"Evolução dos salários em 10 anos: políticos +31%; militares +23%; magistrados +23%; médicos -1%; cientistas -13%. E o povinho na miséria, acorda povo", lê-se no post de 1 de junho no Facebook, remetido ao Polígrafo para verificação de factos.

Aparentemente, esta publicação baseou-se num artigo do "Jornal de Notícias", datado de 26 de junho de 2022, com o seguinte título: "Magistrados e deputados com mais aumentos, médicos ganham menos."

"A evolução do ganho médio mensal das profissões do setor público é muito díspar ao longo dos últimos 10 anos. Os magistrados e os representantes do poder legislativo foram os que mais viram o ganho aumentar. Já os investigadores e os médicos foram os que mais perderam. O balanço da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) mostra que entre o mês de janeiro de 2012 e o mesmo mês de 2022, os magistrados viram o ganho médio mensal subir de 4.766,90 para 6.233,30 euros, num aumento de 31% que é o maior de todo o setor público. Os representantes do poder legislativo, onde se incluem os deputados, surgem em segundo lugar, com uma subida de 23,7%", informou o referido jornal.

Ou seja, no post do Facebook troca-se a percentagem de aumento dos "políticos" (mais especificamente, os representantes do poder legislativo) pela dos magistrados, além de indicar 23,7% como se fosse 23%, incorrendo assim em significativas imprecisões.

O Polígrafo analisou os dados da fonte primária, a DGAEP, confirmando que os magistrados passaram de um ganho mensal médio de 4.766,90 euros em janeiro de 2012 para 6.233,30 euros em janeiro de 2022 (+31%), ao passo que os representantes do poder legislativo passaram de 2.768,40 para 3.424,60 euros (+23,7%) e os militares de 1.520,40 para 1.849,30 (+21,6%).

Sublinhe-se então mais um dado incorreto: o aumento remuneratório dos militares (ou categoria de "Forças Armadas" nos dados da DGAEP) entre 2012 e 2022 foi de 21,6% e não de 23%.

Pela negativa destacam-se os médicos, cujo ganho médio mensal baixou de 3.691,20 euros em janeiro de 2012 para 3.622,80 euros em janeiro de 2022 (-1,9%), e o pessoal de investigação científica, com uma queda de 3.172,70 euros para 2.749,40 euros (-13,3%).

Mais uma vez, as percentagens indicadas no post em causa não são exatas.

De resto, importa ainda salientar que estes números correspondem ao ganho médio mensal, não à remuneração base média mensal (cujos dados também foram compilados pela DGAEP) que no caso dos médicos, por exemplo, até aumentou ligeiramente entre janeiro de 2012 e janeiro de 2022: de 2.614,30 para 2.639,20 euros (+0,9%).

No caso do pessoal de investigação científica, porém, a remuneração base média mensal também baixou entre 2012 e 2022: de 3.071,60 para 2.639,90 euros (-14,1%).

Outro elemento a ter em conta é que os dados da DGAEP referentes a janeiro de 2022 estão classificados como "provisórios". Mais, na categoria de "representantes do poder legislativo" indica-se (em nota de rodapé) que "inclui representantes do poder legislativo e de órgãos executivos, abrangendo os membros do Conselho Superior da Magistratura, não magistrados, eleitos pela Assembleia da República; dados não disponíveis para a Assembleia da República e os Serviços de Apoio ao Presidente da República".

_______________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Impreciso
International Fact-Checking Network