"Especialmente dedicada aos 'ministros' Poiares Maduro e Maria Luís Albuquerque pelas suas 'brilhantes' declarações proferidas acerca da sustentabilidade das reformas", lê-se no primeiro parágrafo do texto viral que é atribuído a Adriano Moreira, sob o título "Indecoroso", com origem em blogs e partilhado por milhares de pessoas nas redes sociais.

"Vergonha é comparar a reforma de um deputado com a de uma viúva; vergonha é um cidadão ter que descontar 40 ou mais anos para receber reforma e aos deputados bastarem somente três ou seis anos conforme o caso e que aos membros do Governo para cobrar a pensão máxima só precisam do juramento de posse; vergonha é que os deputados sejam os únicos trabalhadores deste país que estão isentos de 1/3 do seu salário em IRS e reformarem-se com 100% enquanto os trabalhadores se reformam na base de 80%", enumera o suposto autor do texto.

E prossegue: "Vergonha é pôr na Administração milhares de assessores (leia-se amigalhaços) com salários que desejariam os técnicos mais qualificados; vergonha é a enorme quantidade de dinheiro destinado a apoiar os partidos, aprovados pelos mesmos políticos que vivem deles".

Ainda há mais exemplos de "vergonha" e no final do texto lança-se um apelo: "Esta deveria ser uma dessas correntes que não deveriam romper-se pois só nós podemos remediar tudo isto. Além disso, será uma vergonha se não reenviarem. 'Não fazemos agravo a 'ninguém', salvo o escândalo de termos princípios, e História, e coragem, e razão".

É verdade que este texto foi escrito ou proferido em algum discurso por Adriano Moreira?

Não. É um texto claramente apócrifo que já se tinha propagado através de blogs e nas redes sociais há alguns anos e que entretanto, nas últimas semanas, voltou a tornar-se viral.

A única parte do texto que pode ser atribuída corretamente a Adriano Moreira é a última frase que transcrevemos novamente: "Não fazemos agravo a 'ninguém', salvo o escândalo de termos princípios, e História, e coragem, e razão".

Essa frase foi retirada do livro "A Espuma do Tempo - Memórias do Tempo de Vésperas", de Adriano Moreira, e aparece completamente descontextualizada no final do texto apócrifo. Eis a passagem original no livro de memórias do antigo ministro do Ultramar:

"A utopia teve uma das expressões maiores com as inquietações do Engenheiro Trigo de Morais, um transmontano responsável pelos colonatos. Doente no Hospital do Ultramar desejou que o visitasse, e foi para me pedir que o mandasse enterrar no colonato para se misturar aos alicerces da obra que empreendera. Por ali ficaria quando o tempo chegou. Claro que a visita a Moçambique era uma oportunidade excelente para meditar longamente com Sarmento Rodrigues sobre a perspectiva nacional, estando ambos convictos de que, como declarei no discurso que fiz no Conselho Legislativo, em 27 de Setembro, desta forma 'não fazemos agravo a ninguém, salvo o escândalo de termos princípios, e História, e coragem, e razão'".

***

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso