• A manifestação dos “coletes amarelos” em Portugal foi organizada por movimentos de extrema-direita?

Na principal página de promoção do evento na rede social Facebook, “Vamos Parar Portugal Como Forma de Protesto”, três dos seis organizadores tinham publicações de cariz nacionalista, extremista e xenófobo nos respetivos perfis na mesma rede social. Tal como o Polígrafo revelou no dia 10 de dezembro. Na sequência dessa revelação, porém, foram adicionados mais organizadores na página, os quais não tinham publicações desse género visíveis nos respetivos perfis. E entretanto a promoção e organização do evento concentrou-se noutra rede social, o WhatsApp, tornando mais difícil verificar quem está a gerir o processo.

Apesar desses indícios claros de ideias nacionalistas, extremistas e xenófobas entre alguns dos principais organizadores, não encontramos qualquer ligação formal a movimentos políticos organizados de extrema-direita. Acresce o facto de a manifestação estar dividida em 25 protestos em 17 cidades, com promotores e organizadores distintos. Há uma fragmentação - dezenas de páginas em diferentes redes sociais e referentes a cidades distintas - que impossibilita verificar onde está o núcleo central de organização. Não é seguro concluir que a manifestação tenha sido organizada por movimentos de extrema-direita, mas importa salientar que alguns dos organizadores perfilham ideias próximas dessa ideologia política.

Avaliação do Polígrafo: Impreciso.

  • A manifestação foi infiltrada e fomentada por movimentos organizados de extrema-direita?

Neste caso, sim, claramente. Em quase todas as páginas de promoção e organização dos protestos encontramos seguidores com evidentes ligações a movimentos organizados de extrema-direita. Nos comentários, nas partilhas, nas publicações, essas ligações são visíveis. Importa ressalvar que são uma minoria, na maior parte das páginas, mas são muito ativos e é sobretudo a partir desses elementos que provêm os incitamentos à violência.

Além dos movimentos organizados, também o Partido Nacional Renovador (PNR), que está legalizado e concorre a eleições em Portugal, tem promovido intensivamente a manifestação dos “coletes amarelos”. Ao longo do dia de ontem, por exemplo, a página do PNR na rede social Facebook publicou várias mensagens de incentivo aos protestos. E o próprio líder do PNR, José Pinto Coelho, declarou ao jornal “i” que “tenciona lá estar”, na manifestação, mas não aceita organizar um protesto que “não pode controlar”.

Avaliação do Polígrafo: Verdadeiro.

  • As reivindicações do movimento dos “coletes amarelos” são totalmente irrealistas?

No que respeita ao aumento do salário mínimo para 700 euros, não parece ser irrealizável. O salário mínimo nacional vai ser aumentado para 600 euros em 2019 e na Função Pública nenhum salário ficará abaixo de 635 euros. A distância para o nível de 700 euros não é muito grande. Aliás, o PCP levou recentemente a votos no Parlamento uma proposta de aumento do salário mínimo para 650 euros, a qual foi chumbada. O problema é que a reivindicação dos “coletes amarelos” associa esse aumento a um “corte nas pensões acima de 2 mil euros”, algo que não faz muito sentido, pois não é o Estado que paga os salários no setor privado. Ou seja, as verbas poupadas através desse “corte nas pensões” não poderiam objetivamente servir para pagar o aumento do salário mínimo no setor privado.

psp

Quanto ao aumento do subsídio de desemprego, uma vez que o valor não é especificado, pode concluir-se que se trata de algo facilmente concretizável. Por sua vez, o aumento da pensão mínima para 500 euros, através de cortes em pensões mais altas, também não seria difícil de financiar.

Segue-se o “fim imediato/corte das subvenções vitalícias para políticos”. Embora esse privilégio da classe política (e dos juizes do Tribunal Constitucional) tenha sido revogado em 2005 pelo Governo de José Sócrates, não teve efeitos retroativos e quem já tinha direito a essa reforma continuou a recebê-la. Aliás, foi criado um regime de transição e nos anos subsequentes muitos ex-políticos (que já tinham completado 8 ou 12 anos de exercício dos cargos em 2005) puderam ainda requerer a subvenção vitalícia. Tratando-se de um direito adquirido, a eventual anulação poderia levantar problemas ao nível legal. Mas não é impossível.

A “redução para metade do número de deputados existentes na Assembleia da República” também seria complicada, implicando uma revisão da Constituição da República Portuguesa que estabelece um mínimo de 180 e um máximo de 230 deputados (número atualmente em vigor) na composição da Assembleia da República.

Avaliação do Polígrafo: Falso.

Movimento da PSP apoia manifestações dos
créditos: Poligrafo
  • Elementos da PSP apoiam a manifestação dos “coletes amarelos”?

A página "Movimento Extra-Sindical da PSP", alojada na rede social Facebook, publicou várias mensagens de apoio à manifestação nos últimos dias. Através de uma pesquisa nos comentários e seguidores da página é possível encontrar muitos agentes ou ex-agentes da PSP, além de militares da Guarda Nacional Republicana e também alguns do Exército.

Ou seja, mesmo que não seja gerida por agentes da PSP, trata-se de uma página que é seguida e lida por muitos agentes ou ex-agentes da PSP. E nos comentários encontram-se algumas mensagens de apoio à manifestação por parte desses elementos.

Avaliação do Polígrafo: Verdadeiro.

  • Os camionistas serão um elemento central nos protestos?

Tudo aponta que sim. Em todas as páginas de organização e promoção da manifestação encontramos muitos seguidores que são camionistas de profissão, ou trabalham para empresas ligadas ao transporte de mercadorias. Em muitos casos são os elementos mais ativos das discussões.

Não por acaso, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esta semana fez questão de ir falar com elementos do grupo Motoristas do Asfalto, expressando a preocupação de que possa vir a ocorrer uma adesão em massa dessa classe profissional aos protestos de hoje.

Avaliação do Polígrafo: Verdadeiro.

  • Os “coletes amarelos” querem utilizar “drones” para interromper o tráfego aéreo no aeroporto de Lisboa?

Houve um apelo nesse sentido num dos muitos grupos de WhatsApp ligados à organização da manifestação, mas não é possível saber se essa intenção vai ou não ser concretizada. O apelo foi revelado ontem por vários jornais, levando as autoridades a tomarem medidas de precaução.

Os aeroportos portugueses terão hoje zonas de exclusão com cerca de 6 quilómetros de raio que impedem a navegação de qualquer aparelho não autorizado, incluindo “drones”. A Autoridade Nacional de Aviação Civil informou também que vai haver "uma interdição do uso de ‘drones’ nas zonas de controlo estabelecidas para a prestação de serviços de controlo de tráfego aéreo nos aeroportos nacionais”.

Avaliação do Polígrafo: Impreciso.

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.