A vitória do partido Chega na autarquia de Moura, distrito de Beja - com a eleição de uma vereadora e de André Ventura como deputado municipal -, foi como que Sol de pouca dura. No início deste mês de novembro noticiou-se a decisão de Cidália Figueira de abandonar o partido e passar a independente naquela autarquia.

Apesar da desvinculação da vereadora, Ventura permaneceu no cargo para o qual foi eleito nas autárquicas de 26 de setembro e veio agora dar conta de uma decisão política que terá tomado para este mandato. Ao partilhar uma imagem em que se afirma que "André Ventura foi o único autarca a abdicar de salários e abonos da autarquia", o próprio fez questão de salientar o seguinte:

"Não sei se isto é verdade - até porque penso que alguns autarcas do Chega já o fizeram também - mas foi com enorme desapego e entrega que tomei essa decisão! Vejo a política como um serviço às pessoas!"

Em reação a esta publicação de Ventura surgiram várias outras nas redes sociais acusando o deputado de se aproveitar de um montante que ronda os 60 euros para alegar "desapego" e serviço público:

"Este trafulha está a gabar-se de prescindir de receber à volta de 600 euros por ano (senha de presença de 61,23 euros; número médio de sessões da Assembleia Municipal de Moura no último mandato: nove)", lê-se num post de 22 de novembro.

Ora, importa começar por esclarecer que o cargo de membro da Assembleia Municipal, onde se enquadra a figura de deputado municipal, não é um cargo remunerado. Significa isto que Ventura não abdicou, efetivamente, de um salário de deputado municipal, até porque o mesmo nunca existiu.

Ainda assim, de acordo com o Estatuto dos Eleitos Locais - Lei n.º 29/87 -, os deputados municipais deverão ter direito a uma senha de presença pela participação nos trabalhos da autarquia, quer se trate de reuniões plenárias da Assembleia ou de reuniões das suas Comissões. Dado que Moura tem, segundo o mapa eleitoral de 15 de junho de 2021, um total de 11.988 eleitores, cada deputado municipal deverá receber, por sessão a que compareça, 68,88 euros.

Este valor depende do número de eleitores de cada município e corresponde a 2% do valor base da remuneração do presidente da Câmara Municipal. Ora, analisando o mapa de trabalhos da Assembleia Municipal de Moura durante o último mandato, verificamos que a média de convocatórias anuais foi de aproximadamente nove, o que quer dizer que se Ventura participar em todas as sessões poderá vir a auferir um montante anual em senhas de presença de cerca de 620 euros.

Por ver "a política como um serviço às pessoas", o líder do Chega decidiu abdicar deste valor, anunciando-o publicamente na sua página de Facebook.

____________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network