"Meus caros amigos, caso curioso... Quem tomar a vacina da Covid-19 deixa de servir como dador de sangue. Recusado duas vezes no Hospital Amadora-Sintra. Existem vários casos de recusa", lê-se no post que está a ser partilhado no Facebook, sobretudo em grupos ligados a movimentos anti-vacinas e negacionistas da pandemia de Covid-19.

No final, questiona-se: "Então o que tem de benéfico a toma da vacina?"

Esta mensagem tem algum fundamento?

Contactado pelo Polígrafo, o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) esclarece que "os dadores que foram vacinados para a Covid-19 não estão impedidos de dar sangue. Os dadores serão aceites de imediato, sem nenhum período de suspensão, se assintomáticos. Se desenvolverem  sintomas, serão suspensos até sete dias após resolução de sintomatologia".

A orientação está inscrita na Circular Normativa do IPST de 6 de janeiro de 2021, no âmbito do "Plano de Contingência para a sustentabilidade, qualidade e segurança no fornecimento de sangue e componentes sanguíneos durante a pandemia de Covid-19".

"Os potenciais dadores vacinados com vírus inativados ou vacinas que não contêm agentes vivos (ou seja, mRNA e vacinas de subunidade de proteína) podem ser aceites como dadores de sangue caso se sintam bem e estejam assintomáticos", estabelece-se no documento.

Segundo o IPST, "não há diferenças de critério de elegibilidade de dadores para as vacinas que estão a ser administradas em Portugal".

Questionado sobre se tem conhecimento de alguma situação de recusa indevida de doação de sangue relacionada com a vacinação contra a Covid-19, o IPST indica que "não recebeu até ao momento presente nenhuma informação nesse sentido".

Também contactado pelo Polígrafo, o Hospital Professor Dr. Fernando Fonseca (HFF), que serve os concelhos de Amadora e Sintra, garante que "o Serviço de Sangue e Medicina Transfusional do HFF não tem qualquer conhecimento, ou reclamação quanto à não elegibilidade de uma doação de sangue por motivo de vacinação contra a Covid-19".

"O Serviço de Sangue e Medicina Transfusional do HFF atua em estrito e rigoroso cumprimento das normas do IPST, no que se refere à triagem clínica dos dadores de sangue. Nenhum cidadão deixa de ser elegível como dador de sangue por lhe ter sido administrada uma das vacinas contra a Covid-19", assegura.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network