"Portugal na liderança da luz mais cara e na cauda dos países em que o povo ganha menos. Estamos no bom caminho", ironiza-se em publicação de 4 de dezembro, divulgada no Facebook. A imagem, que não é nova, corresponde a uma tabela dos preços da eletricidade nos países europeus ("El precio de la luz en Europa", indica-se no título, em língua castelhana).

O Polígrafo já tinha verificado esta informação em setembro deste ano, voltando agora a conferir de acordo com os dados atualizados.

Na imagem acima representada surgem, ao lado dos preços da eletricidade, ordenados, os salários correspondentes ao grupo de países em destaque: Portugal e Espanha estão em posições pouco favoráveis. Por exemplo, no que respeita à eletricidade, estão ambos no topo, com o valor mais elevado de 106 euros por megawatt-hora (mWh). Do outro lado, com foco nos salários, os países ocupam as duas últimas posições, com os salários supostamente mais baixos da Europa: Portugal tem o salário médio mais baixo, 997 euros por mês, ao passo que a Espanha também está no fundo da tabela com 1.658 euros por mês, ainda assim mais do dobro em comparação com o país vizinho.

Na imagem indica-se como fonte o portal EnergyLive, uma base de dados dos mercados europeus de eletricidade. Consultando os dados mais recentes nesse portal, contudo, verifica-se que a tabela da publicação está desatualizada. Os preços médios da eletricidade em Portugal e Espanha, referentes ao dia 6 de dezembro de 2022, cifram-se em 153,44 euros por mWh, um valor naturalmente superior ao indicado na publicação (106 euros por mWh) devido à crise energética vivida na Europa (e que se revela mais baixo do que o registado em setembro deste ano).

Ainda que substancialmente mais altos do que em 2018, os preços da eletricidade em Portugal e Espanha não são, de todo, os mais caros da Europa. Países como Suíça (407 euros por mWh), Bélgica (403,65 euros por mWh), Eslovénia (402,23 euros por kWh), Grécia (400,86 euros por mWh), Áustria (400 euros por mWh), Hungria (398,41 euros por mWh) e Sérvia (397,57 euros por mWh) figuram entre os Estados onde a eletricidade é mais cara neste momento.

No que concerne a Portugal e Espanha, os dados do portal EnergyLive são recolhidos a partir da página da OMIE (pode consultar aqui), o operador de mercado elétrico designado para a gestão do mercado diário e intradiário de eletricidade na Península Ibérica. Confirma-se que o valor referente ao dia 6 de dezembro de 2022 está correto: 153,44 euros por mWh, tanto em Portugal como em Espanha.

Por outro lado, na página do Eurostat, gabinete de estatística da União Europeia, encontramos dados de mais países europeus relativamente aos preços médios da eletricidade (com taxas e impostos) para os consumidores domésticos na primeira metade de 2022 (pode consultar aqui).

O preço registado em Portugal (0,2067 euros por kWh) é o 15.º mais elevado, enquanto o de Espanha é o 5.º mais elevado (0,3071 euros por kWh). Os dados publicados no último boletim da ERSE indicam que no primeiro semestre de 2022 Portugal "registou os preços de eletricidade mais baixos, tanto para o segmento doméstico como para o segmento não-doméstico, em comparação com Espanha, a média da União Europeia e a média da Área do Euro".

"Espanha apresenta preços de eletricidade 38% e 48% superiores aos preços de Portugal, para os segmentos doméstico e não-doméstico, respetivamente", destaca o documento, que nota ainda que "no primeiro semestre de 2022 os preços de eletricidade para o segmento doméstico registaram os valores mais baixos nos países do leste da Europa e nos Países Baixos".

Quanto aos salários médios, e de acordo com o INE, a remuneração bruta total mensal média por trabalhador (por posto de trabalho) "aumentou 4,0% no trimestre terminado em setembro de 2022 (3.º trimestre do ano), em relação ao mesmo período de 2021, para 1.353 euros. A componente regular e a componente base daquela remuneração aumentaram 3,8% e 3,7%, situando-se em 1.145 euros e 1.076 euros, respetivamente".

____________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network