O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Principais beneficiários do PRR são entidades públicas como o Banco de Fomento e a Secretaria-Geral de Educação e Ciência?

Sociedade
O que está em causa?
De acordo com uma tabela que está a ser partilhada no Facebook, a primeira empresa privada no "ranking" dos principais beneficiários do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) surge apenas na 46.ª posição, com um valor pago de cerca de 13 milhões de euros.
© Agência Lusa / Carlos M. Almeida

“A bazuca do PRR [Plano de Recuperação e Resiliência] só serve para alimentar o monstro insaciável dos gastos do Estado socialista. E a primeira empresa privada a receber dinheiro pertence ao universo da fantasia verde do hidrogénio”, destaca-se num post de 22 de maio no Facebook, exibindo uma tabela com dados sobre os “principais beneficiários do PRR” em “valor pago” que “são entidades públicas”.

O autor da publicação lamenta depois que “andam os contribuintes europeus a sustentar esta parasitagem, pensando que nos estão a ajudar”.

Mas colocamos o enfoque nos dados da tabela que motivaram pedidos de verificação de factos.

Foram recolhidos a partir do “Relatório de Monitorização do PRR” atualizado até ao dia 29 de abril de 2024. Na data de consulta pelo Polígrafo, a 23 de maio, os valores permanecem quase iguais.

De facto, a lista dos principais beneficiários é dominada por entidades públicas. No topo destacam-se o Banco Português de Fomento (250 milhões de euros em valor pago), a Secretaria-Geral de Educação e Ciência (cerca de 232 milhões de euros), a Infraestruturas de Portugal (119 milhões de euros), a Metropolitano de Lisboa (cerca de 75 milhões de euros) a Metro do Porto (cerca de 72 milhões de euros) e o Município de Lisboa (cerca de 63 milhões de euros).

Confirma-se também que a primeira empresa privada surge apenas na 48.ª posição (no final de abril estava na 46.ª posição), mais especificamente a Bondalti H2, com cerca de 13 milhões de euros em valor pago.

É uma empresa que opera no setor dos gases industriais e está a investir em projetos de hidrogénio verde.

____________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque