Ontem, sexta-feira, valeu tudo para mobilizar participantes para as manifestações dos "coletes amarelos" portugueses - até difundir imagens retiradas do contexto. Foi o caso da foto que abre este texto, partilhada nas redes sociais portuguesas milhares de vezes entre ontem e hoje. Um leitor do Polígrafo remeteu-nos a imagem via Facebook e solicitou a sua verificação.

Alegadamente, trata-se de um idoso que, apesar da idade avançada, não quis deixar de fazer parte do movimento contestatário que se preparava para invadir as ruas durante o dia de ontem com um caderno reivindicativo alargado que passava, entre outras coisas, pela subida dos salários, pela descida do preço da eletricidade e pela redução drástica do número de deputados.

A imagem foi publicada no Facebook por Sílvia Ribeiro, uma jovem que, ao que tudo indica, também terá saído ontem para as ruas, dada a natureza contestatária das suas publicações. A acompanhar a imagem publicada, está a seguinte legenda: "Com 84 anos, sozinho.É assim que se começa. Grande exemplo!"

O Polígrafo investigou a imagem em causa através do mecanismo de pesquisa de imagens do Google e descobriu o que se segue:

  1. A imagem é verdadeira.
  2. Aquele senhor existe.
  3. Um pormenor que não é acessório: ao contrário do que Sílvia Ribeiro quer dar a entender, a imagem não foi capturada ontem em Portugal - na verdade, foi partilhada há quatro dias por Stéphanie Abourahim, uma técnica de saúde francesa que quis dá-la acontecer aos seus mais de 5 mil contactos na rede LinkedIn para sublinhar a coragem de um verdadeiro "colete amarelo".
velho

A acompanhar a imagem, encontra-se a legenda: "Tout seul à 84 ans respet, secteur clamecy 58".

Apesar de todos os apelos - os falsos e os verdadeiros - a manifestação nacional, que chegou a ser temida pelo seu potencial de violência associado, dada a proximidade de alguns dos seus promotores à extrema-direita, saldou-se num fracasso, com uma adesão sofrível em todo o território nacional.

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.