Tem sido uma das sensações do Twitter durante o dia de hoje: afinal, João Galamba, secretário de Estado da Energia, apagou ou não tweets do seu perfil pessoal naquela rede social desde que que assumiu funções governativas?

A discussão começou na caixa de comentários de “Tomahock”, nome de código de João Pina, um informático muito ativo naquela rede social e que recentemente se notabilizou por ter sido o criador da plataforma janaodaparaabastecer, onde eram atualizados em tempo real os postos que já não tinham combustível durante a recente greve dos motoristas de materiais perigosos. Em poucos dias, o site registou vários milhões de visitas.

Esta tarde, no âmbito de um diálogo em que se debatia a suposta má utilização, por parte dos governantes, das redes sociais, Tomahock escreveu:

João Galamba respondeu pouco depois...

... e Tomahock sentenciou:

galamba

O site que Tomahock menciona é o Politwoops. Criado pela Open State Foundation, trata-se de uma  plataforma cuja função é eternizaros tweets eliminados pelos políticos. Isto com um objetivo: reforçar a transparência de todos os que exercem cargos públicos. Além de tweets eliminados, o site regista também pormenores como o tempo entre a publicação de um tweet e a hora em que foi eliminado.

João galamba
A página do site em que são descritos os tweets alegadamente apagados por João Galamba

Se fizermos uma pesquisa pelo período em que Galamba entrou para o Governo – em Outubro de 2018 – é possível aceder a dezenas de tweets alegadamente apagados da conta do ex-deputado. Entre os textos dados como desaparecidos estão retweets, tweets próprios e respostas a tweets que Galamba publicava regularmente - entretanto, desde que assumiu funções como governante, o socialista diminuiu drasticamente a sua participação nas discussões ocorridas diariamente no Twitter.

João Pina
créditos: Isabel Silva/VOST Portugal

Entre os textos dados como desaparecidos pela plataforma estão retweets, tweets próprios e respostas a tweets que Galamba publicava regularmente.

Uma das entradas apagadas versava sobre o Polígrafo SIC. Escrito no dia da estreia do programa, a 1 de Abril, esteve em linha apenas um minuto – o suficiente para ser detectado pelo Politwoops. Depois disso, Galamba alterou o texto inicial e republicou-o – no Twitter e no Facebook - mas o registo do "delete" do tweet manteve-se na plataforma, apesar de ter sido republicado - ou seja, o algoritmo é cego.

galamba
No Poliwoops, um tweet de Galamba sobre o Polígrafo surge como tendo sido apagado. mas na verdade continua na sua timeline.

É, porém, importante referir que também segundo a plataforma em causa, João Galamba já tinha o hábito de apagar tweets antes de entrar no Governo: se recuarmos ainda mais na pesquisa, encontramos vários exemplos. Ou seja, não se pode concluir que só a partir do momento em que assumiu funções governativas é que Galamba começou a preocupar-se com a informação que consta do seu perfil.

O Polígrafo SIC fez um pedido de esclarecimento ao gabinete de João Galamba, mas até ao momento não recebeu qualquer resposta.

Nota: este artigo foi atualizado às 20h11 do dia 3 de Junho, com a inclusão de novas informações sobre o mecanismo de funcionamento da plataforma Politwoops. A avaliação final não sofreu alterações.

Avaliação do Polígrafo:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro, mas...