"Em Varsóvia, refugiados da Ucrânia mataram um polaco. Os ucranianos bêbados começaram a assediar uma rapariga, o polaco defendeu-a, foi espancado, levou várias facadas e morreu quase a seguir", conta o autor de um de muitos tweets encontrados pelo Polígrafo sobre o mesmo incidente, a maioria em espanhol e inglês.

A publicação mostra ainda um vídeo dos acontecimentos, ao partilhar um outro tweet de 12 de maio, onde se descreve a mesma situação mas em inglês.

Será que a história está bem contada?

Na verdade, os agressores foram identificados pela polícia de Varsóvia como três jovens de nacionalidade polaca e não ucraniana. A vítima era um homem de 29 anos, que morreu pouco depois de ter sido assistido no local, não resistindo às três facadas que levou na zona do peito. Tudo aconteceu a 8 de maio, em Nowy Świat, na capital polaca.

Nas redes sociais, a Polícia de Varsóvia acabou por revelar a identidade dos três atacantes que ainda estão em fuga. As autoridades indicam como autores do crime Sebastian Włodarczyk (23 anos), Łukasz Goławski L. (27) e Dawid Mirkowski (24), residentes em Varsóvia. De acordo com o jornal "Warszawa Naszemiasto", os dois primeiros têm antecedentes criminais.

Além das fotografias, a polícia escreveu: "Se alguém souber do paradeiro destes três suspeitos, terá de notificar a esquadra mais próxima ou a procuradoria. Esconder ou ajudar pessoas procuradas pela polícia a fugir é punível com pena de prisão até cinco anos."

Quanto ao que aconteceu e que acabou por resultar na morte de uma pessoa, a polícia não refere os motivos. Pelo menos dois meios de comunicação social polacos, que noticiaram o incidente, mencionam que a vítima mortal tentou defender mulheres de um grupo ébrio, mas essa informação não foi confirmada pelas autoridades.

________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network