mas os salários vão dos 740 euros (para um auxiliar de ação médica no SNS) aos 2.784 euros (para um gerente de transportes na Mercadona).

A conclusão é simples: ser funcionário do SNS já não compensa, uma vez que os salários pagos pela cadeia de supermercados são no geral mais elevados.

Ao Polígrafo, fonte oficial da Mercadona indica que “todas as ofertas de emprego e respetivos valores salariais estão disponíveis para consulta na página web oficial” da empresa. O Polígrafo consultou o site, onde surgem atualmente 53 cargos disponíveis: entre operadores de loja e de armazém, auxiliares de manutenção, gestores de transportes e técnicos informáticos, os salários vão dos 1.133 euros aos 1.685 euros mensais, com subsídios de férias e Natal incluídos. A este montante acresce subsídio de alimentação diário e subsídio de domingos e feriados.

No SNS, porém, os salários de um médico interno rondam, de acordo com as tabelas do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) para 2022, os 1.857,49 euros. No mínimo, um médico interno aufere 1.585,26 euros e, no máximo, 1.960,69 euros, para um tempo completo de 40 horas.

Falso

_______________________________

É possível receber 350 euros de pensão de reforma “após 42 anos de descontos”?

“Fiz 42 anos de descontos seguidos, meti a pré-reforma aos 55 anos e recebo 350 euros por mês“, sublinha o autor da publicação que apresenta a imagem de um documento com o “cálculo da pensão estatutária”.

No documento é visível a indicação do número de anos considerados no referido cálculo – 42 no total – e do valor de pensão proporcional – 315,58 euros no total.

Questionado pelo Polígrafo sobre esta matéria, Tiago de Magalhães, advogado especializado em Direito do Trabalho, indica que “apesar de não estar completa, faz referência ao valor do IAS de 2008 (407,41 euros), podendo assumir-se que a reforma terá sido atribuída naquele ano”.

O advogado assume que “é possível que uma pessoa com mais de 42 anos de carreira contributiva lhe tenha sido atribuída uma pensão de velhice, em 2008, no montante de 315,58 euros. À data de hoje essa mesma pensão já terá sido atualizada para os cerca de 350 euros, conforme referido na publicação”.

Verdadeiro

_______________________________

Marcelo Rebelo de Sousa sobre Covid-19: “Chegámos a ter um dia com 33 mil mortes”

No dia 21 de dezembro, Primeiro-Ministro e Presidente da República trocaram os oitavos e últimos cumprimentos de Natal no Palácio de Belém. Numa aposta arriscada, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que “os portugueses foram excepcionais” durante a pandemia de Covid-19 e que, num desses dias, o país chegou a ter “33 mil mortes“.

“Acho que chegámos a ter um dia com 33 mil mortes [durante a pandemia de Covid-19]. Não tenho a certeza se não é um exagero”, declarou. Foi um exagero. Dos grandes: em Portugal, o dia com mais óbitos relacionados com a doença foi a 27 de janeiro de 2021. Nessa quarta feira, Portugal registou 303 mortes por Covid-19, um valor que o dia 30 de janeiro viria a igualar.

De acordo com o boletim epidemiológico de 28 de janeiro (referente ao dia anterior), a 27 de janeiro de 2021 havia 180.076 casos ativos de Covid-19 no país. Contabilizados a 2023, segundo dados do portal “Our World in Data“, a Covid-19 matou 27.764 pessoas em Portugal e registaram-se cerca de 5,6 milhões de casos no país.

Pimenta na Língua

_______________________________

Penas de prisão: “Mais de metade dos reclusos são originários de Cabo Verde, Brasil e Guiné-Bissau”?

A publicação no Facebook (datada de 26 de outubro) consiste no que parece ser o resultado de uma pesquisa num motor de busca sobre “nacionalidade mais presa em Portugal”. Sem indicar hiperligação para a fonte de informação, destaca-se que “por nacionalidades, mais de metade dos reclusos que estão detidos em solo nacional são originários de Cabo Verde (25,2%), Brasil (22,4%) e Guiné-Bissau (9,5%)”.

“Em causa estão dados da Direção-Geral dos Serviços Prisionais, que constam no relatório Indicadores de Integração de Imigrantes 2022”, conclui-se.

A informação destacada no post é verdadeira, mas está apresentada de forma isolada e descontextualizada, além de omitir dados fundamentais.

Resulta assim na ideia (falsa) de que mais de metade dos reclusos são estrangeiros/imigrantes. Quando na realidade o que está aqui em causa é um indicador de nacionalidades mais representadas entre os reclusos estrangeiros em Portugal.

No último Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), referente ao ano de 2022 (pode consultar aqui), apresentam-se dados mais recentes. Segundo esse documento, 84,7% da população prisional de 2022 tinha nacionalidade portuguesa.

Falso

_______________________________

Professor ganha pouco mais de €1.000 ao fim de 25 anos de carreira mas coordenador da Proteção Civil ganha €3.080?

“Professor, 25 anos de trabalho, a 100 quilómetros de casa, precário, 1.180 euros… Oficial de Segurança, Câmara do PS, 3.080 euros. Fossem do PS”, compara-se num post no Facebook remetido ao Polígrafo com pedido de verificação de factos.

O contexto? Na mesma altura em que milhares de professores, por todo o país, têm feito greves e manifestações em que reivindicam melhores condições sócio-económicas. Além de uma notícia de 12 de janeiro revelando que Rui Laranjeira, “o namorado da secretária de Estado da Protecção Civil, Patrícia Gaspar, foi nomeado coordenador da Protecção Civil do Barreiro – concelho governado por um socialista que teve a governante como mandatária da candidatura autárquica do actual presidente, Costa Rosa”.

Daí a comparação entre o salário de um professor com 25 anos de carreira, no contexto da greve em curso, com o salário do recém-nomeado coordenador municipal da Proteção Civil na Câmara do Barreiro.

Para professores com 25,2 anos completos de serviço, com idade média situada nos 49,9 anos, o mais natural é que pertençam ao 4.º escalão. Mas os desvios-padrão são altos e nada pode garantir que um docente nessas condições esteja efetivamente nessa posição remuneratória. Se estiver, porém, deverá ter auferido, durante o ano de 2022 e segundo as tabelas do Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE), 2.006,25 euros brutos, ou seja, 1.276,34 líquidos. Mas isto só se for solteiro e sem dependentes.

Os números variam bastante, mas há só um escalão e uma situação pessoal em que o docente leva para casa, líquidos, 1.180,28 euros, o valor mais próximo do mencionado no “post”. Para isso, basta que esteja inserido no 2.º escalão, não seja casado e que tenha dois dependentes a seu cargo.

Verdadeiro, Mas

_______________________________

“Falha técnica”. Novos radares em Viseu captaram camião a 193 km/hora numa nacional?

Portugal e o Grande Prémio das Multas”. A frase é de um utilizador do X, que partilha a imagem captada por um radar português: um camião na Estrada Nacional 234, também conhecida como Estrada do Luso, em Viseu, foi apanhado a 193km/hora, num local onde o limite está fixado nos 70km/hora.

Já que o erro máximo admissível nestes casos é de 10km/hora, a velocidade relevante para a multa desce para os 183km/hora, um número ainda assim elevado e praticamente impossível de atingir para um camião uma estrada nacional. Este conjunto improvável de acontecimentos foi quanto bastasse para o sucesso do caso nas redes sociais.

radares

Ao Polígrafo, a ANSR, que já tinha anunciado a instalação destes radares a partir de 1 de setembro, assume a falha técnica pontual e garante que esta já foi identificada e que até já se encontra resolvida.

A mesma fonte defende que todo o processo de aprovação dos aparelhos de controlo de velocidade está sujeito aos requisitos legalmente estabelecidos, nomeadamente à aprovação e à verificação periódica pelo Instituto Português da Qualidade.

Verdadeiro, Mas…

_______________________________

Jovens terão de pagar até 145 euros para serem aceites como voluntários na Jornada Mundial da Juventude?

“Isto há-de ser o maior negócio de sempre da Igreja. Quem quiser ser voluntário, repito, voluntário, tem de pagar, no mínimo, 60 euros. A organização conta ter 30 mil voluntários”, denuncia-se num tweet de 26 de janeiro.

O valor mínimo não está completamente correto, mas a ideia é fiel à realidade: quem quiser trabalhar como voluntário na JMJ em Lisboa tem que pagar por um pacote à sua escolha.

A informação divulgada no portal do evento religioso é clara: para pacotes de voluntários centrais, as inscrições envolvem um valor monetário que pode variar entre os 30 e os 145 euros. Para ser voluntário basta que tenha “mais de 18 anos à data de 1 de agosto de 2023” e que se tenha “disponibilidade total nos dias 23 de julho a 7 de agosto de 2023, em Lisboa”.

Ao Polígrafo, fonte oficial da JMJ Lisboa 2023 explica que “os voluntários de curta duração, que participam de 23 de julho a 7 de agosto de 2023, contribuem com um valor compreendido entre 30 e 145 euros que reverte para os gastos associados à organização da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023″.

Verdadeiro

_______________________________

Carlos Moedas inaugurou “residência de estudantes” com quartos que custam de 695 a 1.096 euros por mês?

“Inaugurámos a nova residência de estudantes no Campo Pequeno. Trabalhamos diariamente para aumentar a oferta de habitação: através do setor público e do privado, do setor social e cooperativo”, destacou Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, num tweet de 17 de março que exibe retratos da sua participação na inauguração, desde logo o momento em que remove a bandeira municipal que cobria o que parece ser uma placa com referência à data da cerimónia e presença do autarca.

Mas nem todos ficaram impressionados com o “trabalho diário” de Moedas para “aumentar a oferta de habitação”. No dia seguinte, uma utilizadora do Twitter partilhou a publicação de Moedas e comentou, não sem ironia ou sarcasmo: “Fui ver o preço dos quartos. Amanhã devo estar recuperada do choque e, ao mesmo tempo, da admiração pela coragem.”

O Polígrafo também foi impelido por vários leitores a ir “ver os preços” e confirma que não são para todas as carteiras, nem de estudantes nem de qualquer trabalhador com rendimento próximo do salário mínimo nacional.

Ora, a “residência de estudantes” em causa dá pelo nome de “Nido Campo Pequeno” e, no momento em que escrevemos este artigo, só tem quartos disponíveis a partir de 735 euros por mês, para o próximo ano letivo, tendo que se ficar “em lista de espera para setembro de 2023“.

Verdadeiro

_______________________________

Confirma-se que 74% das pensões de velhice da Segurança Social são inferiores ao salário mínimo?

“Caríssimos nobres aposentados, reformados e pensionistas: 7 em cada 10 pensionistas de velhice da Segurança Social receberam uma pensão abaixo do salário mínimo nacional em 2022. Ou seja, 74% das pensões de velhice da Segurança Social são inferiores ao salário mínimo. Tarde feliz”, ironiza-se num post de 1 de julho no Facebook.

Contas feitas, em 2022, 73,6% dos portugueses reformados por velhice recebiam menos do que o salário mínimo nacional que era, nesse ano, de 705 euros. Aliás, de acordo com o relatório da “Conta da Segurança Social de 2021” (última disponível, publicada em maio de 2023), no ano de 2021 “pagou‐se em média, por mês, cerca de 408,97 euros de pensão de invalidez e 494,12 euros de pensão de velhice, refletindo o acréscimo das pensões médias pagas aos novos pensionistas e aumento anual de pensões”.

fb

“No quinquénio 2021‐2017 registou‐se um aumento de 27,40 euros no valor da pensão média de invalidez (+7,2%) e de 45,69 euros no valor médio da pensão de velhice (+10,2%)”, sublinha-se no mesmo relatório.

Verdadeiro

_______________________________

Pagamento com cartão internacional em terminal automático de bomba de gasolina da BP implica débito de 100 euros?

“Ontem à tarde deparei-me com esta situação no posto de abastecimento de Sesimbra”, aponta um leitor do Polígrafo, em mensagem enviada à redação, questionando sobre se “será legal o que estão a fazer?”

Exibe duas imagens do que parece ser uma bomba de gasolina da BP, nas quais se destaca o seguinte aviso: “Informamos que ao utilizar cartões Multibanco internacionais será debitado automaticamente 100 euros por imposição bancária mais o valor do abastecimento.”

Questionada pelo Polígrafo, fonte oficial da marca BP confirma a autenticidade do aviso e justifica que resulta de “um procedimento bancário, transversal a diferentes setores de atividade”.

“A BP informa que a situação descrita trata-se de um procedimento bancário, transversal a diferentes setores de atividade que envolvam pagamentos bancários, e que é aplicado sempre que é feita uma transação com um cartão bancário estrangeiro num terminal de pagamento automático”, responde.

Verdadeiro, Mas…

_______________________________

Cartazes com caricatura racista de António Costa têm sido utilizados em manifestações de professores desde há meses?

Por entre gritos exigindo “respeito” e cartazes com a palavra de ordem “demissão”, sob uma caricatura do rosto de António Costa com nariz de porco, lápis espetados nos olhos e lábios sobredimensionados – ao estilo das personagens de “Tintim no Congo”, álbum de banda desenhada de Hergé publicado em 1931, notório estereótipo racista que era comum nos desenhos de pessoas africanas nessa época -, o primeiro-ministro enfrentou a 11 de junho um grupo de professores em protesto, ao longo de um caminho a pé na direção de um restaurante, à margem das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, a 10 de junho, no Peso da Régua.

Durante esse percurso foi falando com alguns manifestantes, além dos jornalistas que o acompanhavam, e sucederam-se alguns momentos tensos de discussão e interrupções mútuas. “Com licença, posso agora eu [falar]? Respeito que agora é a minha vez de falar. O respeito tem de ser dos dois lados”, disse Costa a uma professora. Noutra circunstância chegou mesmo a apontar para os cartazes e a classificá-los como “racistas“.

Contudo, não é a primeira vez que tais caricaturas aparecem em manifestações de professores.

No dia 4 de maio, por exemplo, o “Jornal de Notícias” reportou sobre um protesto de professores contra o Governo, em Braga, “onde contestaram o atual estado da escola pública e exigiram a demissão dos governantes”.

Verdadeiro

_______________________________

Aeroporto de Lisboa está a vender “bagagem perdida por dois euros” cada unidade?

“Isto não é um leilão! Vendemos bagagem perdida por 2 euros!” Assim se anuncia numa publicação de 13 de dezembro no Facebook, numa página denominada como “Aeroporto Internacional de Lisboa”.

O anúncio revelava que o Aeroporto de Lisboa estaria a “limpar urgentemente” o seu “armazém” e, nesse sentido, a vender bagagem perdida “armazenada há mais de 6 meses”. A acompanhar a publicação, uma imagem que mostra um espaço fechado com centenas de malas – por entre avisos indicando que essa venda estaria a ser promovida pela ANA – Aeroportos de Portugal.

O Polígrafo contactou a ANA – Aeroportos de Portugal, responsável pela concessão do Aeroporto de Lisboa, que indicou que o “post” alvo de análise é uma “publicação fraudulentaem nome da ANA – Aeroportos de Portugal / Aeroporto de Lisboa que promove a venda de bagagens perdidas”. Em causa está um “situação” que “já foi denunciada ao Facebook / META e sobre a qual a ANA já se encontra a agir judicialmente”.

Pimenta na Língua

_______________________________

Empresa israelita promove “casas de sonho na praia” sobre os escombros da Faixa de Gaza?

A violência verbal atingiu quase instantaneamente um ponto de ebulição que levou a desativar a caixa de comentários da publicação de 13 de dezembro no Instagram, na conta da empresa israelita Harey Zahav (“Montanhas Douradas”, em tradução livre a partir do original em hebraico). A imagem de uma série de vivendas projetadas para construção sobre os escombros da guerra na Faixa de Gaza motivou expressões de ódio, indignação e ameaças. Mas o anúncio permanece visível até hoje, dia 18 de dezembro.

“Acorde, uma casa na praia não é um sonho“, destaca-se na publicação que remete (via hashtag) para Neve Dekalim, antigo colonato israelita no Sul da Faixa de Gaza (integrado em Gush Katif, bloco de colonatos naquela região) que acabou por ser evacuado em 2005, no âmbito do plano de separação unilateral implementado pelo então Primeiro-Ministro de Israel, Ariel Sharon – em síntese, retirada total da Faixa de Gaza e também de quatro colonatos na Cisjordânia.

Na página da empresa Harey Zahav promovem-se vários empreendimentos imobiliários situados em colonatos israelitas na Cisjordânia: Emanuel, Kedem – Avnei Hepetz, Reichan, Dotan, Neriah, etc. A maior parte das imagens são reais (de construções já concluídas no terreno) e retratam casas que estão à venda “no mercado”.

A imagem em causa das vivendas na Faixa de Gaza é diferente: não é real, mas consiste na simulação de um projeto que estará em fase de planeamento. “Nós na Harey Zahav estamos a trabalhar e preparar o terreno para o regresso a Gush Katif“, realça-se no polémico anúncio. “Esperamos que num futuro próximo todos os reféns sejam devolvidos em segurança às suas famílias, os nossos soldados regressem a casa e possamos iniciar a construção na Faixa de Gaza, em todo o Gush Katif.”

Verdadeiro

_______________________________

Estas imagens da Terra foram captadas por missão espacial indiana a partir da Lua?

Imagem da Terra feita da Lua pela Chandrayaan-3 (Pragyan Rover) enviada pela Índia e que recentemente pousou na Lua”, descreve-se num post de 27 de agosto no Facebook que exibe o conjunto de fotografias em causa.

Recorde-se que poucos dias antes, a 23 de agosto, a missão espacial Chandrayaan-3, da Índia, alunou com sucesso perto do Polo Sul da Lua.

Através de ferramentas de análise identifica-se a origem das imagens num clip de vídeodifundido pelo WION (World Is One News), um canal de notícias (em língua inglesa) sediado na Índia.

Esse conteúdo multimédia data de 23 de agosto – cerca de sete horas antes de a missão espacial Chandrayaan-3 ter chegado à Lua – e consiste em imagens artificiais geradas por um sistema de Inteligência Artificial, visando responder à seguinte pergunta:

“Como será a aparência da Terra a partir da Lua após a alunagem da Chandrayaan-3?”

A Inteligência Artificial criou estas fotografias impressionantes, imaginando a Terra vista da superfície lunar”, indica-se noutro clip que faz parte de uma sequência de vídeos difundidos pelo WION nas redes sociais.

Manipulado

_______________________________

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque