O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Página da Assembleia da República no Instagram não segue o Chega nem o PSD?

Política
O que está em causa?
Em pedido de verificação de factos enviado ao Polígrafo, alerta-se para um "tweet" em que se alega que a página de Instagram da Assembleia da República, "não segue todas as contas que devia", nomeadamente o Chega e o PSD. Verdadeiro ou falso?
© Agência Lusa / Filipe Amorim

“Curiosidade duvidosa. Sabias que a conta oficial da Assembleia da República no Instagram, segue seis partidos (IL, PAN, BE, Livre, CDU) mas não segue as três forças políticas? Não segue todas as contas que devia, mas segue por exemplo o Museu do Benfica”, destaca-se num tweet de 29 de março, que suscitou dúvidas e pedidos de verificação de factos.

Em mensagem enviada ao Polígrafo indica-se que a publicação “no X é residual, mas está a correr com maior impacto no WhatsApp” e questiona-se sobre se é verdade que a Assembleia da República (AR) segue IL, PAN, BE, Livre, CDU, mas não o PSD e o Chega”, tal como alega o tweet.

Em causa está concretamente a conta da AR no Instagram, excluindo outras redes sociais como o Facebook ou X. No tweet são partilhadas, inclusive, duas imagens para comprovar a alegação.

Mas será mesmo assim?

De facto, a conta oficial da AR no Instagram segue as páginas dos partidos Iniciativa Liberal, PAN, Bloco de Esquerda, Livre e CDU (cinco e não seis como indica o tweet). Por outro lado, o Chega não entra na lista de seguidos pela AR, mas também não entra outro dos partidos que integra a coligação Aliança Democrática, o CDS-PP.

Já no que diz respeito ao PS e PSD, as páginas dos partidos não são seguidas, mas são seguidas as páginas dos grupos parlamentares de cada um deles. Quanto aos líderes partidários, verifica-se que apenas Pedro Nuno Santos, Mariana Mortágua, André Ventura e Inês Sousa Real constam nesta lista. Confirma-se também que segue a página do Museu do Benfica.

Questionado pelo Polígrafo sobre esta matéria, o gabinete de comunicação da AR explicou que “a presença da Assembleia da República nas redes sociais foi sendo feita de forma gradual, quer em termos de tempo, quer em termos das plataformas” nas quais tem página ativa.

“Numa fase inicial e até exploratória dessa nova realidade, a opção foi seguir quem nos seguia, garantindo dessa maneira a reciprocidade e até o aumento da visibilidade a novos públicos/seguidores”, sublinhou.

Com o objetivo de “garantir e aumentar a literacia política e parlamentar dos cidadãos”, o foco da página “foi essencialmente nos conteúdos” divulgados. No ano da criação começou por seguir “entre outras entidades, os líderes dos grupos parlamentares que tinham página no Instagram, bem como André Ventura, na qualidade de deputado único representante do Chega”.

Nesse mesmo ano passou “a seguir também as páginas dos grupos parlamentares do PS, do PSD e do BE, que eram as que existiam”. Já na XV Legislatura, incluíram na lista de seguidores “a CDU, o Livre, a IL e o PAN porque não tinham páginas dos grupos parlamentares”, continuando “a seguir as páginas dos restantes grupos parlamentares e do André Ventura”.

Quanto aos critérios de gestão da página, “foram sendo adaptados à realidade“, tendo agora, com esta nova legislatura, de “proceder aos necessários ajustes, articulando a presença nas diferentes redes sociais”.

_______________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Fact checks mais recentes