O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Recebeu este “e-mail” da Autoridade Tributária para regularizar “dívida fiscal”? Não “clique”, é uma fraude

Sociedade
O que está em causa?
Ao longo dos últimos dias, muitos contribuintes têm exposto nas redes sociais imagens de uma mensagem de "e-mail" remetido em nome da Autoridade Tributária com indicações para regularizar uma suposta "dívida fiscal" resultante de "pendências e/ou incoerências nas suas declarações" de IRS. É um esquema de "phishing" e não deve "clicar" na hiperligação, nem responder.

O e-mail é remetido em nome da “Autoridade Tributária e Aduaneira”, mas se prestarmos atenção ao respetivo endereço – coordenacao@colegioaaz.com.br – verifica-se que o mesmo não tem qualquer relação com a verdadeira Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), nem sequer tem origem em Portugal.

“Esta é uma notificação enviada ao serviço da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) que disponibiliza a consulta do valor da dívida fiscal“, começa por se referir na mensagem.

Seguidamente notifica-se que “foram identificadas pendências e/ou incoerências nas suas declarações de dívida fiscal. Os processos de execução fiscal consideram-se como ativos quando não se encontrem legalmente suspensos. Permite a emissão de guias de pagamento total ou parcial”.

No final indica-se uma hiperligação para proceder ao pagamento da dívida, ou obter “todas as informações necessárias para a solução da sua dívida fiscal”. Mas essa hiperligação não remete para o site da AT. Parece consistir na transferência de um ficheiro, presumivelmente malicioso.

A verdadeira AT, aliás, emitiu hoje um alerta de segurança sobre este e outros modelos de e-mails que consistem em mensagens fraudulentas.

“Estas mensagens são falsas e devem ser ignoradas. O seu objetivo é convencer o destinatário a aceder a páginas maliciosas carregando nos links sugeridos. Em caso algum deverá efetuar essa operação”, avisa a AT.

E, neste âmbito, recomenda a leitura do folheto informativo sobre “segurança da informação” disponível no Portal das Finanças.

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque