"Percebeu-se que a canábis estava em falta quando a polícia fez uma inspeção no depósito em que estava armazenada em Pilar, na Argentina. Javier Specia, ex-comissário da Polícia, deixou 13.000 libras de canábis sem assinatura quando deixou o cargo (…). O sucessor dele conduziu uma busca com oficiais e descobriu que faltava meia tonelada da substância", descreve-se no texto da publicação, sinalizada como fake news por vários utilizadores do Facebook.

"Especialistas em alimentos da Universidade de Buenos Aires disseram que não há como os ratos terem confundido a canábis com comida. Eles continuaram dizendo que, mesmo que os ratos tivessem encontrado e achassem que era comida, teriam encontrado um enorme grupo de camundongos mortos no depósito, depois de ingeri-lo", acrescenta-se.

Esta história é verdadeira ou falsa?

É verdadeira. O caso ocorreu em meados de 2018 e foi noticiado por diversos órgãos de comunicação social, na Argentina e também ao nível mundial.

O jornal britânico "The Guardian", por exemplo, informou na altura que "oito oficiais argentinos foram demitidos após alegarem que ratos comeram meia tonelada de marijuana desaparecida. (…) O desaparecimento das drogas foi descoberto durante uma inspeção ao armazém de drogas apreendidas pela polícia na cidade de Pilar, a 60 quilómetros da capital Buenos Aires. Dos 6.000 kg registados, apenas 5.460 kg foram encontrados".

De acordo com a BBC, que também noticiou o caso, "peritos forenses duvidam que os ratos possam confundir a droga com comida e, aliás, teriam provavelmente morrido se a tivessem ingerido".

***

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network