O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Têm emigrado mais jovens de Portugal do que “no tempo da ‘troika'”?

Sociedade
Este artigo tem mais de um ano
O que está em causa?
Em publicação no Facebook denuncia-se que "os 'media' escondem" o suposto facto de que "continuam a emigrar mais jovens do que no tempo da 'troika'". Ou seja, durante o período de resgate financeiro do Estado português, entre 2011 e 2014. O Polígrafo verifica os números.

“Os media escondem, mas a verdade é que continuam a emigrar mais jovens do que no tempo da troika, estamos num bom caminho”, lê-se no post de 31 de março no Facebook, que suscitou dúvidas a vários leitores do Polígrafo.

De acordo com os dados mais recentes, compilados na Pordata, em 2020 registou-se um total de 68.209 emigrantes, dos quais 25.886 permanentes e 42.323 temporários.

Ora, durante o período de assistência financeira da troika (2011-2014), o nível de emigração foi sempre mais elevado, variando entre um mínimo de 100.978 pessoas em 2011 e um máximo de 134.624 pessoas em 2014.

No âmbito dos subgrupos de emigrantes permanentes e temporários, os números referentes ao período da troika também foram sempre mais elevados do que em 2020.

Mas a publicação em análise refere-se aos “jovens“, não indicando a correspondente faixa etária. Se aplicarmos ao conceito de “jovens” a faixa etária até aos 29 anos de idade, em 2020 registou-se um total de 30.061 emigrantes, dos quais 12.584 permanentes e 17.477 temporários.

Mais uma vez, durante o período da troika (2011-2014), o nível de emigração na faixa etária até aos 29 anos de idade foi sempre mais elevado. Em 2012, por exemplo, registou-se um total de 56.962 emigrantes na referida faixa etária.

Em suma, não é verdade que “continuam a emigrar mais jovens do que no tempo da troika“.

__________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Fact checks mais recentes