O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Ucraniana invadiu telejornal em protesto contra o presidente Zelensky?

Ucrânia
Este artigo tem mais de um ano
O que está em causa?
Quando uma jornalista russa interrompeu o telejornal de uma estação de televisão nacional, empunhando um cartaz com uma mensagem contra a guerra na Ucrânia, esse protesto foi amplamente noticiado. Agora que terá ocorrido um protesto similar numa estação de televisão ucraniana, os "media" ocidentais não noticiam e escondem? Nas redes sociais, com base num vídeo, garante-se que sim. O Polígrafo verifica.

“Você lembra-se das muitas reportagens dos media sobre a milher que segurou um cartaz de ‘Sem Guerra’ na televisão russa? A imagem correu o mundo. Agora, uma outra mulher também levantou um cartaz para a câmara na televisão ucraniana. Estava escrito: ‘Zelensky, pare com as drogas e volte para os palcos‘. Você provavelmente não viu ou leu em nenhum lugar. É assim que funcionam os grandes media“, descreve-se numa das publicações do vídeo em causa, partilhado no TikTok, Facebook e Twitter.

Este vídeo é real e a respetiva descrição (em vários idiomas, mas apontando quase sempre no mesmo sentido) corresponde à verdade dos factos?

Através de ferramentas como a “TinEye” e a “InVID” conseguimos localizar a origem do vídeo, publicado a 15 de março no TikTok, mais especificamente na página (entretanto apagada) de uma utilizadora com o nome de Olga Stiffler, a qual tem propagado desinformação e propaganda pró-Rússia em múltiplas plataformas.

De acordo com o título do vídeo original, as imagens terão sido captadas durante a emissão de um telejornal da estação de televisão “Ucrânia 24”. Mediante as referidas ferramentas, porém, verificamos que as imagens de fundo foram recolhidas a partir de um telejornal de 14 de março, transmitido em direto no YouTube, sem qualquer interrupção ou protesto contra o presidente Volodymy Zelensky (pode conferir aqui, a partir do minuto 42).

Trata-se portanto de uma montagem, um vídeo adulterado. As imagens da mulher com um cartaz foram coladas por cima das originais, simulando um protesto que na realidade não aconteceu.

Plataformas de fact-checking como a “Open” (Itália) ou “AFP Checamos” (Brasil) chegaram à mesma conclusão.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações “Falso” ou “Maioritariamente Falso” nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque