A nomeação de Rita Rato para dirigir o Museu do Aljube Resistência e Liberdade gerou uma onda de críticas de historiadores e da Associação Portuguesa de Museologia (APOM), que afirmam não entender a escolha da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC). Em causa, acusam, o facto de a antiga deputada do PCP não ter experiência profissional e formação académica que preencham os requisitos definidos pela própria entidade.

No comunicado emitido pela entidade promotora do concurso público, foi explicado que a antiga deputada do PCP “se destacou pelo projeto apresentado e pelo desempenho nas entrevistas realizadas com o júri”. Argumentos que o presidente da Associação Nacional de Museologia considera não serem suficientes para justificar a opção. "Fiquei estupefacto", assume João Neto em declarações ao Polígrafo relativamente ao concurso público criado para substituir Luís Farinha, que se reformou. "Há uma incoerência entre o que é pretendido e definido e a candidata escolhida", sublinha ainda, reforçando que se a entidade organizadora do concurso público considerava que nenhum dos candidatos cumpria o perfil e os parâmetros de avaliação exigidos, "devia ter mudado os critérios".

Opinião idêntica tem a historiadora Irene Pimentel, que já deixara expressa a sua opinião nas redes sociais. "Pergunto: o que é isto? Que escolha é esta? Alguém que não é nem historiadora, nem museóloga, mas apenas militante de um partido, do qual foi deputada e que, ao ser questionada, sobre o Gulag estalinista e as prisões políticas na China, responde que não sabe de nada", escreveu na sua conta pessoal. Ao Polígrafo, reforça as críticas, explicando que nada a move "contra Rita Rato", mas que esta "não tem nada a ver com o perfil" exigido pela EGEAC.

Irene Pimentel
créditos: Facebook

A historiadora assumiu também que a "incomoda" o facto de Rita Rato ter dito numa entrevista que não podia falar sobre os gulags (campos de trabalhos forçados soviéticos) por desconhecimento - "Não sou capaz de lhe responder porque, em concreto, nunca estudei nem li nada sobre isso", disse ao Correio da Manhã - ou que não dava uma opinião sobre a questão dos presos políticos na China por não conhecer a realidade de forma a que pudesse "afirmar alguma coisa". "Quem vai dirigir um museu do estilo do Aljube não o pode fazer", defendeu, explicando que a pluralidade política deve ser sempre uma das imagens de marca do projecto.

"A razão porque intervim publicamente é porque acho isto muito mau", acrescenta Irene Pimentel, para quem "não existe transparência no processo". Uma opinião que atravessou as redes sociais de uma forma generalizada, onde conhecidos e menos conhecidos não se coibiram de expressar a sua surpresa.

rita

Mas é verdade que o currículo de Rita Rato não corresponde totalmente às exigências do perfil exigido pela IGEAC para o desempenho do cargo?

Para responder a esta questão, é importante conhecer as exigências em causa, que podem ser consultadas aqui. São elas:

  • Formação superior adequada à função (preferencialmente na área de história política e cultural contemporânea);
  • Experiência em funções similares (preferencialmente na área dos museus);
  • Experiência em programação e produção de exposições;
  • Experiência em gestão de pessoal e equipas;
  • Domínio da língua portuguesa falada e escrita;
  • Proficiência em inglês e francês;
  • Domínio das ferramentas do Microsoft Office;
  • Elevadas competências de relacionamento interpessoal;
  • Elevado sentido de responsabilidade e de confidencialidade.

A biografia de Rita Rato no site do Parlamento indica apenas que a comunista possui uma licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais, tirada na Universidade Nova de Lisboa. Deputada entre 2009 e 2019, foi coordenadora da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, entre 2011 e 2015.

Conclui-se, portanto, que as habilitações académicas/profissionais de Rita Rato não preenchem os três primeiros critérios constantes do perfil exigido pela IGEAC, uma vez que não possui formação superior na área da história política e cultural contemporânea, nunca desempenhou funções similares nem há registo de que tenha  experiência em programação cultural ou em produção de exposições.

O Polígrafo tentou falar com a militante comunista mas foi informado pela assessoria de imprensa do PCP de que esta se encontra de férias e, como tal, "incontactável".

Rita rato

O Museu do Aljube, inaugurado em abril de 2015, na antiga prisão da PIDE, é um dos equipamentos culturais do município de Lisboa, sob a alçada da EGEAC, e é dedicado à “memória do combate à ditadura e à resistência em prol da liberdade e da democracia”.

Desde a instalação, o museu vindo a desenvolver projetos como a recolha de testemunhos de combatentes pela liberdade e de histórias de vida de muitos resistentes, para consulta pública e para memória futura dos crimes cometidos pela ditadura e os agentes que a sustentaram.

Avaliação do Polígrafo:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network