O pedido de verificação de Nuno Melo:

"António Costa afirmou que Nuno Melo “está há dez anos em Bruxelas sem ser capaz de dizer uma única coisa de útil que tenha feito pelo país, por qualquer português ou qualquer empresa em Portugal". Verdadeiro ou falso?"

A afirmação de António Costa é, no mínimo, exagerada, apenas explicada com os excessos da retórica eleitoral. Poder-se-á dizer, com ou sem razão, que Nuno Melo trabalhou pouco no Parlamento Europeu, que não terá feito tudo o que poderia para melhorar a vida dos portugueses e das empresas nacionais, mas afirmar de forma taxativa, como o fez o Primeiro-Ministro, que nada fez é simplesmente falso. São numerosos os exemplos do trabalho desenvolvido pelo centrista. Deixamos alguns dos mais visíveis:

  • Foi relator do Parlamento para a proposta de Regulamento do Parlamento e do Conselho relativo à criação de um quadro jurídico para a interoperabilidade entre os sistemas de informação da UE. Simplificando: o objectivo da proposta é sistematizar o combate ao terrorismo, à criminalidade organizada e ao tráfico de pessoas.
  • Foi relator da directiva sobre a Decisão Europeia de Investigação que criou um meio único, eficaz e flexível para a obtenção de provas localizadas noutro Estado-Membro, no âmbito do processo penal. Dando como exemplo os casos do Freeport ou de Madeleine McCann, se ao tempo fosse possível aplicar a diretiva, magistrados portugueses ou ingleses poderiam, por si só, ordenar reciprocamente diligências no outro país, sem necessidade de observância de muitos dos impedimentos legislativos e burocráticos que ao tempo existiam.

Como membro da Comissão da Agricultura e Desenvolvimento Rural no Parlamento Europeu, desenvolveu duas iniciativas anuais:

  • O Congresso de Jovens Agricultores do PPE, que este ano celebrou a sua V edição. A última edição contou com cerca de 300 jovens agricultores de toda a Europa e premiou o jovem agricultor português Manuel Grave como o melhor jovem agricultor europeu. Na totalidade das cinco edições deste Congresso, reuniuram-se em Bruxelas cerca de 1.500 jovens agricultores dos diferentes países da UE, dos quais 100 foram portugueses;
  • O Melhor de Portugal, organizado no Parc du Cinquentenaire, que já conta com 7 edições e tem como objetivo principal promover a qualidade de excelência dos produtos agroalimentares portugueses, acolhendo todos os anos dezenas de empresas do setor agroalimentar nacional. A última edição contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa;
  • Foi relator-sombra sobre o pluralismo e a liberdade dos meios de comunicação social na União Europeia;
  • Foi membro da Comissão de Inquérito aos Panamá Papers, onde se destacou com o pedido de audição do ex-Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, no Parlamento Europeu, para explicar o caso das transferências para offshores que não foram alvo de processamento no sistema central do fisco português, em especial os fluxos financeiros relacionados com o Panamá.

Avaliação do Polígrafo: Falso

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.