O termo “zero waste” - em português, “zero desperdício” - tem-se tornado sinónimo de um estilo de vida sustentável um pouco por todo o mundo, mas, apesar de ser uma filosofia muito importante do ponto de vista ambiental, esta não é, de todo, a única dimensão relevante para a sustentabilidade.

O estilo de vida “zero waste” é, em linhas gerais, aquele cujo objetivo é reduzir, ao mínimo possível, o “lixo” ou o “desperdício” gerado. Neste contexto, podemos considerar vários “R’s” como linhas de ação orientadoras, nomeadamente a pirâmide de redução de desperdício popularizada por Bea Johnson, que nos indica que, por ordem de prioridades, devemos:

  1. Recusar tudo aquilo de que não necessitamos;
  2. Reduzir o consumo daquilo de que precisamos à quantidade que realmente nos faz falta;
  3. Reutilizar aquilo que já existe;
  4. Reciclar tudo aquilo que não podemos reutilizar;
  5. Reincorporar (ou compostar) os resíduos orgânicos.

Esta filosofia de vida contribui verdadeiramente para um estilo de vida mais sustentável, uma vez que permite uma gestão muito consciente do consumo e assim, de modo geral, uma tendência para a redução da pressão sobre os recursos naturais e da quantidade de lixo gerada e enviada para aterro ou incineração.

Apesar de, na verdade, o “zero waste” dever abarcar todo o ciclo de vida de um objeto, tentando-se reduzir o desperdício desde a fase de design, passando pela produção, transporte, utilização e descarte, este conceito é muitas vezes aplicado apenas à última fase, que é aquela que os indivíduos conseguem pôr em prática mais direta e imediatamente. Se um objeto for reciclável, então pode cumprir os requisitos mais básicos do “zero waste”, mesmo que a sua produção tenha envolvido um considerável nível de poluição ou, por outras palavras, “desperdício”. Um exemplo é o alumínio de origem não reciclada, que é produzido através da extração e transformação da bauxita.

Estes processos geram, em níveis diferentes, dependendo das práticas aplicadas, impactos e desperdício através da exploração mineira e transformação da bauxita, não obstante o alumínio ser infinitamente reciclável. Assim, apesar do facto de ser infinitamente reciclável, é importante conhecer, entre outros fatores, a própria origem do material.

Existem, na realidade, inúmeras dimensões relevantes a considerar, para além do desperdício, quando avaliamos a sustentabilidade de um objeto. As emissões de gases de efeito de estufa, a pegada hídrica, a origem das matérias-primas, a poluição gerada pelos processos de produção e transporte, a incorporação de uma lógica circular na produção e seleção das matérias-primas e o potencial de desflorestação ou perdas de biodiversidade são apenas mais alguns dos fatores relevantes.

Para identificar o impacto de um objeto, é necessário adotar uma perspetiva de ciclo de vida, e não focar exclusivamente no desperdício – esta é uma das razões pelas quais a sustentabilidade tem tantas nuances e, frequentemente, não há respostas taxativas que se apliquem a todos os contextos, existindo muitas áreas cinzentas.

O “zero waste” é, sem dúvida, uma excelente forma de tornar a sustentabilidade em algo tangível, apelativo e fácil de comunicar. É por isso, talvez, uma das melhores ferramentas que temos para trazer mais pessoas para a causa ambiental.

Além disso, o “zero waste” é, claramente, uma dimensão muito importante neste contexto. No entanto, à medida que a crise ambiental se vai tornando mais eminente, é importante ter consciência de que devemos ter uma perspetiva mais holística na avaliação do impacte ambiental de cada objeto ou estilo de vida.

___________________________________

EMIFUND

Este artigo foi desenvolvido no âmbito do European Media and Information Fund, uma iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian e do European University Institute.

The sole responsibility for any content supported by the European Media and Information Fund lies with the author(s) and it may not necessarily reflect the positions of the EMIF and the Fund Partners, the Calouste Gulbenkian Foundation and the European University Institute.

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
International Fact-Checking Network