Pedro Sanchez (PSOE)

1.

O rumor:

Juntamente com a sua elegante mulher, Pedro Sánchez teria gastado 500 mil euros em mobiliário novo para a Moncloa, a residência oficial do Primeiro-Ministro espanhol.

A verdade:

Pedro Sánchez não fez nenhum investimento milionário em móveis, tendo-se limitado a comprar algumas peças baratas em lojas modestas. Ao todo, gastou 3.466 euros numa cama infantil, uma cabeceira, um sofá e dois colchões.

2.

O rumor:

“Em pleno Agosto”, Pedro Sánchez teria gastado 500 mil euros na aquisição da sua nova viatura oficial, um Audi A8 blindado, acusava um tweet profusamente partilhado nas redes sociais, que terminava desta forma: “Viva o socialismo!

A verdade:

O Audi A8 blindado de facto existe. E efetivamente é utilizado por Pedro Sánchez. Mas, tal como recentemente sucedeu com António Costa (que foi acusado de ter comprado um carro de luxo que, na realidade, fora adquirido por Cavaco Silva por 140 mil euros), também Sanchez se limitou a herdar um automóvel adquirido pelo seu antecessor no cargo, Mariano Rajoy.

Albert Rivera (Ciudadanos)

1.

O rumor:

Uma publicação no Facebook com quase 100 mil partilhas garantia que Albert Rivera admitiu em conferência de imprensa que, “como muitos outros jovens” era viciado em cocaína. 

A verdade:

Trata-se de uma informação totalmente inventada. Albert Rivera nunca admitiu publicamente qualquer experiência com drogas.

2.

O rumor:

Uma “notícia” garantia que os seguranças de Albert Rivera impediram que o líder do Ciudadanos fosse submetido a um controlo de drogas no aeroporto de Prat, em Barcelona. O assunto disseminou-se pela internet, tendo mesmo sido notícia no jornal la Vanguardia. 

A verdade:

O que realmente aconteceu é que o líder do Ciudadanos “saltou” um controlo, mas não foi de drogas – foi de explosivos, violando as normas de segurança do aeroporto. Foi o próprio partido que o confirmou, justificando que o seu líder o fez a conselho seus seguranças.

3.

O rumor:

Várias publicações disseminadas pelas redes sociais apresentavam o líder do Ciudadanos a fazer a saudação nazi.

A verdade:

Aquele que se apresenta como sendo Rivera é, na realidade, Juan Parejo, vice-secretário do Partido Popular da Estremadura.

Santiago Abascal (VOX)

1.

O rumor:

Numa entrevista que teve grande repercussão em Espanha, o líder do Vox terá afirmado que “as mulheres devem ter quase todos os direitos que os homens”. Na mesma entrevista, declarava que “Mein Kampf” era o seu livro favorito.

A verdade:

Essa entrevista nunca existiu. Trata-se de uma montagem feita exclusivamente para ser disseminada pelas redes sociais, no sentido de sublinhar posições machistas e extremistas do dirigente de extrema-direita.

2.

O rumor:

Ainda sobre as mulheres, um meme colocado a circular nas redes sociais garantia que o líder do Vox teria dito: “A minha mulher tem de estar ao meu serviço, é uma tradição secular em Espanha, como as touradas.”

A verdade:

Não há qualquer evidência que demonstre que Abascal tenha proferido esta afirmação. Não há qualquer entrevista ou tweet da sua autoria que o ateste.

Pablo Iglesias (Podemos)

1.

O rumor:

Pablo Iglesias teria publicado um tweet no seu perfil oficial em que afirmava: “ Não sou partidário da violência, mas gostaria de ver matar os líderes do Partido Popular. A direita deve ser exterminada como um vírus.”

A verdade:

Não há qualquer evidência que o líder do Podemos tenha escrito este tweetpelo contrário, uma vez que nem se encontra publicado nem arquivado no seu perfil no Twitter. Mais: o texto em causa, alegadamente datado de 2012, tem 145 caracteres, quando naquele período o limite de caracteres no Twitter eram 140.

2.

O rumor:

Também num alegado tweet publicado na sua conta pessoal, Iglesias teria dito que a organização terrorista ETA fez “um grande trabalho político”.

A verdade: 

Trata-se, uma vez mais, de uma montagem destinada a desacreditar o líder esquerdista, colando-o a um passado de violência extremista que resultou em milhares de mortos em Espanha.

Pablo Casado (Partido Popular)

1.

O rumor:

O líder do Partido Popular teria afirmado o que se segue: “Se os pobres não podem pagar um médico, que consultem um curandeiro porque é mais barato”. A frase, que consta de um meme, foi partilhada mais de 19 mil vezes no Facebook.

A verdade:

Não há qualquer evidência de que o líder do PP tenha dito ou escrito esta frase. Trata-se de uma manipulação que nem sequer tem qualquer fonte, e que o próprio Casado desmentiu publicamente.

2.

O rumor:

Num meme partilhado nas redes sociais, Casado surge a afirmar: “Os pais pobres deviam trabalhar 24 horas por dia para que estes não passem fome e para que não tenham de pedir tantas ajudas ao Estado, que acabamos por pagar todos nós.”

A verdade:

Trata-se de um meme sem fonte, não é possível aferir a sua veracidade. De qualquer modo, não há qualquer registo desta afirmação na Internet – e se ela tivesse efetivamente sido feita, teria dado lugar a muitas notícias.

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.