"Teste da Covid-19… Estão recolhendo o seu DNA… Acorde!" Esta é a principal mensagem de alerta da publicação em causa que está a propagar-se nas redes sociais.

"Não sei porquê enfiam uma vareta até à sua goela para testar Covid-19 se apenas uma gota de saliva pode infetar um bairro inteiro", salienta-se no final.

Esta publicação foi denunciada por vários utilizadores do Facebook como sendo falsa ou enganadora. Confirma-se?

Questionado pelo Polígrafo, João Júlio Cerqueira, médico especialista de Medicina Geral e Familiar e criador da página Scimed, explica que "os testes realizados pela colheita nasofaríngea e realizada na garganta são os aprovados, porque nessas zonas é onde existe maior concentração de vírus, aumentando a fiabilidade do exame".

No entanto, admite que "à medida que o conhecimento aumenta e a qualidade dos testes melhoram, é possível que o teste de diagnóstico preferencial seja recorrer apenas à saliva", sublinhando que "a presença do vírus na saliva está mais do que confirmada".

"Não há nada de estranho em terem começado com a colheita de amostras nasofaríngeas e na garganta. Faz parte da evolução tecnológica começar com um teste mais rude que precisa de mais material genético do vírus para fazer diagnóstico e, posteriormente, a tecnologia ir aprimorando as técnicas de diagnóstico. Torna-se progressivamente mais prático, menos invasivo e com melhor qualidade de diagnóstico", afirma.

De resto, Cerqueira refuta a alegação de que este método terá como objetivo a recolha de ADN (Ácido Desoxirribonucleico). "Se fosse para recolha de ADN, então a saliva bastava, já que é um método frequente para a realização de testes de ADN", assegura.

Em suma, a publicação sob análise está a difundir falsidades.

_______________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network