Há situações em que as personalidades foram falsamente diagnosticadas com o novo coronavírus, outras em que são acusados de contaminar milhares de pessoas. Algumas destas publicações chegam mesmo a ganhar cariz político, sendo utilizados para atacar os governos ou até apoiar o uso de determinados fármacos – como acontece no Brasil com a cloroquina, um medicamento que não foi aprovado pela Organização Mundial de Saúde para o tratamento da Covid-19, mas que é promovido como cura milagrosa, até pelo próprio presidente, Jair Bolsonaro.

Às fake news juntam-se as teorias da conspiração, que ganham mais alcance quando envolvem celebridades. Um exemplo é o magnata da Microsoft, Bill Gates, que tem sido acusado de ser responsável por criar o vírus, de querer eliminar uma parte da sociedade, entre outras. A partilha deste tipo de informações contribui para a desinformação da população, mais ainda se for partilhada numa conta oficial de uma personalidade pública. Segundo um estudo divulgado pela Universidade de Queensland, na Austrália, os seguidores dos famosos tendem a confiar nas informações postadas pelos seus ídolos, o que contribui para a disseminação de informações falsas em grande escala.

A base de dados da CoronaVirusFacts Alliance, liderada pela International Fact-Checking Network - da qual o Polígrafo é um dos membros - conta com numerosos textos de verificação de rumores envolvendo famosos. Outros jornais de fact-checking que não integram a Aliança também identificaram numerosos casos de falsidades disseminadas sobre celebridades. Fique com algumas das situações mais virais que foram detetadas a nível global:

  • Madonna
  • madonna

    A rainha da pop não foi vítima de uma informação falsa, mas acabou por ajudar a disseminar uma: Madonna publicou nas suas redes sociais que a vacina para a Covid-19 já tinha sido descoberta e que estava escondida para que “os ricos ficassem mais ricos”. A publicação incluía um vídeo onde a médica Stella Immanuel afirmava que ter tratado 350 pacientes de coronavírus com cloroquina. O Instagram bloqueou a publicação da cantora, no âmbito da política contra a propagação de informações falsas, e Madonna acabou por eliminar a publicação.

  • Chuck Norris

A informação de que Chuck Norris teria morrido de Covid-19 começou a ser partilhada em maio de 2020. Descansem os fãs: o ator, que tem atualmente 80 anos, está bem de saúde e não foi infetado pelo novo coronavírus. Esta não é a primeira vez que a morte de Chuck Norris é avança nas redes sociais: em 2012, uma outra publicação utilizava a morte do ator como parte de um esquema fraudulento que tinha como objetivo aceder a informações pessoais dos utilizadores.

  • Rainha Isabel II
isabel

As histórias da monarquia britânica são sempre apetitosas para os produtores de desinformação. Depois do anúncio oficial de que o príncipe Carlos teria sido contaminado pelo novo coronavírus, não tardou a circular um rumor em que se garantia que a rainha Isabel II, mãe do príncipe, também estava infetada. A publicação, feita no blog "Gossip Blend", garantia que o Palácio de Buckingham “tinha confirmado que a rainha do Reino Unido tinha de facto testado positivo”. No entanto tratava-se de uma falsidade - segundo informações oficiais do Palácio de Buckingham, a rainha está de boa saúde.

  • Kanika Kapoor

A cantora de Bollywood está, de facto, infetada pelo novo coronavírus e encontra-se internada no Instituto de Ciências Médicas Sanjay Gandhi. Mas enquanto recupera, Kanika Kapoor tem sido altamente criticada nas redes sociais por ter transmitido a doença ao príncipe Carlos, de Inglaterra. Uma imagem em que os dois surgem a conviver tem sido partilhada, mostrando “a verdade” sobre as intenções da cantora. Mas trata-se de uma informação falsa: a imagem não é atual, foi captada a 6 de julho de 2015 quando a cantora participou num evento de caridade organizado pelo príncipe Carlos e pela mulher, a duquesa de Cornwall.

  • Daniel Radcliffe
harry potter

A informação de que ator – conhecido por ter interpretado a personagem Harry Potter – tinha testado positivo para a Covid-19 surgiu numa conta de Twitter que se intitula @BBCNewsTonight. “ÚLTIMA HORA: Daniel Radcliffe testa positivo para o coronavírus. O ator disse ser a primeira pessoa famosa a confirmar publicamente”, pode ler-se na publicação. Tanto a informação como a conta são falsas. A utilização do logotipo da BBC pretende  gerar credibilidade junto dos leitores e, assim, difundir informações falsas, mas em nada tem a ver com o canal de televisão britânico. Daniel Radcliffe não foi contaminado pela Covid-19, como confirmou o assessor do ator ao jornalista do Buzzfeed News, Jane Lytvynenko.

  • Preta Gil

Foi uma das primeiras personalidades do Brasil a contrair a doença e foi também acusada de ter infetado milhares de pessoas. Segundo uma informação que circulou nas redes sociais, a cantora brasileira Preta Gil atuou num bloco de Carnaval já depois de ter sido diagnosticada com Covid-19. Mais uma vez a imagem que é partilhada é anterior ao contágio da cantora. Segundo a Agência Lupa, Preta Gil terá sido infetada com o novo coronavírus no dia 7 de março, durante o casamento da influencer Marcella Minelli – um dos primeiros focos de Covid-19 no Brasil – enquanto o bloco de carnaval aconteceu pela última vez no dia 1 de março, ou seja, antes da cantora ter contraído a doença. Mais uma vez a imagem surge descontextualizada.

  • Papa Francisco
papa

O Papa foi uma das primeiras vítimas. No início da pandemia – quando o número de casos começou a aumentar em Itália – foi partilhada uma imagem, atribuída ao portal Vatican News, onde se afirmava que o sumo pontífice tinha testado positivo para a Covid-19. A partilha feita em centenas de grupos de WhatsApp coincidiu com uma baixa na saúde do Papa, que o obrigou a cancelar as atividades programadas para a última semana de fevereiro. No entanto, a condição médica do Papa Francisco em nada tinha a ver com a Covid-19.

  • Bill Gates

O magnata da Microsoft é um dos maiores alvos das teorias da conspiração. Com a chegada da Covid-19, o cenário manteve-se: Bill Gates é acusado de ter previsto a pandemia, de ter ajudado a criar o vírus, de ter financiado o instituto que patenteou o vírus, de ter dito que a vacina para a Covid-19 vai matar 700 mil pessoas no mundo, entre muitas outras.

  • Serena Williams
Covid

Uma publicação no Facebook foi vastamente partilhada em como tendo sido escrita por Serena Williams: “Estou farta da Covid-19. Estou farta de negro contra branco. Estou farta de Democratas contra Republicanos. Estou farta de gays contra heterossexuais. Estou farta de cristãos contra ateus. Estou REALMENTE farta dos media”, pode ler-se no texto. A publicação é verdadeira e foi partilhada por uma pessoa chamada Serena Williams, mas não pela tenista.  A utilizadora que publicou a mensagem clarificou já está habituada a ser confundida com a atleta e, para evitar confusões, colocou uma mensagem na Introdução do seu perfil: “Não, não é ESSA Serena Williams”.

  • Woody Harrelson

À semelhança de Madonna, também o ator Woody Harrelson partilhou teorias da conspiração nas suas redes sociais. O artista contribuiu para a propagação da informação – falsa – de que a Covid-19 seria causada pelas torres de 5G. A publicação do ator chegou a ter mais de 30 mil interações antes de ser apagada – não se sabe se pelo ator, se pelo Instagram.

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
International Fact-Checking Network