"A 'nova' estação de metro de Arroios e o seu episódio caricato de reabertura", destaca-se na legenda de uma publicação no Facebook, de 14 de setembro, que mostra uma captura de ecrã de um comentário da mesma rede social.

No texto lê-se: "Hoje passou-se uma cena caricata, elucidativa da 'boa' e famosa organização portuguesa: Lá ia eu na linha verde quando, por volta das 18h30, o metro parou mesmo em Arroios. A portas abriram e muitas pessoas, ainda estupefatas e com algum receio, lá foram saindo na nova estação. As portas fecharam, o comboio arrancou e, logo de seguida, travou a fundo. As portas voltaram a abrir e veio um homem das obras a correr e a gritar para que todos voltassem a entrar no comboio."

Contactada pelo Polígrafo, fonte oficial do Metropolitano de Lisboa "confirma que, no dia 13 de setembro, pelas 18h39, um comboio parou na estação [de Arroios], tendo saído uma passageira que foi encaminhada para o acesso de saída da estação".

"A estação de Arroios ainda se encontrava encerrada ao público, mas já estava completamente operacional e com todas as condições de segurança necessárias, tendo aberto ao público às 20h00 desse mesmo dia", esclarece a mesma fonte que garante, no entanto, não ter existido "qualquer paragem brusca nem 'gritos' de pessoal da obra que se encontrava a trabalhar na estação".

O Polígrafo questionou ainda o Metro de Lisboa sobre as fotografias que estão a circular nas redes sociais em que é exposta a alegada falta de acabamentos nas obras de requalificação da estação e sobre a insinuação de que obra foi inaugurada em tempo recorde para acontecer antes das eleições autárquicas que se vão realizar no dia 26 de setembro.

Em resposta, o Metro de Lisboa afirma que "nesta obra, como em todas as outras, é normal que existam trabalhos que necessitam de correções pontuais nos dias subsequentes à sua entrada em funcionamento".

"Desde o primeiro momento que informámos que as obras estariam concluídas no segundo semestre de 2021, ainda antes de ser conhecida a data das eleições, e, mais recentemente, que iria reabrir em setembro", esclarece ainda a mesma fonte.

Já em relação às imagens de um alegado elevador da estação de Arroios com um aviso de avaria, que estão igualmente a ser partilhadas no Facebook, fonte do metropolitano afirma que "todos os elevadores existentes na estação Arroios se encontram atualmente em funcionamento".

"Efetivamente, reconhecemos que existem, por vezes, paragens no funcionamento dos equipamentos mecânicos existentes nas estações por motivos técnicos. Desde a reabertura da estação Arroios, no início dessa semana, confirmamos que se verificaram algumas paragens de um dos três elevadores existentes, situação que foi imediatamente reportada à manutenção e prontamente resolvida", informa.

Em suma, conclui-se que, relativamente à questão levantada na publicação em análise, o Metro de Lisboa confirma ser verdadeiro que uma passageira desembarcou indevidamente na estação de Arroios horas antes de ser aberta ao público. No entanto, ao contrário do que se refere na publicação, não se tratavam de múltiplos passageiros e não existiu qualquer paragem brusca para que a passageira regressasse ao interior do metro. Segundo informa a empresa de transportes, a utente foi simplesmente encaminhada até à saída da estação.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro, mas...
International Fact-Checking Network