"Há 100 anos a superfície de cereais em Portugal era de 900 mil hectares, passando para menos de 200 mil hectares em 2019. A área de cereais cultivada em Portugal no ano transato foi a menor desde o que a esquerda chama 'o tempo do fascismo'", destaca a publicação em causa.

No ano passado, continua o post, "foram cultivados no país 20 mil hectares de trigo mole, quando em 2014 este cereal ocupava mais do dobro de superfície (46 mil hectares). A área de cultivo do centeio e da aveia recuaram nos últimos cinco anos, de governo socialista com a extrema esquerda, passando, no caso do centeio, de 20 mil hectares em 2014 para 15 mil hectares em 2019, e no caso da aveia de 51 mil hectares em 2014 para 35 mil hectares no ano findo".

O Polígrafo começou por consultar o Boletim Mensal da Agricultura e Pescas, relativo ao mês de março de 2019, disponibilizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). No documento, as previsões agrícolas eram de que nos cereais de inverno, e apesar das condições climatéricas favoráveis, "a superfície instalada (109 mil hectares) deverá ser a menor dos últimos cem anos, essencialmente devido à diminuição da área de trigo e triticale (-10%) e de cevada (-5%)". Já o "desenvolvimento vegetativo é normal, prevendo-se a manutenção, face a 2018, da produtividade da aveia (1,5 toneladas por hectare)".

Ainda segundo este boletim, a "esmagadora maioria das sementeiras dos cereais de inverno concluiu-se no final de janeiro e decorreu sem incidentes". À data, o INE previa uma redução nas áreas instaladas de trigo e triticale (-10%) e de cevada (-5%). Este cenário de redução global da área dos cereais de inverno, continuava o Instituto, "posiciona esta campanha como a que regista a menor área dos últimos cem anos".

De acordo com o gráfico disponibilizado pelo INE, a superfície de cereais de outono/inverno em 1919 era superior a 900 mil hectares, ao passo que em 2019, segundo valores provisórios, esse número estaria abaixo dos 200 mil hectares.

ce

Mais recentemente, as previsões agrícolas a 30 de abril deste ano apontam para "diminuições generalizadas na produtividade dos cereais de inverno (-15% no trigo duro, triticale e aveia, -10% no trigo mole e cevada e -5% no centeio), apesar de alguma recuperação face ao mês anterior, consequência da precipitação de março e abril".

  • Alegação no Facebook: "Portugal produzia 59,9% do trigo consumido em 1990 mas apenas 6,3% em 2021"

    A comparação foi feita no Facebook e nota que "Portugal regista uma forte dependência externa em relação ao abastecimento de trigo", já que "há mais de uma década que o grau de autoaprovisionamento é inferior a 10%". A título de exemplo, em 2021, "apenas 6,3% da utilização interna de trigo era satisfeita pela produção nacional, o que compara com 59,9% em 1990". Dados estão corretos e foram disponibilizados pelo INE na última semana.

O gráfico do INE mostra ainda que o auge da produção cerealífera terá decorrido nas décadas de 1940 e 1950, com as políticas agrícolas salazaristas, anos em que a superfície plantada era de quase 1.600.000 hectares.

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network