As criptomoedas também têm sido criticadas porque precisam de muita energia para ser produzida, através dos computadores que estão ligados ininterruptamente em todo o mundo para resolver os cálculos matemáticos.

Só o consumo anual de electricidade em todo o mundo para minerar bitcoins atinge os 50 terawatts por hora, segundo contas da Digiconomist citados pelo El Economista, prevendo-se que o consumo de electricidade para produzir bitcoins venha a atingir os 125 terawatts hora anuais.

Simultaneamente, o aumento da mineração para produzir criptomoedas provocou um disparo nos preços do hardware que é essencial para a mineração. Em Fevereiro deste ano, o site Pplware dava o exemplo da placa gráfica GTX 1080 Ti cujo preço tinha disparado 20% em menos de seis meses para valores acima dos mil euros.

A empresa produtora de placas gráficas Nvidia chegou mesmo a emitir uma recomendação para que os retalhistas dessem prioridade aos gamers, os seus clientes centrais, sobre os mineiros de moedas virtuais.

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
International Fact-Checking Network