No passado fim de semana o Santuário de Fátima recebeu milhares de fiéis na quarta peregrinação anual por ocasião das aparições de Nossa Senhora de Fátima aos pastorinhos. Pela primeira vez, o Santuário viu-se obrigado a fechar portas aos peregrinos por ter atingido a lotação máxima permitida.

Fonte oficial do Santuário de Fátima garante ao Polígrafo que foram deixados "apelos constantes para o cumprimento das regras de distanciamento social" e as entradas foram monitorizadas através do "visionamento permanente das câmaras de vigilância e em articulação com a GNR". A partir do momento da comunhão, explica, "houve necessidade de impedir mais entradas, pois verificou-se que a ocupação segura estava alcançada no conjunto dos espaços".

Nas redes sociais compara-se a Festa do "Avante!" com as celebrações em Fátima. "A DGS responsável pelas regras das cerimónias em Fátima é a mesma DGS que impôs lugares sentados e um espaço de 8 metros quadrados por pessoa na Festa do 'Avante'?", questiona-se em publicação no "Facebook".

Mas, afinal, o Santuário de Fátima pediu algum parecer técnico à Direção-Geral da Saúde?

Fonte oficial da DGS garante ao Polígrafo que não houve nenhum parecer técnico emitido para a celebração religiosa uma vez que este "tem que ser solicitado por quem realiza o evento. Só depois desse pedido é que a DGS se pronuncia". Sem avaliar a situação, explica, "não é possível estabelecer orientações concretas".

A própria diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, declarou na conferência de imprensa de dia 16 de setembro que "não nos chegou nenhum pedido de parecer, não nos chegou nenhum plano de contingência, não nos chegou nenhuma planta do santuário".

Em relação ao limite das 55 mil pessoas no Santuário, número que teve origem numa notícia do jornal Correio da Manhã, a responsável admite não saber como surgiu. "Não nos parece expectável que em situação de contingência seja possível ter 55 mil pessoas no Santuário. Aguardaremos poder colaborar e ajudar, mas será necessário um diálogo e negociações", afirmou.

Na segunda-feira, dia 14 de setembro, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, já tinha garantido que os responsáveis pelo Santuário solicitaram uma reunião com o Ministério da Saúde, o que "revela bem a preocupação acrescida" da instituição religiosa, garantindo que reunirão "o mais rapidamente possível".

_______________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network