1 – O MITO DO PENTEADO ÚNICO

Segundo uma notícia colocada a circular, Kim Jong-un, de 31 anos, num ataque de egocentrismo exacerbado, determinou que todos os norte-coreanos deveriam usar um corte igual a seu: cabeça rapada nos lados e cabelo espetado em cima.

A notícia foi publicada em jornais de todo o mundo – incluindo os de referência, que acreditaram na narrativa segundo a qual a “operação-cabelo-à-Kim-Jong-un” se processaria em duas fases:

  • Primeiro seriam os jovens estudantes de Pyongyang, a capital do país, a adoptar o excêntrico penteado;
  • Logo de seguida, uma vez solidificada a moda, ela estender-se-ia à restante população masculina.

Outra fake news propagada por uma estação de televisão de Hong Kong garantia que os estilos de cabelo eram determinados pelo Estado e que no catálogo estariam 28 opções de penteado.

Na verdade, isso nunca aconteceu, mas não é mentira que na Coreia do Norte existam regras capilares. Em 2005 Kim decidiu que os homens não podem usar cabelo comprido. Justificação: essa opção capilar prejudicaria a energia do cérebro, afastando o oxigénio dos neurónios. O conceito de “cabelo comprido” do líder norte-coreano é algo redutor: todos os que exibam mais de 5cm de comprimento já estão em infração.

kim JONG UN
  1. A AMANTE ASSASSINADA DEPOIS DE UMA TRAIÇÃO

A história tem todos os componentes de um bom policial: furioso com o facto de uma sua amante – a cantora pop Hyong Song Wol – ter sido “apanhada” num vídeo amador a fazer sexo com elementos da orquestra nacional, Kim Jong-un teria ordenado a sua morte.

A “notícia” ganhou amplitude depois de vários jornais chineses terem dado conta da ocorrência. Isto apesar do desmentido oficial que o regime norte-coreano se viu obrigado a fazer.

Quase um ano depois da criação do rumor, a agência noticiosa estatal da Coreia do Norte divulgou um vídeo de um evento em que a cantora aparecia em carne e osso, desmentindo assim definitivamente a carnificina noticiada.

3 – OS UNICÓRNIOS TIVERAM O SEU PARAÍSO PARTICULAR NA COREIA DO NORTE

Não foi um qualquer meio que propagou a notícia: em 30 de novembro de 2012, a revista Time publicou um texto segundo o qual um conjunto de cientistas norte-coreanos tinham provas de que os unicórnios existiram na Coreia do Norte, onde há milhares de anos se passeavam livremente pelas paisagens idílicas do país.

unicornio

Na verdade, o artigo da Time e de outras publicações de referência resultou de uma tradução imperfeita de um texto colocado a circular sobre o assunto e laboriosamente montado para dar a entender que a pátria de Kim era uma espécie de paraíso na Terra.

4 - O MINISTRO DA DEFESA TRAÍDO POR UMA SESTA

Na Coreia do Norte não há lugar para falta de disciplina. Por isso, a prestigiada agência noticiosa AFP não se surpreendeu quando uma fonte sua lhe passou a informação publicada pelo jornal sul-coreano Chosun Ilbo,  segundo a qual o ditador norte-coreano teria mandado abater o seu ministro da Defesa pelo facto de este ter sido apanhado a dormir uma sesta durante uma parada militar.

kim JONG UN

Não se pense, porém, que se tratou de uma execução “normal”, porque com Kim é tudo em grande: segundo a narrativa, o seu ministro teria sido abatido com um míssil anti-aéreo.

Apenas um dia depois da publicação da notícia – que logo se disseminou pelos media internacionais -, a AFP desmentiu a história, atribuindo o lapso às suas fontes sul-coreanas.

5 – KIM JONG-IL, O HOMEM CUJA MORTE FEZ ESTREMECER  MONTANHAS

Pai de Kim Jong-un, o antigo líder da Coreia do Norte é protagonista de sucessivas falsidades. Um dos mitos garante que no dia da sua morte, em dezembro de 2011, uma montanha situada junto do local onde nasceu partiu, “fazendo estremecer o céu e a Terra”.

kim JONG UN

Outros ainda, todos difundidos pela propaganda oficial, garantiam que Kim teria escrito 1500 livros em apenas três anos ou que teria inventado o hambúrguer.

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.