O que se sabe sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) além de que vai ser aprovado? Que é um pouco diferente do apresentado na última legislatura, que deixou cair algumas medidas acertadas com os partidos à esquerda do PS e que o montante destinado à TAP Air Portugal vai manter-se no documento. A transferência, que já estava então inserida na proposta de OE2022 apresentada em outubro do ano passado, vai totalizar 990 milhões de euros.

No Facebook, a notícia não foi bem recebida:

"O Orçamento do Estado de 2022 confirma mais 990 milhões de euros para a TAP, do bolo de 3,2 mil milhões de euros. Equivale a cada português ter metido na TAP cerca de 320 euros. Entretanto o Governo considera normal a TAP ter obtido, em 2021, o prejuízo recorde de 1,6 mil milhões de euros. Equivale a cada português ter entrado para a TAP com mais 160 euros do seu bolso, só para o buraco gerado em 2021."

É verdade que, durante 2022, e "no âmbito do plano de reestruturação da TAP conforme aprovado pela Comissão Europeia, encontra-se previsto um apoio financeiro, por parte do Estado Português, de até 990 milhões de euros", refere a proposta de Orçamento do Estado para 2022, recentemente aprovada em Conselho de Ministros. Foi já no final de dezembro de 2021, depois de ter sido chumbada a primeira versão deste OE, que a Comissão Europeia aprovou o plano de reestruturação da TAP, abrindo a porta à injeção de 3,2 mil milhões de euros na companhia aérea portuguesa.

No relatório do OE2022, o Governo destaca que "o setor da aviação foi um dos mais afetados pelos impactos da pandemia causada pela doença Covid-19, tendo-se registado quebras na atividade das companhias aéreas ao nível internacional, que foram não só muito significativas, como também muito mais prolongadas do que as estimativas iniciais antecipavam".

Na TAP, os impactos foram "semelhantes aos verificados na generalidade das companhias, o que, dada a relevância da companhia na economia nacional, justificou, como em muitos países, a intervenção do Estado", sublinha-se no documento. "No caso de Portugal, em 2021, continuaram a observar-se efeitos muito negativos nas atividades turísticas e conexas, com especial destaque para a contração da procura dos respetivos serviços pelos não residentes, componente onde se insere a atividade da TAP, nomeadamente ao nível das viagens internacionais".

A TAP transportou, em 2021, cerca de 8,8 milhões de passageiros, um crescimento significativo face aos 4,7 milhões em 2020, "mas ainda bastante abaixo dos mais de 17 milhões de passageiros transportados em 2019". A TAP era ainda responsável por "1 a 1,2% do PIB nacional, contribuindo também para o equilíbrio da balança comercial nacional, com 2,6 mil milhões de euros em exportações, e evitando 700 milhões de euros em importações (valor das passagens adquiridas à TAP por residentes), o que representava cerca de 3% do total das exportações de bens e serviços nacionais".

As justificações não acabam por aqui e o Governo lembra que, além deste efeito direto, "a TAP contribui ainda para a economia nacional ao comprar anualmente mais de mil milhões de euros de bens e serviços a mais de 1.300 fornecedores nacionais, ligados à presença do hub da TAP em Portugal, dinamizando a atividade económica e o emprego".

___________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network