"Fiquei curioso e fui procurar: 36% da população", comenta-se no post de 23 de abril no Facebook. Exibe o que parece ser uma tabela com o número total de pensionistas em Portugal: 3.618.375, divididos entre os regimes da Segurança Social (total de 2.969.728 pensionistas) e a Caixa Geral de Aposentações (total de 648.647 pensionistas). Até ao ano de 2020.

Ou seja, cerca de 36% do total da população portuguesa que, de acordo com os Censos de 2021, ascende a 10.344.802 indivíduos. Mais precisamente, calculando a percentagem a partir do número exato: 34,9%.

A tabela em causa foi replicada a partir da Pordata que, neste âmbito do número total de pensões que são pagas pela Segurança Social e pela Caixa Geral de Aposentações (CGA), agrega dados estatísticos do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS), da CGA e do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

É verdadeira, mas no post oculta-se o facto de abranger todos os tipos de pensões: velhice, aposentação, reforma, invalidez ou sobrevivência.

Em 2020, último ano com dados disponíveis na Pordata, registou-se um total de 3.618.375 pensionistas, repartindo-se entre 2.969.728 nos regimes da Segurança Social e 648.647 na Caixa Geral de Aposentações.

De acordo com os dados mais recentes, esse número não sofreu grandes alterações em 2021 e já no início de 2022. Na Síntese Estatística de Março de 2022 da Segurança Social (pode consultar aqui) informa-se que "o número de pensões de velhice processadas, em março de 2022, no âmbito dos vários regimes de Segurança Social (Regime Geral, Regime Não Contributivo e RESSAA) situou-se em 2.066.198 pensões. A evolução face ao registado no mês anterior, revela uma redução de 978 pensões processadas. Face ao período homólogo, verificou-se um aumento de 7.143 pensões de velhice".

No que respeita às pensões de sobreviência, também nos regimes da Segurança Social, "foram processadas 732.305" em março de 2022. "Na variação mensal, verificou-se um aumento de 785 pensões (+0,1%). Em relação ao período homólogo, foram processadas mais 16.970 pensões, o que se traduziu num aumento de 2,4%. As pensões de sobrevivência continuam a ser predominantemente atribuídas a mulheres (595.156 beneficiárias), o que equivale a 81,3% do total de pensões desta eventualidade".

"O número de pensões de invalidez dos vários regimes de Segurança Social, em março de 2022, manteve a tendência de redução que tem vindo a registar no último ano. Neste último mês foram processadas 175.022 pensões de invalidez, verificando-se uma redução de 575 pensões processadas (-0,3%), face ao mês anterior e relativamente a março de 2021, registaram-se menos 4.415 pensões (-2,5%)".

Confirma-se assim que cerca de "36% da população" portuguesa (mais precisamente 34,9%) recebe pensões da Segurança Social e da CGA, mas não apenas de reforma. Estes números englobam também as pensões de sobrevivência e de invalidez.

________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro, mas...
International Fact-Checking Network