"50 anos depois de abril, somos o 3.º país da Europa com mais casos de diabetes", realça-se num post de 14 de novembro (precisamente o Dia Mundial da Diabetes) no Facebook, enviado ao Polígrafo com pedido de verificação de factos.

Esta alegação tem fundamento?

De acordo com a última edição do relatório "Health at a Glance" da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), referente ao ano de 2022, de facto, os três países com a maior taxa de prevalência de diabetes entre adultos a partir dos 15 anos de idade são a Croácia, Turquia e Portugal.

Em termos percentuais, a Croácia lidera com uma taxa de 12,1%, seguindo-se a Turquia com 10,2% e Portugal com 10%. A média dos países da União Europeia fixou-se em 7,4%.

O relatório indica como fonte o Eurostat, serviço de estatística da União Europeia, com base num inquérito. Embora se confirme que Portugal é um dos três países com maior taxa de prevalência de diabetes nos adultos, importa ressalvar que os dados utilizados remontam a 2019. Além de que a taxa de prevalência (em percentagem) não corresponde a "mais casos" (em termos nominais).

Por sua vez, num relatório do Observatório Nacional da Diabetes, que se baseia em dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde referentes ao anos de 2019, 2020 e 2021, citado pela Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP), informa-se que "o impacto da doença aumentou 20% em sete anos" e, atualmente, Portugal "integra o top 3 da Europa em termos de prevalência, a par com a Espanha e a Alemanha".

De acordo com esse relatório, a "prevalência estimada da diabetes na população portuguesa com idades compreendidas entre os 20 e os 79 anos (7,8 milhões de indivíduos) foi de 14,1%, isto é, cerca de 1,1 milhões de portugueses neste grupo etário".

João Raposo, diretor clínico da APDP e diretor do Observatório Nacional da Diabetes, em declarações ao jornal "Diário de Notícias", alertou que o relatório revela que é preciso ter a diabetes em atenção, porque "o número de pessoas com a doença está claramente a aumentar".

________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.