O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Paulo Núncio: “PS votou sempre contra todas as propostas de abolição de portagens”

Política
O que está em causa?
Esta tarde, voltou ao Parlamento a discussão sobre o fim das portagens nas ex-scuts, com o PS, um dos proponentes, a ser acusado de "hipocrisia" por ter votado "sempre contra" o que agora defende. É verdade?
© Manuel de Almeida/Lusa

O fim do pagamento de portagens nas ex-SCUT esteve esta tarde em debate na Assembleia da República com três projetos de lei a serem votados. Apesar de o Bloco de Esquerda e PCP terem apresentado as suas propostas para a eliminação, foi a proposta do PS que mais discussão gerou – e que foi aprovada (viabilizada pelo Chega) – pela sua aparente “hipocrisia”.

Depois de Carlos Guimarães Pinto, do Iniciativa Liberal, ter sublinhado que o PS votou sempre “contra, contra e contra” todas as propostas de abolição das portagens, foi a vez de Paulo Núncio, líder parlamentar do CDS-PP, o reafirmar: “A proposta do PS de eliminar as portagens nas auto-estradas ex-SCUTS deve ser inscrita imediatamente no livro das maiores hipocrisias e falsidades da história deste Parlamento. O PS esteve oito anos no Governo e não só nunca aboliu as portagens nas auto-estradas, como votou sempre contra todas as propostas de todos os partidos para essa abolição.”

É verdade que o PS votou sempre contra propostas de eliminação das portagens?

Sim. De março de 2016 a outubro de 2023, a posição do PS foi sempre a mesma: rejeitar todas as propostas de abolição das portagens e optar antes pela via da redução das mesmas. Em setembro do último ano, o Governo aprovou uma redução do preço das portagens em várias ex-SCUT em 30% e, semanas depois, a então Ministra da Coesão dizia que a abolição estaria “cada vez mais longe de ser uma possibilidade”.

Esse “cada vez mais longe” parece, no entanto, ter mudado de direção em janeiro de 2024, já depois da queda do Governo de António Costa, quando Pedro Nuno Santos anunciava como objetivo a eliminação das portagens caso ganhasse as legislativas.

“Ao longo dos últimos anos temos feito um esforço para reduzir as portagens, não vamos reduzir mais as portagens no Interior, nós vamos eliminar as portagens no Interior e no Algarve”, garantiu o então recém-eleito secretário-geral do PS, Pedro Nuno Santos, na Alfândega do Porto.

A justificação socialista para agora se proceder à abolição depois de sempre a terem rejeitado são as “condições para as cumprir“. De acordo com Ana Mendes Godinho, os governos do PS nos últimos anos “cumpriram” sempre a promessa de redução das portagens e, em 2024, “comprometeu-se com a abolição” por considerar que agora sim o país tem condições para tal.

Recuando ao passado, também Costa, em 2015, prometeu eliminar as portagens na Via do Infante, caso fosse eleito Primeiro-Ministro. Promessa feita, mas não cumprida. Costa não aboliu as portagens ao longo da sua governação, a política foi antes de reduções no custo das portagens.

________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque