No passado dia 12 de Dezembro, a Primeira-Ministra britânica, Theresa May, enfrentou uma votação interna para se manter à frente do Partido Conservador, numa altura em que tinha adiado a votação do acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia. May conseguiu manter-se à frente do seu Partido, apesar de para tal ter garantido que não se iria recandidatar nas eleições de 2022. Com esta votação manteve-se também como Primeira-Ministra, não podendo ser novamente sujeita a escrutínio interno durante o próximo ano.

Já nesta quarta-feira, dia 19 Dezembro, durante a sessão de perguntas à Primeira-Ministra, na Casa dos Comuns, May, dirigindo-se a Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista [maior partido da oposição] afirmou o seguinte: “Olhe para trás, eles não estão impressionados [referindo-se aos deputados do Partido Trabalhista], nem tão pouco está o país”. A estas declarações, Corbyn reagiu com um murmúrio, não audível, onde supostamente proferiu as palavras “mulher estúpida”.

A frase indignou os deputados do Partido Conservador, que exigiram de imediato que Jeremy Corbyn se retratasse. Vários parlamentares conservadores apelidaram os comentários do líder trabalhista de misóginos e sexistas, tendo Paul Scully perguntado mesmo se Corbyn “achava que era linguagem própria chamar a alguém ‘mulher estúpida’, no ano em que passam 100 anos do direito de voto feminino". Também Anna Soubry, deputada do partido conservador, pediu a palavra para requerer a intervenção do Speaker da Casa dos Comuns para que este tivesse em conta o ponto de vista das mulheres presentes no Parlamento, “cansadas de serem sujeitas a declarações sexistas”.

No entanto, cerca de três horas depois das suas pretensas declarações, Corbyn veio explicar que dissera “pessoas estúpidas”, em vez de “mulher estúpida”. Sendo que a frase “pessoas estúpidas” se referia às pessoas que, segundo a sua visão, “estavam a tentar tornar um debate sobre a crise nacional que o país atravessa numa pantomima”. Continuou dizendo que “não utilizei os termos ‘mulher estúpida’ sobre a Primeira-Ministra, nem sobre ninguém, e sou completamente contra o uso de linguagem sexista e misógina de qualquer forma”.

Contudo, especialistas de leitura labial contactados pela estação noticiosa Sky News, confirmam que as palavras murmuradas por Jeremy Corbyn são, de facto, “mulher estúpida”. Segundo a especialista da 121 Captions, Tina Lannin, as razões pelas quais é claro que o líder trabalhista se referia à Primeira-Ministra são as seguintes:

  • “A boca de Corbyn faz a forma de ‘Wo’ e acaba claramente em ‘man’, não parecendo de todo que seja a palavra ‘people’”;
  • “Os lábios movem-se para a frente para formar um ‘W’ o que é bastante diferente da forma como se forma a letra ‘P’”;
  • “Tem de se olhar para a frase inteira. É claro que é ‘woman’ e que outra palavra usaria um P? ‘Poman’ não faz sentido’”;
  • “O ponto fulcral aqui é que o ‘W’ em ‘Woman’ é fácil de ver.

Avaliação do Polígrafo:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro