Nota: esta reportagem foi publicada originalmente na Agência Pública, um dos mais prestigiados órgãos de comunicação social do Brasil, com quem o Polígrafo tem um acordo de republicação. A grafia original foi respeitada.

****

26 de março de 2021. Um homem baixo e roliço caminha pela praça ladeada por palmeiras e colunas douradas, no jardim do Templo de Salomão, em São Paulo. Ele é acompanhado por seis pessoas vestidas elegantemente, entre elas o deputado federal Aroldo Martins (Republicanos-PR) e o bispo da Igreja Universal Eduardo Bravo. Um vídeo mostra o homem passeando por uma réplica do Tabernáculo, admirando artefactos religiosos e falando ao microfone diante de um candelabro de sete braços. Segundo ele, nesse lugar é possível ver que "a palavra de Deus está viva". Ele fala de uma "frieza do evangelho" na Alemanha e diz que o Brasil é um exemplo para que a Europa reavive sua fé.

O homem no vídeo é Waldemar Herdt, 58 anos, membro do Parlamento Federal Alemão representando a AfD (sigla em alemão para "Alternativa para a Alemanha"), o maior partido de extrema-direita do país. No fim de março, ele viajou para o Brasil, onde se encontrou com políticos e pastores, visitou empresas e igrejas. O que faz um deputado alemão viajar ao Brasil em meio à pandemia de coronavírus? A resposta para essa pergunta remete a um homem importante para o networking da direita cristã; a grupos de seguidores da Bíblia que fazem alianças no mundo inteiro e tentam redefinir os direitos humanos; e a um partido alemão que tem procurado intensamente o intercâmbio com forças da extrema-direita no Brasil.

"O Brasil foi especial"

Neuenkirchen-Vörden, no noroeste da Alemanha. Uma estrada serpenteia através do bucólico povoado. O relvado em frente às casas está bem aparado, bandeiras da Alemanha agitam-se ao vento, e dá para ver algumas vacas no pasto. Um pouco afastado dali, encontra-se um terreno gigantesco protegido por árvores e um muro. Um caminho de cascalhos conduz até a casa onde Waldemar Herdt vive com sua família. É final de julho. Depois de ter cancelado duas entrevistas em Berlim em cima da hora, o político de extrema direita da AfD dispôs-se a realizar um encontro em sua casa.

A AfD foi fundada em 2013. Em 2017, ingressou no Parlamento alemão com 12,6% dos votos. No momento da sua criação, era sobretudo um partido nacionalista, ultraliberal, contra a União Europeia. No entanto, com a chegada de centenas de milhares de refugiados na Alemanha, as forças de direita radical se afirmaram dentro do partido. Hoje a AfD é um partido com conexões em movimentos de extrema-direita e grupos neonazistas. Os seus políticos costumam chamar a atenção por causa de comentários racistas e antissemíticos. Björn Höcke, integrante da AfD, por exemplo, chamou o Memorial do Holocausto (que lembra a morte de seis milhões de judeus pelo nazismo) em Berlim de "memorial da vergonha".

No momento da sua criação, era sobretudo um partido nacionalista, ultraliberal, contra a União Europeia. No entanto, com a chegada de centenas de milhares de refugiados na Alemanha, as forças de direita radical se afirmaram dentro do partido. Hoje a AfD é um partido com conexões em movimentos de extrema-direita e grupos neonazistas.

Na entrada da enorme casa de Waldemar Herdt, uma placa saúda os visitantes: "Deus abençoe esta casa/ e todos que nela entram e dela saem". O repórter já almoçou? A esposa de Herdt tinha preparado algo. "Não mesmo? Tem certeza?" Herdt conduz então o repórter até uma sala espaçosa com chão de ladrilho. O filho adulto do político está ocupado atrás de cinco monitores de televisão, atendendo ligações para a transportadora da família. Uma grande vidraça dá vista para o imenso jardim. Trampolim, balanço, uma tenda para eventos. Um cachorro faz algazarra na coleira.

Antes de a entrevista começar, Herdt ainda precisa responder a algumas mensagens e ligações. Elas têm a ver com Armênia, Grécia, Uzbequistão. Não tem como não notar: tudo passa por Waldemar Herdt. "O Brasil foi especial", diz Herdt entusiasmado, com sotaque russo. Ele é originário do Cazaquistão. O maior país da América Latina vem assumindo um papel cada vez mais importante para a direita cristã europeia.

"Internacional conservadora"

O plano de viajar ao Brasil surgiu em 2019, durante o National Prayer Breakfast na Casa Branca, em Washington. Uma vez por ano, políticos e grupos religiosos do mundo todo reúnem-se na capital dos Estados Unidos por iniciativa de uma organização cristã conservadora. O encontro é considerado um importante evento para fazer lobby de grupos de interesse cristãos nos EUA. Alguns desses grupos são católicos, muitos são evangélicos, e não são poucos os fundamentalistas. Até mesmo Donald Trump, então presidente dos EUA, falou por lá. "Não foi um discurso presidencial", diz Herdt: "Foi uma pregação". No ano de 2019, 4.500 pessoas participaram do evento, sobretudo políticos, mas também pastores e empresários. Dez parlamentares viajaram da Alemanha. Herdt também teve conversas com parlamentares brasileiros nesse evento. Com quem exatamente, ele não revela. Mas uma coisa ele quer falar: "Durante o Prayer Breakfast, percebi que não apenas eu, mas toda a AfD não possui relações com a América Latina". Isso iria mudar em breve.

créditos: © Facebook Waldemar Herdt

Em julho deste ano, a famosa política da AfD Beatrix von Storch também viajou ao Brasil e encontrou-se com o presidente Jair Bolsonaro. Depois da visita, que foi amplamente divulgada pela imprensa brasileira, a deputada federal falou em uma entrevista para a BBC que pretende criar uma "internacional conservadora", uma alusão a Internacional Comunista. Num texto no jornal da direita alemã "Junge Freiheit", ela reclama que a esquerda opera hoje em nível mundial. "As suas redes chegam desde as Nações Unidas e União Europeia até aos tribunais internacionais, desde os gigantes da Internet até aos meios de comunicação social nacionais. Antifa, ‘Fridays for Future’ e ‘Black Lives Matter’ atuam como organizações em nível mundial. A menos que os conservadores também trabalhem em rede em nível mundial, estarão sempre em desvantagem e ficarão para trás. O governo de Bolsonaro compreendeu isto e está, portanto, aberto à cooperação internacional com os conservadores de outros países”, declarou.

No Brasil, ela encontrou-se ainda com outros políticos influentes, entre eles o filho do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro. Steve Bannon, ex-estrategista-chefe de Donald Trump, anunciou Eduardo Bolsonaro como líder do "The Movement" na América Latina, uma rede internacional de direita que se encontra em planeamento. Ao contrário da visita de Waldemar Herdt, o encontro com Beatrix von Storch, que é neta do ministro de finanças de Hitler, gerou uma grande indignação, sobretudo por grupos judeus e organizações de direitos humanos.

Ao contrário da visita de Waldemar Herdt, o encontro com Beatrix von Storch, que é neta do ministro de finanças de Hitler, gerou uma grande indignação, sobretudo por grupos judeus e organizações de direitos humanos.
créditos: © Facebook Beatrix von Storch

Von Storch, assim como Herdt, integra a ala cristã-conservadora da AfD. Nessa corrente, uniram-se representantes de diferentes confissões cristãs: igrejas evangélicas livres, anglicanos, opositores do papa Francisco e católicos tradicionalistas. Seu posicionamento costuma estar em grande afinidade com as posições oficiais das igrejas católica e evangélica. O lema dessa direita religiosa é a defesa daquilo que consideram ser o "Ocidente cristão": a luta contra o aborto e direitos LGBTQI, a promoção da família tradicional como norma universal e a resistência a uma suposta "islamização".

O lema dessa direita religiosa é a defesa daquilo que consideram ser o "Ocidente cristão": a luta contra o aborto e direitos LGBTQI, a promoção da família tradicional como norma universal e a resistência a uma suposta "islamização".

A visita de Beatrix, no entanto, teve poucos resultados concretos até agora – ao contrário da viagem do Waldemar Herdt. Ele continua sendo o político mais importante da nova aliança entre a AfD e o Brasil.

Algo podre

Uma pauta que une evangélicos e a nova direita ultraconservadora no mundo é, ao lado da criminalização do aborto, a luta contra a comunidade LGBTI. É também por esse motivo que buscam intensamente contatos no exterior. "Eles querem transformar sua agenda num tema global", diz Christina Vital, professora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal Fluminense – UFF e colaboradora do Instituto de Estudos da Religião – Iser. "Para isso, estão se unindo a inúmeras forças, atuando em redes internacionais". Segundo Vital, evangélicos brasileiros têm conexões diretas com a Casa Branca. Contatos na Europa, no entanto, são poucos até agora, e nenhum significativo na Alemanha. Será que Waldemar Herdt quer mudar isso?

créditos: © Instagram Marco Feliciano

O político da AfD conta que ficou impressionado por haver uma coalizão entre deputados religiosos no Parlamento brasileiro e muitos deles serem pastores. "No Brasil, é possível expressar a fé, sem que se sinta pressão contrária da sociedade". Herdt se encontrou com inúmeros políticos evangélicos e pastores no Brasil. Um encontro com o também evangélico Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, estava igualmente previsto, mas não pôde ocorrer devido a uma viagem de férias. Em compensação, Herdt encontrou-se com Marcelo Crivella (Republicanos), bispo licenciado da Universal e ex-prefeito do Rio de Janeiro. Também com a deputada Bia Kicis (PSL-DF), apoiadora radical de Bolsonaro.

Mas um interlocutor em especial chama atenção: Marco Feliciano (PSC-SP). Deputado, vice-líder do governo e pastor. Trata-se provavelmente de um dos mais importantes elos entre as igrejas evangélicas e a política e de alguém altamente controverso. Inúmeras vezes, fez manifestações consideradas racistas e homofóbicas. Sobre isso, Herdt diz apenas: "Se procurar, todo mundo tem algo podre [em tradução livre]." Além do mais, ele alega não ter feito nenhuma pesquisa detalhada antes desse encontro.

AfD em busca de conexões com o Brasil

Waldemar Herdt não é o único político da AfD atrás de conexões com o Brasil. No dia 28 de outubro de 2018, dia em que Bolsonaro foi eleito presidente, Petr Bystron, líder da AfD no Comité de Relações Exteriores do Parlamento Alemão, descreveu-o como um "verdadeiro conservador" e comemorou: "A revolução conservadora agora chegou à América do Sul".

Outros políticos também celebraram a vitória do homem que, durante a campanha, ameaçou fuzilar seus oponentes políticos e pendurou em seu escritório fotos de torturadores. Christian Blex, por exemplo. Conhecido por ser especialmente radical, o deputado da AfD no Parlamento do estado da Renânia do Norte-Vestefália tem relações familiares no Brasil e está no país com frequência. "Por motivos meramente pessoais", ele enfatiza. Já que seu foco está na política interna da Alemanha, ele diz não querer se envolver em questões internacionais. No entanto, ficou contente com a vitória de Bolsonaro, com quem simpatiza por negar a "besteira climática" e não compactuar com o "pânico com o corona". Para Blex, é lógico que suas posições não agradam ao "mainstream da esquerda". Ele teria proposto a criação de um Grupo Parlamentar Brasil-Alemanha no Parlamento estadual, mas a tentativa não deu certo. "Quem sabe no próximo período de legislatura", diz.

Outro político da AfD com ligações com o Brasil é Torben Braga, 30 anos, deputado no Parlamento do estado da Turíngia. Ele foi assessor de imprensa da Associação Alemã de Fraternidades Estudantis, uma instituição notoriamente racista. É considerado um afilhado político de Björn Höcke, figura mais radical da sigla. Braga nasceu e cresceu no Brasil, frequentou a escola no Rio de Janeiro. Suas chances de ingressar no Parlamento Federal Alemão nas eleições de setembro são boas. Nas redes sociais, Braga também comemorou a vitória de Bolsonaro, mas, quando entrevistado, se comporta de maneira mais contida. Quanto à disseminação de ódio contra minorias? Afinal, Bolsonaro afirmou que prefere um filho morto a um filho gay, fez ofensas racistas à população negra, disse a uma deputada que ela não merecia sequer ser violada. Braga alega que não conhece essas citações e por isso não pode se manifestar sobre elas.

créditos: © Facebook AfD

Além disso, a AfD apresentou ao Executivo diversos Kleine Anfragen, inquéritos oficiais sobre a ajuda externa ao Brasil. Com isso, os deputados dos parlamentos podem fazer perguntas que devem ser respondidas e publicadas pelo governo em tempo útil. "Trata-se de um mero pretexto para atribuir um ar democrático ao governo de Bolsonaro", diz Yasmin Fahimi, política da SPD que preside o Grupo Parlamentar Brasil-Alemanha no Parlamento alemão. "Muitas questões problemáticas não são trazidas à tona".

Analistas entrevistados pela reportagem acreditam que, com a saída de Donald Trump, o país pode vir a assumir um papel de liderança para a direita cristã. E há motivos para afirmar que o político da AfD Waldemar Herdt exerce um papel central para o networking dessa aliança conservadora-cristã internacional.

“Valores da Bíblia que guiam meu caminho”

Herdt migrou para a Alemanha em 1993. Cresceu no Cazaquistão, formou-se engenheiro agrícola, foi diretor de uma cooperativa de produção. Desde 2004, é dono de uma construtora no estado alemão da Baixa Saxônia. Antes de ingressar na AfD, ele esteve no pequeno Partido dos Cristãos Seguidores da Bíblia. Até o início deste ano, Herdt era o porta-voz da Associação Regional Norte dos "Cristãos na AfD". "São os valores da Bíblia que guiam meu caminho", escreve ele em sua homepage.

Herdt é um homem que fala bastante sobre "humanismo", reforça o tempo todo que a família é o mais importante, se diz pacifista. Não é daquele tipo clássico da AfD que propaga o ódio às minorias. Mesmo assim, ele fala em "histeria do clima" e diz que "o sentimento de culpa coletivo alemão" em relação ao nazismo estaria tirando a dignidade dos alemães. Volta e meia, ele alerta sobre um "novo modelo de sociedade" e para uma suposta "ideologia de género". "Na Alemanha, a legislação vem mudando por pressão de descrentes – a ponto de que, em breve, iremos parar em Sodoma e Gomorra", afirma. "Uma rede de direita conservadora não faria mal, como contrapeso", explica. Essa virou sua missão mais importante.

Volta e meia, ele alerta sobre um "novo modelo de sociedade" e para uma suposta "ideologia de género". "Na Alemanha, a legislação vem mudando por pressão de descrentes – a ponto de que, em breve, iremos parar em Sodoma e Gomorra", afirma. "Uma rede de direita conservadora não faria mal, como contrapeso", explica

A igreja que Herdt frequenta é uma construção de dois andares com vidros em tom azulado, localizada em uma rua bastante movimentada, não longe da estação central de comboios de Osnabrück (cidade de 160.000 habitantes no estado da Baixa Saxônia). Na entrada, um letreiro: "Igreja Evangélica Livre Fonte da Vida" (Lebensquelle em alemão). Acima, uma cruz. Tirando isso, o prédio não chama atenção. Herd se envolve ativamente nos compromissos da igreja evangélica. A "Fonte da Vida" faz parte das comunidades pentecostais que, por regra, não fazem uma leitura bíblica de forma crítica. Estima-se que essa vertente confessional em específico tenha 60 mil adeptos na Alemanha.

créditos: © Agência Pública/Niklas Franzen

A "Fonte da Vida" tem um canal próprio no YouTube, e nos cultos as bandas tocam música pop cristã. Os músicos se parecem com jovens adultos quaisquer: barba de três dias, brincos, camisetas. Suas apresentações são emotivas, melodramáticas até: "Você venceu a morte por mim. Obrigado, Jesus". Na frente do palco, pessoas dançam, batem palmas, estendem as mãos para o alto. "Obrigado, Jesus. Obrigado, Jesus". A "Fonte da Vida", no entanto, recebe críticas por realizar "terapias de conversão" para a "cura da homossexualidade" e tratamentos duvidosos contra dependência química.

De vez em quando, outros pregadores são convidados a Osnabrück – essas visitas estão documentadas no YouTube. Alexey Ledyaev, da Letónia, é um deles. Ledyaev comanda a "New Generation Church" em Riga e é conhecido por pregações homofóbicas agressivas. Waldemar Herdt diz que ele é seu "amigo". Dentro desse contexto, também fez uma aparição na campanha eleitoral, em um evento que o pregador organizou em nome dos "Watchmen on the Wall". Os Watchmen são um projeto conjunto de Ledyaev e do pregador norte-americano fundamentalista de extrema direita Scott Lively. Numa pregação durante a fundação dos Watchmen, Ledyaev afirmou que os LGBTI tentaram erigir uma "ditadura da homossexualidade" e que os Watchmen devem proteger a sociedade da "cultura da morte", além de apoiar políticos que compartilham dos seus valores. Lively é coautor do livro "Suástica rosa", que responsabiliza homossexuais pelo Holocausto. Num evento dos Watchmen em Riga em novembro de 2018, Waldemar Herdt apareceu junto de Lively, sendo apresentado como um aclamado convidado especial. Apesar disso, quando questionado, Herdt admite que pode até conhecer o pregador, mas só consegue recordar-se dele vagamente.

A aliança

No verão de 2019, Waldemar Herdt viajou a Moscovo e apresentou uma ideia: a criação de uma "comissão de direitos humanos alternativa". Ele a explica desta forma: "Cheguei à conclusão de que todas as organizações de direitos humanos têm um toque de ideologia de género esquerdista. O lado conservador não tem nenhuma representação. Precisamos de uma comissão interparlamentar baseada em valores cristãos, conservadores e patrióticos."

"Cheguei à conclusão de que todas as organizações de direitos humanos têm um toque de ideologia de género esquerdista. O lado conservador não tem nenhuma representação. Precisamos de uma comissão interparlamentar baseada em valores cristãos, conservadores e patrióticos."

Alguns meses depois, em dezembro de 2019, a bancada da AfD no Parlamento Federal decide de fato fundar a "Comissão Interparlamentar de Direitos Humanos" (IPMK, na sigla em alemão) – presidida por Waldemar Herdt. Em comunicado à imprensa, a AfD escreve que a comissão vai se ocupar da "ideologia esquerdista ambientalista oculta na definição clássica de direitos humanos". Até agora, segundo Herdt, a comissão conta com parlamentares e especialistas de 30 países, entre eles Estados Unidos, Portugal, Sérvia, Rússia, Bielorrússia, Cazaquistão, Mongólia e, recentemente, o Brasil. Resoluções estariam sendo elaboradas para virar projetos de lei. A despeito da pandemia, a IPMK já realizou diversos eventos. Entre eles, uma conferência online sobre o tema "extremismo", onde se reuniram parlamentares e ativistas russos, pregadores norte-americanos e Sam Brownback, que havia sido nomeado por Trump como embaixador especial para a liberdade religiosa.

Em todo o mundo, o tema dos direitos humanos e a ocupação de cargos políticos em posições relevantes nessa área têm se tornado uma espécie de porta de entrada para a direita cristã. Inclusive no Brasil, onde Marco Feliciano, interlocutor de Herdt, foi escolhido em 2013 presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. "Ele não chegou a esse posto por já ter trabalhado na área, mas por querer acabar com os temas LGBTQI", diz a antropóloga Christina Vital. Também a ministra Damares Alves, evangélica, vem tentando estabelecer uma nova definição de direitos humanos. E o que pensa Herdt? Para ele, direitos humanos significam sobretudo três coisas: "direito à vida, direito ao trabalho e direito à crença religiosa", diz. Entretanto, essa é apenas uma parcela do que consta na constituição da Alemanha e na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Em junho, o Instituto Alemão para Direitos Humanos já soava o alarme num estudo detalhado sobre a AfD. Esse estudo concluiu que, do ponto de vista da teoria dos direitos humanos, a AfD defende posições que não encontram base na Constituição.

Em junho, o Instituto Alemão para Direitos Humanos já soava o alarme num estudo detalhado sobre a AfD. Esse estudo concluiu que, do ponto de vista da teoria dos direitos humanos, a AfD defende posições que não encontram base na Constituição.

Este ano, Waldemar Herdt não vai concorrer de novo ao Parlamento Federal Alemão. Até chegou a  candidatar-se durante a primeira prévia do partido, porém não foi escolhido. Apesar disso, a IPMK vai continuar, como ele mesmo enfatiza na entrevista. E Herdt pretende seguir atuando como porta-voz da IPMK. Além disso, está prevista uma conferência no Parlamento alemão no ano que vem. Os principais convidados são os interlocutores de Herdt no Brasil: Bia Kicis, Kennedy Nunes, Aroldo Martins, Luiz Philippe de Orleans e Bragança. É o começo de uma nova aliança.

_______________________________________

Reportagem da Agência Pública, originalmente publicada no dia 31 de agosto de 2021.

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
International Fact-Checking Network