"Sabem porque os pobres recusam estes (restos de comida)??? porque a senhora Jonet e os seus amigos do banco alimentar levam o melhor para casa, aonde para o bom bacalhau, o azeite,as embalagens de leite? os restos sobram para quem mais precisa". Eis a mensagem que acompanha uma publicação que, em apenas cinco dias, já conta com centenas de likes e partilhas no Facebook.

Na imagem surgem bolachas, pacotes de massa, embalagens de leite e enlatados. No artigo sugere-se que Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar Contra a Fome, levaria para casa os melhores alimentos doados à instituição, como o bacalhau e o azeite.

Confirma-se? Verificação de factos. 

A imagem em causa circula nas redes sociais pelo menos desde 2018. Vários utilizadores espanhóis partilharam a fotografia no Twitter, acusando imigrantes muçulmanos de desperdiçarem comida doada pela Cáritas e pela Cruz Vermelha. A mensagem propagada era de que estes bens alimentares teriam sido deitados ao lixo em Castellón, Espanha.

Na altura,  a informação foi verificada por várias plataformas de fact-checking, como a Maldita.es e a Newtral. A Cáritas e a Cruz Vermelha garantiram à Newtral que não "existem evidências de que a fotografia tenha sido tirada em Castellón" e que é impossível saber se "os alimentos da imagem correspondem aos que foram entregues pelas respetivas associações". Além disso, como não aparece ninguém na fotografia, torna-se impraticável identificar o responsável pelo abandono dos bens alimentares.

Em suma, a publicação em análise difunde uma falsidade, sem qualquer sustentação factual. O seu autor utilizou de forma manipulatória uma imagem que circulava nas redes sociais espanholas para difundir desinformação sobre Isabel Jonet, a cara de uma das mais conhecidas instituições portuguesas de solidariedade social.

Resta referir que este tipo de rumores é recorrente em época natalícia, quando as campanhas de solidariedade são em maior escala.

***

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network