A CDU de Almada publicou na sua página no Facebook uma banda desenhada sobre o IMI e a forma como o PS se posicionou relativamente ao valor a estabelecer para esse imposto (cuja competência e proveito das receitas pertence às autarquias, dentro de um intervalo de valores determinado pelo Governo).

IMI Almada

O título da prancha é “Pelo quarto ano, PS recusa baixar o IMI em Almada” e nas vinhetas pode ler-se o diálogo entre os amigos Fagundes e Antunes. O primeiro estranha comenta que de 2013 para 2017 o seu IMI baixou de 100 para 90 euros e que desde então até agora se mantinha nesse valor. O segundo confirma-lhe os números, dizendo que “a CDU todos os anos baixava o IMI” e que “o PS mantém o mesmo valor”. É aí que Antunes recorda que “eles [PS] tinham prometido que iam baixar” e, em resposta, Fagundes reforça: “Prometeram isso e muito mais! E para 2021 já decidiram não vão mexer outra vez no IMI...”

De facto, o PS, enquanto oposição ao executivo CDU, no mandato 2013-17, defendeu repetidamente a diminuição do IMI.

O Polígrafo consultou as atas das assembleias municipais nas quais foram fixados os valores de IMI dos anos 2014 a 2017, e em quase todas elas o PS defendeu uma descida maior do que aquela que era proposta pela CDU:

2014:

IMI Almada 2014

Taxa vigente até à data: 0,40 %

Proposta CDU (executivo): 0,39 %

Proposta PS: 0,36 %

2015:

IMI Almada 2015

Taxa vigente até à data: 0,39 %

Proposta CDU (executivo): 0,38 %

Proposta PS: 0,36 %

2016:

IMI 2016

Taxa vigente até à data: 0,38 %

Proposta CDU (executivo): 0,37 %

Proposta PS: 0,36 %

2017:

Taxa vigente até à data: 0,37 %

Proposta CDU (executivo): 0,36 %

Proposta PS: 0,36 %

No seu programa eleitoral (2017), o PS não faz qualquer referência à descida universal do IMI, comprometendo-se apenas a reduzir este imposto quando o mesmo fosse aplicado a famílias numerosas (“IMI Familiar”), o que veio a concretizar em 2018.

Mas sobre o IMI universal, como sugere a banda desenhada da CDU, pode afirmar-se que o PS enquanto oposição defendeu sempre a sua descida (em qualquer dos quatro anos em que a questão foi votada) e no poder (desde 2017/18) nunca baixou o respetivo valor percentual.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Verdadeiro, mas...
International Fact-Checking Network