"Cuidado portugueses. Portagens Automáticas Ascendi estão programadas para roubar, assumindo classe 2 em veículos de classe 1", destaca-se numa publicação, de 27 de dezembro de 2021.

No post, partilhado mais de 200 vezes nos últimos dias, não são apresentadas quaisquer provas relativas à alegada classificação errónea por parte da operadora de infra-estruturas de transporte. O Polígrafo encontrou o mesmo texto em várias publicações partilhadas desde dezembro.

Confirma-se?

Contactado pelo Polígrafo, Daniel Carvalho, o autor da mensagem, refere que o erro de classificação relatado aconteceu com ele, "na portagem da A7 Famalicão" e foi regularizado por parte da Ascendi, após a sua solicitação. "Fiz logo reclamação na portagem e nem foi necessário dizer qual o problema, houve logo uma voz a dizer qual era o problema, cobrança de classe 2 em veículo classe 1. Caso não fosse corrigido não haveria pagamento", indicou ainda.

Igualmente questionada, a Ascendi prestou esclarecimentos sobre os assunto. "Tal como em qualquer sistema automático deste tipo acontecem pontualmente erros de classificação dos veículos que, normalmente, nos são reportadas pelos clientes", informa a empresa prestadora de serviços de cobrança de portagens.

Além disso, a mesma fonte garante que todas as reclamações apresentadas pelos clientes são respondidas e regularizadas logo que é confirmado o erro de classificação. "As máquinas automáticas de pagamento de portagens dispõem de um serviço de atendimento totalmente dedicado, disponível 24h por dia, acessível imediata e diretamente a partir da máquina no ato de pagamento através do qual os operadores da Ascendi apoiam o processo de pagamento das portagens, incluindo o ajustamento imediato de qualquer eventual discrepância na classificação do veículo".

"Caso o cliente opte por reportar a ocorrência posteriormente, através de um dos canais de atendimento disponíveis (site, telefone, email ou outro), a mesma será respondida e o diferencial de valor da taxa de portagem será devolvido, caso se confirme o erro de classificação", esclarece ainda a Ascendi.

A operadora explica que a classificação dos veículos é efetuada automaticamente, na chegada à via de portagem, "através de sensores óticos de medição que detetam o número de eixos e a altura do veículo ao primeiro eixo", ou seja, são estes os dados utilizados na determinação da classe.

Em suma, a Ascendi admite que existem, de facto, situações pontuais de erro em relação à classificação da classe de veículos, à sua passagem nas portagens automáticas. No entanto, garante também que sempre que existe uma reclamação relacionada com um erro deste tipo, a situação é verificada e posteriormente regularizada. Logo, não existe uma intenção de roubo como é indicado na publicação sob análise.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network