É uma publicação rudimentar mas que tem acumulado milhares de partilhas. Na respetiva mensagem traça-se uma comparação entre os custos para o erário público dos salários dos deputados e dos enfermeiros. A diferença é significativa: os deputados custam 105 milhões de euros, ao passo que os enfermeiros custam apenas 17 milhões de euros por ano.

Ora, estes números evocados estão corretos? Os salários dos deputados à Assembleia da República custam seis vezes mais ao Estado do que os salários dos enfermeiros?

De facto, os cerca de 42 mil enfermeiros integrados no Serviço Nacional de Saúde não custam 17 milhões de euros por ano ao Estado Português em salários. Consultando a tabela remuneratória única da Direcção Geral da Administração e do Emprego Público, verificamos que custam cerca de 700 milhões de euros brutos por ano.

A grande maioria dos enfermeiros encontra-se no nível 15 da referida tabela, a que corresponde uma remuneração mensal bruta de 1201,42 euros. Se multiplicarmos este valor por 14 meses e 42.000 enfermeiros chegamos à quantia final de cerca de 700 milhões de euros por ano. Os 17 milhões por ano evocados na publicação derivam de uma declaração recente da ministra da Saúde, Marta Temido, sobre o valor anual que o Estado está disponível para investir num suplemento remuneratório para os enfermeiros especialistas.

Por outro lado, também o valor respeitante ao custo que os deputados representam em salários não está correto, embora a diferença seja muito menos significativa. A Assembleia da República representa um custo de 111,3 milhões de euros, como se pode constatar através da seguinte tabela constante do Orçamento do Estado para 2019:

orçamento

Importa salientar que este valor cobre todas as despesas de funcionamento da Assembleia da República, não apenas as remunerações dos deputados.

Concluindo, os salários dos deputados não custam seis vezes mais ao Estado do que os salários dos enfermeiros. Pelo contrário, os salários dos enfermeiros custam sete vezes mais do que os salários dos deputados. Não por causa do nível remuneratório, mas porque há cerca de 42 mil enfermeiros no SNS e apenas 230 deputados na Assembleia da República.

***

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network