"Sabem o que é isto? Isto é um selo e custa 40 francos suíços, cerca de 32 euros! Isto permite circular em todas as auto-estradas da Suíça, todas as 24 horas de todos os dias de um ano. São 8.760 horas", destaca-se numa publicação de 18 de setembro no Facebook, partilhada por milhares de pessoas, em que se mostra uma imagem do suposto selo de acesso às auto-estradas suíças.

"Em Portugal dá para quê? Para ir de Lisboa ao Algarve? Circular três horas? Porquê? Porque existem gulosos gestores e acionistas de Parcerias Público-Privadas (PPP)", compara-se no mesmo texto.

Para depois rematar: "Copiam o que é mau, mas é certo que não copiam nem implementam as coisas que são boas para o povo."

Esta informação é verdadeira, mas o valor em causa está desatualizado. Tal como é visível na imagem do selo, remonta a 2015. Ora, o preço do selo mantém-se igual em 2022, ou seja, 40 francos suíços. Mas a taxa de câmbio é diferente e, atualmente, 40 francos suíços equivalem a cerca de 42 euros.

As autoridades da Confederação Suíça referem-se ao selo como uma vinheta, em nota informativa sobre o acesso de veículos motorizados a todas as auto-estradas e vias rápidas do território daquele país situado na Europa Central, em plena região dos Alpes.

A vinheta de 2022 custa 40 francos suíços e tem validade entre 1 de dezembro de 2021 e 31 de janeiro de 2023.

"A vinheta deve ser colada no interior do pára-brisas e deve estar claramente visível", indicam as autoridades suíças.

Ainda não está disponível em formato eletrónico, pelo que é necessário comprar o formato físico da vinheta. Para quem entra no país a partir do estrangeiro é possível adquirir a vinheta nos serviços de alfândega.

  • Brisa obteve mais 47% de lucros mas vai aumentar taxas das portagens de auto-estradas, acusa-se no Twitter

    O formato é recorrente: duas notícias, de datas diferentes, são colocadas lado a lado para dar a conhecer uma qualquer incongruência. Neste caso, em causa está a Brisa Concessão Rodoviária (BCR), que terá visto os seus lucros aumentar 47% em 2021, mas coloca nas mãos do Estado o eventual travão para um aumento "significativo" das taxas cobradas nas portagens. Informações estão corretas, mas tudo resulta do contrato de concessão firmado entre o Estado português e a Brisa.

Outro elemento a ter em conta é que esta vinheta não se aplica aos veículos pesados, com mais de 3,5 toneladas. Nesses casos aplica-se uma "taxa especial para veículos pesados".

De resto, se for apanhado a circular nas auto-estradas e vias rápidas sem a devida vinheta, arrisca-se a pagar uma multa de 200 francos suíços (cerca de 210 euros). Além de ser obrigado a comprar a vinheta, por mais 40 francos suíços.

_____________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network