A aceleração do processo de globalização desde o início deste século e, embora com menor peso , o aumento considerável do número de horas em trabalho remoto nos últimos dois anos propiciaram a multiculturalidade nas organizações e até no próprio local/equipas de trabalho.

O balanço desta transformação progressiva é animador. As vantagens de ter colaboradores de diferentes nacionalidades e continentes – com o que isso representa de diversidade de experiências e perspetivas – emergiram para os que apostaram (ou, simplesmente, não bloquearam) na conjugação de recursos humanos provenientes de vários pontos do mundo.

É o caso da Teleperformance Portugal (TP). A empresa especializada em fornecer suporte multicanal ao cliente prossegue há alguns anos uma política de contratação de espectro geográfico heterogéneo: 111 nacionalidades (isso mesmo, cento e onze) entre os seus mais de 13 mil trabalhadores. Ao todo, cerca de 60 por cento dos colaboradores (mais de 8.000) não são portugueses.

Esta multiplicidade de nacionalidades decorre da necessidade de prestar apoio a empresas de diversos países no respetivo idioma - a TP assegura serviços em 35 línguas. Desta forma, criou um hub multilingual, que consiste num centro de negócios localizado em Portugal mas a servir diferentes mercados no mundo.

As nações de onde vieram o maior número de colaboradores para a TP são Itália, França, Alemanha, Holanda e Espanha.

Através deste programa, a Teleperformance Portugal acompanha o colaborador durante todo o processo de recolocação e é disponibilizado apoio e financiamento para a reserva de viagens para Portugal, alojamento gratuito assegurado por nós, aulas de línguas gratuitas, aconselhamento fiscal e legal e apoio logístico prestado pela equipa de Welcome and Support, 365 dias por ano

Relativamente aos setores profissionais, vão desde a gestão de conteúdos, automação, turismo e lazer, gaming e saúde até ao B2B e Trust & Safety. O perfil dos colaboradores não é menos variado e inclui, entre outros, controllers e data analists (área financeira); desenvolvimento, segurança e suporte (tecnológica); recrutadores (recursos humanos) e business consultants (área da transformação).

Integração

Apesar de muitos trabalharem a partir de casa, a maioria dos milhares de colaboradores estrangeiros da TP veio viver em Portugal. A mudança concretizou-se sobretudo para Lisboa e Porto, mas há também quem tenha passado a residir em cidades menos populosas como Setúbal ou Covilhã (onde a TP tem centros).

No sentido da contratação se concretizar e, depois, da integração ser bem-sucedida, a TP criou um instrumento decisivo, como explica Ana Sanches, VP of Diversity, Equity and Inclusion da empresa: “Para incentivar o talento internacional a vir trabalhar e residir para Portugal, a Teleperformance desenvolveu o programa de recrutamento internacional que oferece um pacote completo de relocalização - o Atlantic Experience -, com o objetivo de assegurar uma perfeita integração de cada pessoa que contratamos, não só na empresa, mas também no país. Através deste programa, a Teleperformance Portugal acompanha o colaborador durante todo o processo de recolocação e é disponibilizado apoio e financiamento para a reserva de viagens para Portugal, alojamento gratuito assegurado por nós, aulas de línguas gratuitas, aconselhamento fiscal e legal e apoio logístico prestado pela equipa de Welcome and Support, 365 dias por ano.”.

lacs

O programa acaba, assim, por ter a sua continuidade informal no decurso de toda a carreira profissional na empresa, principalmente através do Clube PT, que desenvolve iniciativas e atividades gratuitas: surf, soft trekking, torneios desportivos, workshops (dança, ioga, música, fotografia) e arte.

“Sabemos que a empatia e a inteligência cultural são essenciais para darmos uma melhor resposta ao consumidor final, que nos chega de diferentes partes do mundo, e isso só é possível se reduzirmos baias e aumentarmos a exposição de todas as nossas pessoas a esse ambiente multicultural”, refere Ana Sanches, VP of Diversity, Equity and Inclusion da empresa

A TP constituiu, há um ano, uma equipa dedicada exclusivamente à diversidade e inclusão (“Diversity, Equity and Inclusion”), que, além do papel já mencionado na integração de profissionais não portugueses, estuda, propõe e acompanha a implementação de medidas que promovam o investimento em grupos sub-representados (programa Impact Sourcing). ”Acreditamos que essa inclusão começa de dentro para fora”, sublinha Ana Sanches, que é justamente a responsável por esta área.

A avaliação dos resultados desta multiculturalidade é amplamente positiva, pelo que se depreende do que refere a VP of Diversity, Equity and Inclusion da Teleperformance Portugal: “Sabemos que a empatia e a inteligência cultural são essenciais para darmos uma melhor resposta ao consumidor final, que nos chega de diferentes partes do mundo, e isso só é possível se reduzirmos baias e aumentarmos a exposição de todas as nossas pessoas a esse ambiente multicultural”.

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
International Fact-Checking Network