• JAIR BOLSONARO E O FIM DA PARADA GAY

Logo na primeira semana de 2019, foi divulgada uma informação falsa que acabou por se tornar viral. Em causa estaria o facto de, alegadamente, o recém-eleito presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, ter assinado um decreto que cancelava o carnaval e a parada gay no país.

Temos de pensar primeiramente nas nossas necessidades principais. Ninguém está autorizado a realizar financiamentos com os carnavais, principalmente os Prefeitos das cidades. O calendário trabalhista continuará normal, sem nenhuma exceção”, teria dito Bolsonaro, um ex-militar cuja repulsa face à comunidade homossexual é conhecida.

Porém, segundo o site Boatos,org, que verificou a notícia, tudo não passou de desinformação veiculada por um site conhecido por partilhar notícias falsas – o Folha Brasil News -, que, sem citar fontes, conseguiu, sobretudo através das partilhas no WhatsApp (que tem mais de 130 milhões de utilizadores no Brasil) e no Facebook, que a informação falsa tenha chegado a muitos milhares já com o estatuto de verdadeira – ou, pelo menos, sem que fosse  questionada a sua veracidade.

brasil
  • MICHEL TEMER: TEMPO DOS "GASTOS CARNAVALESCOS" CHEGOU AO FIM

A 15 de fevereiro de 2017, o site “Pensa Brasil” anunciava que Michel Temer, na época Presidente do país, afirmara que “um país que verdadeiramente mergulha em rigidez estrutural, não possui um momento e um motivo adequado para gastos carnavalescos".

Seguia-se a mesma citação recentemente atribuída a Bolsonaro – “Temos de pensar primeiramente nas nossas necessidades principais. Ninguém está autorizado a realizar financiamentos com os carnavais, principalmente os Prefeitos das cidades. O calendário trabalhista continuará normal, sem nenhuma exceção”.

A notícia falsa terminava com a conclusão de que Temer pretendia, com tal medida, utilizar o dinheiro das comemorações em investimentos na educação do país. Temer nunca proferiu tais afirmações e, a 6 de dezembro de 2017, a revista Veja esclarecia as manchetes virais: “Embora o presidente pretenda, realmente, fazer com que o trabalhador contribua com a Previdência durante 49 anos para receber integralmente a aposentadoria, proibir o Carnaval por 20 anos não está na agenda de medidas impopulares planejadas por Temer”.

brasil
  • O VÍDEO QUE É UM VÍRUS - OU TALVEZ NÃO

Em 2017, pela altura do Carnaval, surgiram vários avisos para que as pessoas não abrissem um vídeo chamado “Carnaval de Pipoca”, já que era um vírus capaz de recolher informações privadas dos telemóveis, invadindo assim de forma grosseira a privacidade dos utilizadores.

Com a ajuda do potencial de distribuição de mensagens do WhatsApp, a informação tornou-se viral, assustando o povo brasileiro. Tudo não passou, porém, de um rumor. E a explicação, de acordo com o site Boatos.org, é simples: não é possível apanhar um vírus através de um arquivo enviado via WhatsApp. Isto porque a aplicação está programada para enviar apenas determinados formatos, impedindo a partilha de malware sem ser através de um link – o que não foi o caso do Carnaval de Pipoca, já que era divulgado sob a forma de vídeo.

brasil
  • A MULHER QUE FOI RAPTADA POR EXTRA-TERRESTRES 

Em fevereiro de 2015, foi partilhada vezes sem conta a fake news que dava conta de que Ana Letícia Andreatta Fonseca, de 26 anos, desaparecera em Guarapari, reaparecendo cinco dias depois. Ao voltar, alegadamente afirmara ter sido raptada por ET’s.

O Boatos.org analisou o rumor e constatou que este teve origem no site de notícias falsas “ Enfu”, sendo posteriormente potenciado pelo mais respeitável “Portal Metrópole”, que ao texto juntou uma imagem da jovem (que se viria a revelar falsa, uma vez que pertencia a uma modelo americana chamada Brittany Suleiman). “A vítima alegou em depoimento que foi abduzida por uma nave espacial quando voltava do trabalho”, podia ler-se, entre depoimentos bizarros do alegado marido da jovem (que garantia que os extraterrestres gostavam de cerveja, já que a mulher cheirava a álcool).

bolsonaro
  • O FILME ORIGINAL DE JAIR BOLSONARO 

De acordo com várias notícias, às quais se anexou um vídeo do presidente brasileiro a filmar a saída de presidiários da cadeia, Bolsonaro terá tirado “folga” de deveres oficiais para gravar o “saidão de carnaval” de criminosos da Papuda, uma prisão situada em São Sebastião.

As notícias são falsas. Os sinais da sua falta de credibilidade são múltiplos: contêm erros ortográficos, títulos alarmantes e foram divulgadas por meios pouco conhecidos. O Boatos.org investigou a informação e concluiu que a origem do vídeo que mostra Jair Bolsonaro a gravar a saída de presos é antiga, mais especificamente de 2017, e não se refere a um “saidão de Carnaval”, mas sim à libertação temporária de detidos, que está prevista por lei e que nada tem a ver com as festividades carnavalescas.

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.