"A coerção não funcionou na Roménia. O governo deles fechou todos os centros de vacinas porque 70% dos cidadãos se recusaram a obtê-la. Incrível! Com os Certificados Covid-19 se tornando uma norma na maioria dos países, as autoridades romenas registaram vários casos de cidadãos que adquiriram certificados de vacinação falsos", escreve-se numa publicação de 22 de setembro. O texto é acompanhado por uma imagem de um protesto com milhares de pessoas e onde se vê mesmo a bandeira da Roménia entre a multidão.

"O que é possível quando um povo se une por uma causa?”, questiona outro post. "Roménia fecha 117 centros de vacinação por desinteresse público, interrompe compra de vacinas, vende e doa milhões de doses a outros países", é a garantia deixada pelo autor da publicação.

Confirma-se a alegação?

A notícia original, que foi traduzida e reproduzida por algumas das publicações, é do jornal indiano "The Times of India", de 7 de julho de 2021. "A diminuição da procura por vacinas contra a Covid-19 na Roménia levou as autoridades a fechar 117 centros de vacinação e reduzir a rede para 371, disseram profissionais de saúde", lê-se na notícia.

A equipa de verificação de factos da Agence France-Presse (AFP) contactou uma fonte da Coordenação Nacional de Atividades de Vacinação Contra a Covid-19 (CNCAV) da Roménia que explicou que "os centros não foram fechados permanentemente". Na realidade, explica a fonte, "a atividade foi temporariamente interrompida e será retomada com o aumento da adesão à vacinação para conter a disseminação da Covid-19".

"A atividade foi temporariamente interrompida e será retomada com o aumento da adesão à vacinação para conter a disseminação da Covid-19".

Além disso, "todos os centros de vacinação nos hospitais permanecem ativos" e os cidadãos podem ser inoculados em consultas com os médicos de família em hospitais e em centros privados. De acordo com a CNCAV, a Roménia tinha 581 centros de vacinação e 837 escritórios de imunização ativos em todo o país no dia em que a notícia foi publicada (7 de julho).

"A decisão de suspender a imunização em alguns pontos foi tomada pelos diretores de saúde pública depois de calcular a eficiência em cada centro", revela a mesma fonte. Apesar dos encerramentos, as autoridades de saúde romenas criaram um projeto chamado "A cidade vacina o povo", no qual equipas móveis vão para áreas rurais vacinar todos aqueles que quiserem ficar imunizados.

"Todos os centros de vacinação nos hospitais permanecem ativos" e os cidadãos podem ser inoculados em consultas com os médicos de família em hospitais e em centros privados.

De acordo com os dados da União Europeia, a Roménia é um dos países com menor taxa de vacinação. Apenas 34,5% da população recebeu, pelo menos, uma dose da vacina e 33,5% está completamente vacinada. O único país com piores números é a Bulgária.

Quanto à imagem partilhada na primeira publicação em análise, foi retirada de um vídeo que não é atual. A multidão esteve no escuro com pequenas luzes, mas em fevereiro de 2017, durante um protesto por causa de uma lei que despenaliza alguns delitos de corrupção. Essa manifestação teve lugar na praça Victoriei de Bucareste, na capital romena.

Em suma, é falso que haja um plano para fechar todos os centros de vacinação na Roménia. Ainda assim, o país tem baixas taxas de vacinação e há centros de vacinação a fechar por falta de procura.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network