Muito se tem partilhado nas redes sociais sobre a epidemia que tem marcado os últimos meses. E muita desinformação tem enchido os feeds do Facebook e Twitter e os grupos do WhatsApp. O Polígrafo desmistificou dezenas de falsas informações - e assim continuará.  Mas como todos somos poucos, deixamos um pequeno guia para se orientar no labirinto informativo em que meio mundo está perdido.

1. Conheça a doença, os seus sintomas e a forma de contágio

Saber os básicos sobre a doença é meio caminho para descartar algumas das publicações falsas que circulam nas redes. A COVID-19 (e não "o Covid", uma vez que a Covid-19 é a doença provocada por um vírus - "o" coronavírus) provoca febre, tosse, falta de ar e pode ser passado de pessoa para pessoa através das gotículas da boca e do nariz, por exemplo através da tosse ou dos espirros. Por isso é que é recomendado lavar as mãos e evitar mexer na cara. Poderá encontrar informações sobre esta doença no Centers for Disease Control and Prevention, no site da Organização Mundial de Saúde e também no site da Direção-Geral da Saúde.

2. Afaste-se das teorias da conspiração

Há muito que ainda não se sabe sobre a COVID-19 e há também quem se aproveite disso para transformar esta epidemia numa teoria da conspiração. Publicações onde se afirma que o vírus foi criado em laboratório, que é uma arma biológica criada pelos ricos para controlar a população, que tem ocorrido uma epidemia no ano 20 de cada século ou que é um plano da China para vencer o resto do mundo são falsas. Apontar culpas para esta epidemia ou arranjar um bode expiatório são também práticas comuns em tempos de crise. Não há uma pessoa, um grupo, um partido ou um país que seja responsável pela COVID-19. As epidemias podem ter um enorme número de causas e nenhuma delas tem motivações políticas.

cornavirus

3. Verifique as imagens e vídeos e confirme os números apresentados

A teoria do “ver para crer” pode não se aplicar no que às redes sociais diz respeito. Isto porque, em situações de crise, muitas imagens publicadas são descontextualizadas e enganadoras. Podem ser vídeos e fotografias antigas que estão a ser identificadas como atuais ou até mesmo imagens que não têm qualquer relação com a epidemia, mas que surgem associadas ao COVID-19. Seja cético, questione e, acima de tudo, investigue mais a fundo. Quanto aos números: a Organização Mundial de Saúde publica relatórios diariamente com o número de infetados e de mortos por país, assim como a evolução da doença. Com estes relatórios poderá atualizar-se face ao panorama mundial. No caso português, a Direção-Geral de Saúde está a disponibilizar os dados da doença atualizados ao minuto. Tenha também atenção às datas das publicações, uma vez que os números mudam de dia para dia.

4. Não partilhe métodos alternativos de prevenção e de cura

Pode pensar que está a ajudar os outros, mas na verdade está a colaborar na dispersão de informação errada. Muitas publicações com curas milagrosas e métodos de prevenção para o coronavírus têm sido partilhadas nas redes sociais sem qualquer fundamento científico. Enquanto alguns podem inofensivos – como ingerir um determinado chá ou beber água de 15 em 15 minutos –, outros podem ser prejudiciais para a sua saúde. O SNS24 disponibiliza uma série de recomendações que deverá ter em conta, assim como a OMS.

coronavrus

5. Mantenha-se a par das descobertas sobre o vírus

Muitos investigadores estão dedicados ao estudo do SARS-CoV-2, o vírus responsável pelo COVID-19. Porém, as investigações podem levar meses até chegarem a conclusões concretas e, até lá, muito se vai dizendo. Algumas das informações podem vir a ser alteradas e novas descobertas sobre o comportamento e propagação do vírus podem surgir a qualquer momento. Por isso, a melhor prática é procurar as informações oficiais e fidedignas e questionar as que publicações que vê nas redes sociais.

6. Questione-se: quem criou esta publicação?

Confirme em que site está publicada a informação e se é uma página fidedigna. A origem da informação é um dos principais fatores a ter em conta na luta contra as fake news.  Procure as secções do “about us” e investigue o autor do texto. Se tudo o que está a ler é escrito anonimamente, procure outras fontes para confirmar a informação. Observe também o link: muitas das páginas fraudulentas apresentam links estranhos e que, em alguns casos, em nada têm a ver com o que está a ler. Tome também atenção às terminações dos URL e saiba que as instituições oficiais normalmente têm links que terminam em .gov, .eu, .edu ou .org.

Confirme em que site está publicada a informação e se é uma página fidedigna. A origem da informação é um dos principais fatores a ter em conta na luta contra as fake news.  Procure as secções do “about us” e investigue o autor do texto. Se tudo o que está a ler é escrito anonimamente, procure outras fontes para confirmar a informação.

7. Tente perceber que mensagem está a ser passada

Se é uma informação exclusiva que não consegue encontrar em mais lugar nenhum é, provavelmente, mentira. Procure o mesmo assunto numa outra fonte e dê primazia aos meios de comunicação oficiais. A mensagem que é passada e como é passada também poderá ser um sinal de alerta. Tome atenção aos erros de português e ao uso excessivo de letras maiúsculas, analise o texto de forma crítica e tente perceber se a informação é uma opinião de quem a escreveu. Procure por citações e perceba quem está a ser citado: as declarações entre aspas dão credibilidade aos artigos, mas é preciso confirmar se quem as diz é mesmo especialista na matéria.

Se é uma informação exclusiva que não consegue encontrar em mais lugar nenhum é, provavelmente, mentira. Procure o mesmo assunto numa outra fonte e dê primazia aos meios de comunicação oficiais.

8. Interrogue-se: porque é que esta publicação foi criada?

Depois de perceber a origem e a razão da mensagem, tome atenção à sua motivação. Poderá estar perante um conteúdo patrocinado em que o seu autor foi pago para escrever este assunto ou poderá ser um conteúdo com motivações políticas que tem como objetivo prejudicar um oponente. Tenha isso em consideração antes de fazer uma partilha.

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
International Fact-Checking Network