O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Vídeo que mostra muçulmanos a rezar na estrada é exemplo da prática indiscriminada de rituais religiosos em Portugal?

Sociedade
Este artigo tem mais de um ano
O que está em causa?
No Facebook é partilhado um vídeo com 40 segundos que exibe um grupo de muçulmanos em oração no meio da via pública sem que seja mencionada a origem do mesmo. Indica-se que “já está a acontecer também em Portugal” e questiona-se para quando “uma proibição rígida” a cultos religiosos na rua.

Um vídeo de 40 segundos já foi visto por mais de mil pessoas no Facebook. Mostra um grupo de muçulmanos a rezar em plena estrada, impedindo a passagem de carros. “Para quando uma proibição rígida que não permita cultos religiosos na via pública? Já está a acontecer também em Portugal! Na terra deles as igrejas dos cristãos são queimadas e se fizessem o culto religioso cristão na via pública eram de imediato presos! Para quando o respeito pelo país acolhedor? Para quando a exigência de reciprocidade de cultos religiosos?”, questiona-se na publicação tornada viral.

Na caixa de comentários questiona-se se as imagens foram captadas em Portugal. O autor da publicação confirma que não, e garante que o caso ocorreu em Espanha, mas sem adiantar mais pormenores sobre a origem do vídeo.

[facebook url=”https://www.facebook.com/jose.dias.750331/videos/218493984259806″/]

Ao analisar as imagens, ouve-se um homem a condenar a situação em espanhol e identifica-se também uma matrícula: B 8945 SS.

Começando pela matrícula, podemos considerar – sem poder ter certezas – que este vídeo poderá ter sido gravado em Barcelona. O veículo cuja matrícula é visível tem ainda o código provincial que era usado até 2000. O ‘B’ da matrícula diz respeito a Barcelona.

Efetuando uma pesquisa pelo vídeo, é possível identificá-lo na conta de Telegram de Mário Machado, líder histórico da extrema-direita portuguesa, no dia 30 de abril, com a seguinte frase escrita em espanhol: “São os seus costumes, temos de os respeitar”. Não é apresentado mais nenhum contexto, localização ou data em que ocorreu o que é exposto. O vídeo pode ainda ser encontrado numa página no Twitter a 22 de abril de 2023, não sendo possível localizar estas imagens antes desta data.

O Polígrafo contactou o autor da publicação, que indicou que o que se mostra “acontece no Martim Moniz e na Alameda, em Lisboa” e que o vídeo foi encontrado “numa das redes”.

De facto, é possível já ter visto grandes aglomerados da comunidade islâmica no Martim Moniz, porém em momentos muito específicos. O fim do Ramadão é comemorado ao ar livre no Martim Moniz desde 2011, devido a um protocolo entre a Comunidade Islâmica do Bangladesh e a Câmara de Lisboa. Em maio de 2021, a propósito das comemorações do fim do Ramadão, Rana Taslim Uddin, líder da Comunidade Islâmica do Bangladesh, indicava que em Cascais, Odivelas e Amadora também já se faziam estas celebrações públicas.

O Polígrafo contactou a Polícia de Segurança Pública (PSP) que, através de fonte oficial, confirma que as imagens em causa “não foram registadas em Portugal“.

A mesma fonte informa ainda que a força policial “acompanha as dinâmicas [religiosas] que decorrem nas maiores cidades em Portugal, tanto numa perspetiva de promoção da segurança coletiva como de assegurar o equilíbrio entre o exercício do diversos direitos, liberdades e garantias previstos na nossa Constituição”.

Abdul Razac Seco, vice-presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa, informa não ter registo de “orações ou oradores em vias públicas indiscriminadamente como se refere”. E esclarece que as “orações em congregação nos dias festivos, como as comemorações do final do mês do Ramadão e do final da peregrinação a Meca”, que acontecem, por exemplo, na praça Martim Moniz, são “devidamente solicitados às entidades competentes”.

Assim, é falso que este vídeo que mostra vários muçulmanos a rezar na estrada seja exemplo da prática de rituais religiosos de forma indiscriminada na via pública em Portugal.

__________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque