O primeiro jornal português
de Fact-Checking

“#UkraineFacts”: Polígrafo integra coligação de “fact-checking” contra a vaga de desinformação sobre a guerra da Ucrânia

Este artigo tem mais de um ano
É uma base de dados mundial e colaborativa que assume a missão de combater a desinformação gerada em torno da invasão da Ucrânia por forças militares da Rússia. Desenvolvida pela "Maldita.es", de Espanha, reúne mais de 100 plataformas de verificação de factos, signatárias da International Fact-Checking Network (IFCN), incluindo o Polígrafo. Ao terceiro dia de atividade já disponibiliza mais de 300 artigos de verificadores de 35 países.

A guerra da Ucrânia é real, mas há uma parte dessa guerra real que tem sido reportada por jornalistas profissionais e meios de comunicação social fidedignos, enquanto nas redes sociais assistimos a uma mistura que inclui fake news e vídeos adulterados, descontextualizados ou com descrições enganadoras. As plataformas de verificação de factos ajudam a traçar uma linha de demarcação entre a verdade e a mentira.

É neste contexto que acaba de ser lançada a “#UkraineFacts“, uma base de dados mundial e colaborativa que assume a missão de combater a desinformação gerada em torno da invasão da Ucrânia por forças militares da Rússia.

[twitter url=”https://twitter.com/factchecknet/status/1498340569919078402″/]

Atualizada em tempo real, compila e disponibiliza artigos de verificação de factos produzidos por mais 100 plataformas espalhadas pelo mundo, signatárias da International Fact-Checking Network (IFCN), incluindo o Polígrafo. Ao terceiro dia de atividade já disponibiliza mais de 300 artigos de verificadores de 35 países.

“Em situações de crise sabemos que a desinformação circula muito rapidamente e que uma das chaves é desmontar as mentiras quanto antes para limitar o seu impacto, por isso é tão importante a colaboração entre os fact-checkers“, destaca a “Maldita.es” na apresentação da iniciativa.

“Esta base de dados, além de permitir não duplicar esforços a investigar as mesmas coisas, também nos possibilita saber quando é que começou a circular cada conteúdo de desinformação em cada país”, acrescenta. Nesse sentido foi desenvolvido um mapa interativo, através do qual se pode aceder aos desmentidos das fake news mais virais.

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque