• O que é a diabetes?

É uma doença caracterizada pela existência de excesso de um açúcar – a glucose – no sangue. A glucose é uma molécula que provém da transformação dos hidratos de carbono pelo nosso organismo e que é indispensável ao metabolismo das células do nosso corpo como fonte de energia.

A insulina é uma hormona produzida pelo pâncreas, responsável por ajudar a glucose (a forma mais primária da energia dos alimentos) a passar do sangue para o interior das células. A diabetes ocorre quando o pâncreas não é capaz de produzir esta hormona em quantidade suficiente, e/ou quando a insulina não atua de modo eficaz.

Quando a insulina não atua, o organismo entra em hiperglicemia, ou seja, a glucose acumula-se no sangue, deteriorando progressivamente os vasos sanguíneos. Por esta razão, as doenças cardiovasculares como a angina de peito, o enfarte agudo do miocárdio e a morte cardíaca súbita são mais frequentes em doentes diabéticos (sobretudo na diabetes tipo II), do que na população em geral. É, por isso, essencial controlar de perto outros factores de risco — como tabaco, hipertensão ou colesterol— de forma a prevenir o “efeito multiplicativo” dos diversos factores de risco sobre as artérias das pessoas com diabetes.

A doença ou a identificação de risco para diabetes (“pré-diabetes”) pode ser detectada com uma análise de sangue simples que faz parte da maioria das análises de rotina.

Diabetes
Diabetes
  • Quais são os seus sintomas?

  1. Vontade frequente de urinar
  2. Sede constante
  3. Fome constante
  4. Secura da boca
  5. Comichão no corpo
  6. Cansaço
  7. Visão turva
  • Como se diagnostica?

A doença ou a identificação de risco para diabetes (“pré-diabetes”) pode ser detectada com uma análise de sangue simples que faz parte da maioria das análises de rotina.

Em Portugal, as análises mais utilizadas para diagnosticar a diabetes são a glicemia (açúcar no sangue) em jejum, a glicemia após uma prova oral de glucose e a Hemoglobina Glicosilada do tipo A1c (geralmente aparece nas análises com a sigla “HbA1c”).

  • Há dois tipos de diabetes especialmente prevalecentes. Quais são?

- Diabetes Tipo 1

É a menos vulgar e surge, geralmente, na infância e na adolescência, quando as células do pâncreas deixam de produzir insulina.

- Diabetes Tipo 2

É a forma de diabetes mais comum (9 em cada 10 diabéticos têm este tipo de doença). Está associada ao excesso de peso e à obesidade. Nesta forma de diabetes, o pâncreas é capaz de produzir insulina. No entanto, hábitos alimentares e estilos de vida pouco saudáveis tornam o organismo resistente ao desempenho da insulina. A Diabetes tipo 2 tem aumentado de forma galopante em todo o mundo. Em Portugal existem cerca de 500 mil casos, estimando-se a existência de aumento anual na ordem dos 3%. É mais comum em pessoas com mais de 40 anos, mas devido à obesidade, é cada vez mais frequente entre os jovens. As pessoas com antecedentes familiares da doença estão em especial risco.

Diabetes
diabetes
  • Como se trata a doença?

A maioria dos casos trata-se com uma dieta adequada e exercício e alguns tipos de comprimidos; mais tarde pode vir a ser necessária a administração de insulina. O objectivo do tratamento é o controlo da glicemia (quantidade de açúcar no sangue), do colesterol e da tensão arterial.

  •  Quem está em especial risco?

  1. - Pessoas com antecedentes familiares da doença
  2. - Pessoas com excesso de peso ou obesidade
  3. - Pessoas sedentárias
  4. - Mulheres que tiveram filhos com um peso à nascença igual ou superior a 4kg

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.