"É apenas coincidência que o presidente da maior agência de notícias do mundo, a Reuters, também é CEO da Pfizer, uma das maiores produtoras de vacinas. Será que é apenas coincidência? Quando foi que você deixou de pensar? Na verdade você nunca pensou, por isso é facilmente manipulado pelos media que fazem terrorismo da doença, que por sua vez é parte de quem produz vacinas", escreve o autor de uma publicação no Facebook, partilhada a 12 de dezembro.

Aliás, uma breve pesquisa pelo nome James C. Smith nas redes sociais permite encontrar dezenas de publicações que referem que é simultaneamente presidente da agência noticiosa Reuters e membro do conselho de administração da Pfizer. Os internautas que difundem esta informação garantem, por isso, que as notícias da agência sobre a vacinação contra a Covid-19 não devem ser consideradas credíveis.

Mas será a informação verdadeira?

Não. James C. Smith, conhecido como Jim Smith, é, de facto, um dos membros do conselho de administração da Pfizer, mas não desempenha nem desempenhou funções como presidente da agência noticiosa Reuters.

Smith ocupa atualmente o cargo de presidente do conselho de administração da Thomson Reuters Foundation, uma associação de solidariedade independente da agência noticiosa, que trabalha temas como a liberdade de imprensa, o fomento de economias mais inclusivas e a promoção dos direitos humanos.

Contactado pelo Polígrafo, o gabinete de comunicação da Thomson Reuters Foundation garante que esta “é uma instituição de caridade independente registada no Reino Unido e nos Estados Unidos e é uma entidade legal separada da Thomson Reuters e da Reuters”. Por isso, assegura, “os programas da Thomson Reuters Foundation são totalmente independentes do editorial da Reuters”.

A mesma fonte garante que “não há absolutamente nenhum conflito de interesse em Jim Smith presidir o Conselho da Fundação” e sublinha que “a Fundação segue os Princípios do Thomson Reuters Trust de integridade, independência e liberdade em todo o seu trabalho”. Antes de James C. Smith assumir este cargo na fundação, o empresário já tinha sido CEO (diretor-executivo) da Thomson Reuters, mas não da agência noticiosa que a empresa detém.

O Polígrafo contactou o gabinete de comunicação da Thomson Reuters que garantiu ainda que “antes do final de seu mandato na Thomson Reuters, a posição mais recente de Jim Smith foi a de CEO da Thomson Reuters, e não de chefe da agência de notícias Reuters”.

Recorde-se que James C. Smith saiu da administração da Thomson Reuters em fevereiro de 2020, ainda antes de ser declarada a pandemia da Covid-19, tendo sido substituído no cargo por Steve Hasker.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network