"Este é o vencimento de um militar da Marinha. É o vencimento de a quem foi pedido para jurar defender a Pátria, se preciso com o sacrifício da própria vida. É o vencimento de quem tem três anos de Marinha. É o vencimento de quem já subiu dois postos desde que entrou. É o vencimento de quem faz serviços de 24 horas de três em três dias, ou mesmo de dois em dois. É o vencimento de quem por muitas vezes faz bem mais de 80 horas semanais", sublinha-se numa publicação de 13 de novembro no Facebook.

Apresenta a imagem de um recibo de vencimento (referente a um militar da Marinha no posto de "segundo-marinheiro") com a indicação do valor "total líquido a receber" de 697,91 euros por mês, a partir de uma remuneração base (valor bruto) de 757,01 euros e um "suplemento de condição militar" de 183,24 euros. Verdadeiro ou falso?

Consultando a tabela salarial apresentada na página de "Recrutamento Militar", que tem por base o Decreto-Lei n.º 296/2009, confirma-se que um militar da Marinha no posto de "segundo-marinheiro" aufere 940,25 euros na primeira posição remuneratória. Neste valor inclui-se a remuneração base (757,01 euros) e o suplemento de condição militar (183,24 euros), tal como está disposto no recibo de vencimento partilhado nas redes sociais.

No que respeita ao "total líquido a receber", depende de vários fatores como o estado civil, o número de dependentes a cargo ou ainda o local de obtenção de rendimentos.

De qualquer forma, o Polígrafo contactou a Marinha Portuguesa que confirmou que se trata de "um boletim de vencimento autêntico".

  • "Marinha mais antiga do mundo tem 705 anos e é portuguesa", destaca-se nas redes sociais

    Há quem diga que já conta 900 anos, outros apontam para 700 e pico, mas a verdade é que nem esse intervalo retira à Marinha Portuguesa o título de "mais antiga do Mundo". Publicação de 30 de agosto, no Facebook, conta até a história deste setor das Forças Armadas (FFAA), que terá começado "com a constituição do Condado Portucalense e a posterior independência do Reino de Portugal", inícios do século XII. O Polígrafo confere.

E explicou o processo para se chegar ao valor de 697,91 euros. Este militar ocupa "o posto de segundo-marinheiro, na posição remuneratória 1, nível 6". Os pressupostos para se chegar ao valor assinalado a vermelho na imagem são o local de obtenção de rendimentos que é Portugal Continental, além do estado civil e número de dependentes: segundo a Martinha Portuguesa, os dados fiscais indicam que este é "não casado" e não tem dependentes a cargo.

Tendo em conta que se trata de um militar solteiro sem filhos ou dependentes, a taxa de retenção é de 11,3% em sede de IRS e ainda está sujeito a uma Taxa Social Única (TSU) de 11%.

A descontar está também o regime de assistência na doença aos militares das Forças Armadas, no valor mensal de 32,91 euros. Feitas as contas, dá cerca de 697 euros, tal como indicado no recibo de vencimento.

____________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro, mas...
International Fact-Checking Network