“É o fim da era das dores nos joelhos! Tratamento revolucionário de professor português elimina a dor e restabelece a 100% a eficiência dos joelhos em 28 dias”. É assim que abre a página do auto-intitulado "Portal Português de Saúde", que prossegue: "Poderá o novo método destruir o negócio dos produtos para as dores nos joelhos? Exímios especialistas em reumatologia, ortopedia e reabilitação não têm dúvidas que sim. Com o método natural biomagnético do professor português, dar-se-á a viragem há muito esperada, na área do combate dos problemas dos joelhos."

Abrindo a ligação disponibilizada no site, o leitor é direcionado para outra página, em que surge a figura do Professor Joaquim Castro, um “cientista especializado na área da engenharia biomédica” que conseguiu “uma nomeação para o Prémio Nobel” [presume-se que se trate do Nobel da Medicina] por ter desenvolvido um “método natural” que, sem recurso a medicamentos ou pomadas “ineficazes”, permite, em menos de um mês, o que segue:

  • Atenuar as dores crónicas nos joelhos
  • Reconstruir e fortalecerarticulações, tendões e músculos em 87% e fazer com que trabalhem como novos
  • Recuperar 100% de eficiênciae não temer a invalidez
  • Livrar-se da rigidez, do entorpecimento e da "crepitação" dos joelhos
  • Prevenir que as articulações do joelhosse desgastem e manter uma plena agilidade física durante muitos anos
  • Eliminar problemas degenerativos, inflamação e inchaço
  • Regenerara articulação do joelho após lesões e contusões
  • Triplicar a energia
Descritas as propriedades “extraordinárias” do produto (que não é vendido em farmácias), o site faz um apelo direto ao doente para que o compre. Mas tem de ser “já”, uma vez que só assim poderá usufruir de uma promoção de quase 50%: em vez de pagar 85 euros, paga apenas 43 euros.

O Polígrafo SIC investigou o site em questão e chegou à conclusão de que se trata de um espaço típico de desinformação no campo da saúde pública.

Uma simples pesquisa no Google por “Professor Joaquim Castro” não nos conduz a nenhum resultado. Se ao nome lhe acrescentarmos “nomeação para o Prémio Nobel”, a ausência de resultados mantém-se. Este é o primeiro indício da inexistência do criador – não é crível que, tendo sido nomeado para o Nobel da Medicina, um português não tenha sido notícia nos meios de comunicação social.

O Polígrafo SIC transportou a fotografia de Joaquim Castro para um site de pesquisa de imagens e as reticências iniciais transformaram-se em certezas: na realidade, o célebre professor visionário é, afinal, um manequim cuja imagem pode ser adquirida num conhecido banco internacional de imagens.

fake news

Passo seguinte: confirmar a veracidade dos variadíssimos casos de sucesso apresentados. Todos com doentes portugueses.

O mais impressionante é o da “mãe” de Joaquim Castro, uma simpática senhora de 85 anos. Disse a idosa, depois de apenas 3 semanas de tratamento: "Filho, tenho os meus joelhos reabilitados. Sinto-me ágil como se fosse jovem! Descobriste a solução para as dores dos joelhos! Quantas mais pessoas irá isto ajudar! Estou-te tão grata”. Investigada a sua foto, em que surge emocionada a abraçar o seu filho, chegamos à mesma conclusão: uma vez mais, pode encontrar-se num banco de imagens.

Outro caso: o de Isabel Baptista, 67 anos, de Évora. Afirma a suposta paciente: “É inacreditável que uma coisa tão simples faça tais milagres. Coloca-se o estabilizador no joelho e alguns dias depois recupera-se a agilidade. Incrível. Tanto eu como as minhas irmãs e as minhas primas já usámos. Recomendo a todos!” Investigada a sua foto disponível no site, podemos encontrá-la noutro banco de imagens. Os casos semelhantes sucedem-se.

mulher

O Polígrafo SIC também pesquisou por estudos científicos que confirmem a eficácia do “estabilizador magnético” em questão, mas nada encontrou – assim como não conseguiu identificar o Central Reumathology Institute a que aparentemente pertence o suposto inventor da descoberta.

Descritas as propriedades “extraordinárias” do produto (que não é vendido em farmácias), o site faz um apelo direto ao doente para que o compre. Mas tem de ser “já”, uma vez que só assim poderá usufruir de uma promoção de quase 50%: em vez de pagar 85 euros, paga apenas 43 euros. Para tal, basta preencher um formulário disponível no site, que garante que, “nos próximos dias”, o produto será entregue por correio ou correio expresso.

Revista a encomenda, ainda é dada ao paciente a “oportunidade” de adquirir duas embalagens por 106 euros, assim como “aconselhamento especial” durante o tratamento. Por cada “extra” que o comprador subscreva, o preço vai aumentando. No culminar do processo, a mensagem final: “Prezado cliente, agradecemos ter optado pelo nosso clube de desconto.”

O Polígrafo SIC decidiu avançar para a aquisição. Preenchido o formulário, surgiu a mensagem: “Felicitamo-lo pela sua excelente decisão!” Mas logo a seguir o paciente tem uma surpresa: se tem mais de 45 anos (o que acontecerá na esmagadora maioria dos casos, tendo em conta que o problema em causa afeta sobretudo a população mais idosa), deve comprar um estabilizador mais potente, com 900 graus de intensidade, em vez dos 500 da versão mais básica. Preço: 77 euros – mais 34 euros do que se antecipava na página inicial.

Revista a encomenda, ainda é dada ao paciente a “oportunidade” de adquirir duas embalagens por 106 euros, assim como “aconselhamento especial” durante o tratamento. Por cada “extra” que o comprador subscreva, o preço vai aumentando. No culminar do processo, a mensagem final: “Prezado cliente, agradecemos ter optado pelo nosso clube de desconto.”

fake news

Ao Polígrafo SIC, o Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento (INFARMED) afirmou que oKnee Active Plus “não se encontra autorizado em Portugal como medicamento”. E acrescente que “a página eletrónica encontra-se sediada na Alemanha, motivo pelo qual o INFARMED, I.P. não pode atuar sobre o mesmo”. A autoridade nacional do medicamento conclui que “sem prejuízo da sua localização em país estrangeiro, e uma vez que o produto é apresentado como possuindo propriedades curativas ou preventivas de doenças em seres humanos ou dos seus sintomas, o mesmo enquadra-se na definição legal de medicamento, razão pela qual o INFARMED, I.P. irá contactar as autoridades alemãs no sentido daquelas atuarem sobre esta página.”

Refira-se que o INFARMED monitoriza e controla os produtos que chegam ao território nacional, no sentido de impedir a entrada em Portugal de medicamentos ilegais, incluindo aqueles sem as adequadas autorizações, bem como os medicamentos falsificados ou contrafeitos.

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.