Em causa está a imagem de uma suposta notícia da agência Reuters (ou mais exatamente, do destaque de uma notícia no Twitter) que está a ser difundida viralmente nas redes sociais, desde o dia 27 de setembro, realçando que o Governo da Alemanha considera que os recentes ataques aos gasodutos Nord Stream (entre a Rússia e a Alemanha, através do Mar Báltico) acionam o Artigo 5.º da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), "mas é complicado porque foram perpetrados pelos Estados Unidos da América (EUA)".

Desde logo, em que consiste o evocado Artigo 5.º da NATO? Estabelecido no Tratado do Atlântico Norte (1949), determina que "as Partes concordam em que um ataque armado contra uma ou várias delas na Europa ou na América do Norte será considerado um ataque a todas, e, consequentemente, concordam em que, se um tal ataque armado se verificar, cada uma, no exercício do direito de legítima defesa, individual ou coletiva, reconhecido pelo artigo 51.° da Carta das Nações Unidas, prestará assistência à Parte ou Partes assim atacadas, praticando sem demora, individualmente e de acordo com as restantes Partes, a ação que considerar necessária, inclusive o emprego da força armada, para restaurar e garantir a segurança na região do Atlântico Norte".

Mais, "qualquer ataque armado desta natureza e todas as providências tomadas em consequência desse ataque são imediatamente comunicados ao Conselho de Segurança. Essas providências terminarão logo que o Conselho de Segurança tiver tomado as medidas necessárias para restaurar e manter a paz e a segurança internacionais".

Recorde-se que Portugal foi um dos 12 Estados-membros fundadores da Aliança Atlântica (ou NATO) em 1949, a par de Bélgica, Canadá, Dinamarca, EUA, França, Países Baixos (antiga Holanda), Islândia, Itália, Luxemburgo, Noruega e Reino Unido.

Quanto à suposta notícia da Reuters, não encontramos registo da mesma na página da agência de notícias, nem na rede social Twitter. Tal como não encontramos qualquer informação fidedigna que aponte no sentido de que o Governo da Alemanha considere ou suspeite de que as recentes explosões nos gasodutos Nord Stream foram causadas pelos EUA.

Na realidade, o tweet da imagem tem origem numa página satírica que, ao ostentar o logotipo oficial da Reuters, acaba por reproduzir desinformação.

Não está aqui em causa a sátira, mas sim a partilha do conteúdo satírico como se fosse verdadeiro e sem qualquer indicação de que se trata de sátira, mostrando apenas o logotipo da Reuters e assim enganando milhares de pessoas que estão a partilhar esta imagem como se fosse de uma notícia real.

Explosões submarinas de alta potência danificaram os gasodutos Nord Stream na semana passada, provocando fuga de metano. No dia 30 de setembro, reportou a Agência Lusa, os EUA e a Rússia acusaram-se mutuamente pela tentativa de sabotar os gasodutos.

Os confrontos verbais entre os dois países prolongaram-se durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, em Nova Iorque, nesse mesmo dia, que fora convocada pela Rússia para discutir os problemas nos gasodutos. Na mesma altura, Suécia e Dinamarca divulgaram um relatório provando que as fugas tinham sido provocadas por fortes explosões submarinas, no Mar Báltico.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, apontou o dedo ao Ocidente, denunciando a tentativa de "destruir a infraestrutura energética" que alimenta a Europa central. Em Washington, a Casa Branca rejeitou as alegações de Putin, lançando suspeitas sobre as intenções russas de "disseminar desinformação e mentiras".

"Não vamos deixar que a desinformação da Rússia nos distraia da sua tentativa claramente fraudulenta de anexar território ucraniano", disse a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca.

_____________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Pimenta na Língua
International Fact-Checking Network